A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

André Franco
Crypto News
André Franco
É engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus
2021-03-10T18:19:53-03:00
Crypto News

As mais de 400 mortes e reinvenções do bitcoin

Tal qual Mattia Pascal, que se reinventou após “morrer” e assumiu uma nova identidade, como Adriano Meis, ao longo do tempo o bitcoin também adotou novas “identidades”.

10 de março de 2021
18:19
shutterstock_1686309298
Imagem: Shuttestock

“‘Depois da chegada ao lugar... Mais tarde... como o do nosso bibliotecário Mattia Pascal, desaparecido há vários dias. Causa do suicídio: dificuldades financeiras.’

— Eu?... ‘Desaparecido... reconhecido... Mattia Pascal...’”

 “O Falecido Mattia Pascal”, de Luigi Pirandello

Mattia Pascal era um bibliotecário mal remunerado, que foi obrigado a casar com Romilda, com quem teve um filho que, por sua vez, veio a falecer. Além disso, Mattia também perdeu sua mãe e era atormentado a todo tempo por sua sogra, Pescattore.

Por isso, não é de se estranhar que o protagonista de “O Falecido Mattia Pascal”, romance de Luigi Pirandello, tenha fugido de sua realidade. Ele foi para Mônaco, apostou em um cassino todo o dinheiro que levou e, por acaso, foi bem-sucedido em sua empreitada e juntou uma pequena fortuna.

Feliz, mas ciente de suas obrigações com Romilda, ele decidiu voltar para casa, mas, para a sua surpresa, descobriu por meio de um jornal que ele próprio havia “morrido”.

Isso mesmo, Mattia, segundo um jornal da época, havia cometido suicídio e, inclusive, o corpo fora reconhecido por sua viúva e pela sogra.

A obra de Pirandello nos remete a nosso polêmico bitcoin, que volta e meia se depara nos jornais com o seu obituário. Contudo, diferentemente da personagem, que morreu apenas uma vez, a criptomoeda já foi dada como morta mais de 400 vezes, segundo o site 99bitcoins.

Tal qual Mattia Pascal, que se reinventou após “morrer” e assumiu uma nova identidade, como Adriano Meis, ao longo do tempo o bitcoin também adotou novas “identidades”.

Se no documento inicial postado por Satoshi Nakamoto o BTC era descrito quase como uma prova de conceito de dinheiro unicamente digital, no decorrer dos anos ele passou pelas seguintes narrativas:

  • i. Rede de pagamentos ponto a ponto barata
  • ii. Ouro digital resistente a censura
  • iii. Dinheiro anônimo e privado da darknet
  • iv. Reserva de valor para o ecossistema cripto
  • v. Banco de dados compartilhável e programável
  • vi. Ativo financeiro não correlacionado

O fato é que o bitcoin é transmorfo, não pela evolução da tecnologia em si, pois as evoluções pelas quais a rede passou foram bem poucas se comparadas às de outros projetos, mas porque os investidores têm opiniões diferentes sobre o mesmo ativo.

Consequentemente, a narrativa que o envolve evolui ao longo do tempo, de acordo com a interpretação da comunidade que o cerca em cada período.

Imagine essa evolução como se estivéssemos na Idade da Pedra e encontrássemos o fogo. Em um primeiro momento, ele serviria para afastar predadores, depois perceberíamos que serve para nos aquecer, então seria usado para assar alimentos e, por último, para forjar armas.

Podemos notar que esse comportamento aconteceu recentemente também com a internet. Digo isso porque, nos anos 2000, o “killer app” dessa ferramenta era o e-mail e isso estava estampado em todas as apresentações de grandes bancos da época.

Veja você que, por algum tempo, eles estiveram certos, pois o e-mail realmente era algo que mudava o jogo na comunicação de então. No entanto, quando olhamos em retrospecto, parece até meio bobo pensar que um dia se reduziu a internet a uma correspondência digital.

Pois bem, para todos aqueles que reduzem o bitcoin e as criptomoedas a meios de pagamentos lentos e desajeitados, preste atenção, pois, em retrospecto, essa visão só não será pior do que a daqueles que ignoraram por completo essa tecnologia.

Dentro da Empiricus, deixamos de ignorá-las desde 2017 e tenho a certeza de que isso foi muito lucrativo, mais de 1.200% lucrativo.

Durante esse tempo, o bitcoin morreu várias vezes, mas continuou vivo e mais forte, demonstrando sua antifragilidade.

Por isso cabe a você decidir se quer estar exposto a um ativo antifrágil, mesmo que pouco, ou completamente à mercê de uma economia mundial e local cada vez mais frágil.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

BALANÇO

Taesa (TAEE11) vê lucro líquido cair 19,2% no trimestre e anuncia pagamento milionário de dividendos

10 de agosto de 2022 - 20:47

As empresas do setor energético são conhecidas por encherem os bolsos dos investidores de dividendos. Por isso, o mercado olha com atenção para os números da Transmissora Aliança de Energia Elétrica (TAESA-TAEE11) divulgados nesta quarta-feira (10). Mas o balanço não trouxe boas notícias: a companhia encerrou o segundo trimestre com um lucro líquido de R$ […]

O XERIFE TÁ DE OLHO

Petrobras (PETR4) diz que recebeu ofício da CVM sobre anulação de assembleia que elegerá novo conselho; entenda

10 de agosto de 2022 - 20:22

A solicitação foi formulada pela Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras (Anapetro) para suspender AGE da próxima semana

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação americana perde força, Curry dispara e XP decepciona; confira os destaques do dia

10 de agosto de 2022 - 19:14

O indicador de inflação ao consumidor dos EUA ficou estável, contrariando a expectativa de alta, e realimentou a esperança de que o Federal Reserve não deve agir de forma tão dura

MISSÃO CUMPRIDA

Banco do Brasil tem lucro de R$ 7,8 bilhões no 2T22 e cumpre promessa de se equiparar a bancos privados em rentabilidade

10 de agosto de 2022 - 19:12

Lucro do Banco do Brasil aumentou 54,8% em relação ao mesmo período de 2011 e rentabilidade sobre o patrimônio líquido superou a do Bradesco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies