Menu
2021-02-22T17:19:11-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mercados hoje

Ibovespa reduz queda com recuperação de siderúrgicas, mas ações da Petrobras mantêm tombo de 20%

Interferência do governo na presidência da Petrobras arrasta ações da petroleira e de outras estatais, levando o Ibovespa a cair cerca de 4%

22 de fevereiro de 2021
11:07 - atualizado às 17:19
Bolsonaro Mercados Baixa Petrobras Banco do Brasil Eletrobras
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa começou o dia em queda de mais de 4%, puxado pelas ações de estatais, após o governo ter indicado o general Joaquim Silva e Luna para a presidência da Petrobras na última sexta à noite (19).

A medida é entendida pelo mercado como uma intervenção governamental na petroleira, com a intenção de interferir na política de preços, o que seria danoso aos acionistas da companhia.

Às 17h, o Ibovespa caía 4,16%, aos 113.499,66 pontos, depois de passar quase toda a manhã na faixa dos 112 mil pontos. Na mínima do dia, o índice chegou a cair 5,73%, para 111.650,26 pontos.

O índice reduziu as perdas depois que as ações das siderúrgicas se recuperaram e passaram a subir. No mesmo horário, os papéis da CSN (CSNA3) avançavam 2,21%, enquanto as da Usiminas (USIM5) tinham alta de 1,07%. Hoje o minério de ferro subiu 1,39% no porto chinês de Qingdao.

As ações da Petrobras, porém, mantêm a sangria. Os papéis ordinários (PETR3) desabavam 19,37% no mesmo horário, enquanto as preferenciais (PETR4) tombavam 19,80%, as duas maiores quedas do Ibovespa no dia.

A terceira maior baixa fica por conta dos papéis do Banco do Brasil (BBAS3) que despencavam 11,19% no mesmo horário. O mercado volta a temer pela permanência do atual presidente do banco, André Brandão, cuja saída chegou a ser aventada, recentemente, após duras críticas de Bolsonaro à política de redução de custos da companhia.

As ações ordinárias da Eletrobras (ELET3) recuavam 3,13%, e as preferenciais (ELET6) caíam 2,29%. A elétrica também reduziu perdas, tendo chegado a cair cerca de 10% mais cedo. Aqui, o temor do mercado é que a privatização da companhia suba no telhado, além de uma intervenção no setor elétrico, conforme ameaçou Bolsonaro no fim de semana.

Já o dólar à vista fechou em alta de 1,27% a R$ 5,4539. Depois de subir mais de 2% mais cedo, batendo R$ 5,53 na máxima, o Banco Central atuou no mercado de câmbio, a fim de dar alívio à flutuação da moeda americana.

Os juros futuros fecharam em alta em todos os vencimentos com a pressão do dólar e o aumento do risco-país. Veja o desempenho dos principais contratos:

  • Janeiro/2022: de 3,44% para 3,53% (+2,62%)
  • Janeiro/2023: de 5,13% para 5,325% (+3,80%)
  • Janeiro/2025: de 6,69% para 6,92% (+3,44%)
  • Janeiro/2027: de 7,33% para 7,57% (+3,27%)

A faceta mais intervencionista em estatais revelada pelo governo brasileiro levou o CDS de 5 anos do Brasil (Credit Default Swap, ativo cuja cotação funciona como medida do risco-país) a atingir 188 pontos, nível mais alto desde novembro.

Os juros e o câmbio passaram a precificar este cenário de maior risco Brasil e duas elevações de 0,50 ponto percentual na taxa Selic já nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), a serem realizadas em março e maio.

Lá fora, as bolsas americanas operam com sinais mistos. Há pouco, o Dow Jones subia 0,34%, enquanto o S&P 500 caía 0,46% e o Nasdaq recuava 1,89%. As bolsas europeias, por sua vez, fecharam em queda.

Corretoras recomendam venda de Petrobras e outras estatais

Temendo o uso da Petrobras para medidas populistas pelo presidente Jair Bolsonaro, analistas de diversas instituições financeiras mudaram a recomendação das ações da Petrobras para venda desde o fim de semana, reduzindo também o preço-alvo dos papéis.

Eles temem que, além de uma interferência na política de preços potencialmente danosa para a companhia, a provável troca de presidente também prejudique a política de venda de ativos e desalavancagem da companhia.

A Petrobras tem planos de vender refinarias para focar ainda mais na exploração do pré-sal, mas essa estratégia pode ser alterada, uma vez que a posse das refinarias é essencial para que a companhia consiga manter uma política de preços mais "social" e descolada da cotação internacional do petróleo.

Além disso, a forma como foi feita a indicação do governo aponta para um grave problema de governança na companhia.

O risco de contaminação da "guinada intervencionista" do governo para outras estatais levou analistas a também rebaixarem a recomendação para ações de companhias como Eletrobras e Banco do Brasil.

Apenas a faísca perto de um barril de pólvora

As ações da Petrobras já vinham sendo afetadas por um conflito aberto entre o presidente Jair Bolsonaro e o atual presidente, Roberto Castello Branco.

A política de preços da estatal vinha seguindo as cotações do mercado internacional, o que já resultou em quatro reajustes dos preços dos combustíveis nas refinarias apenas neste ano.

O último reajuste, anunciado na quinta-feira (18), foi a gota d'água para o presidente, que vem tentando acomodar as demandas feitas por uma de suas importantes bases de apoio, os caminhoneiros. Eles se queixam dos altos preços do diesel e mais de uma vez já ameaçaram entrar em greve.

Na sua tradicional live de quinta-feira, Bolsonaro reclamou do novo reajuste dos combustíveis e fez uma ameaça velada a Castello Branco, dizendo que a fala do CEO da Petrobras sobre a companhia "não ter nada a ver com os caminhoneiros" teria consequências. No dia seguinte, as ações da estatal recuaram em torno de 7%.

Na sexta à noite, Bolsonaro anunciou nas redes sociais que o governo estava indicando o general Joaquim Silva e Luna para a presidência da Petrobras, o que foi entendido pelo mercado como uma interferência do governo na cúpula da companhia.

O mandato de Castello Branco à frente da companhia termina em março, mas sua recondução para o cargo por mais dois anos já era esperada. Com a indicação de Silva e Luna, seu nome deverá passar por votação do conselho, uma vez que o governo não tem poder de simplesmente mudar o CEO da Petrobras. Mas como a maioria dos 11 membros do conselho são indicados do governo, é provável que a mudança seja aprovada.

O mercado entendeu o movimento como uma tentativa de Bolsonaro de interferir na política de preços da estatal. O presidente diz que só quer maior transparência e previsibilidade para os preços, mas o histórico de interferências governamentais na precificação da companhia deixou marcas.

Na própria sexta-feira, os recibos de ações (ADR) da Petrobras negociados na bolsa de Nova York chegaram a recuar 9% na mínima no after hours, uma espécie de prorrogação do pregão regular. Hoje, antes da abertura do mercado, as ADRs chegaram a recuar 17%, e o EWZ, ETF que representa as ações brasileiras, chegou a cair 5%.

No fim de semana, Bolsonaro atacou novamente Castello Branco, disse que mais mudanças virão por aí e indicou que, como governante, precisa trocar peças que não estão dando certo. O presidente ainda disse que "Vamos meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também."

Com a perspectiva de que o governo possa fazer interferências em outras estatais, como Banco do Brasil e Eletrobras, e ainda mexer no setor elétrico, as ações dessas companhias recuam forte nesta segunda-feira, como num grande efeito contágio, mostrando que a interferência na Petrobras foi apenas a faísca a acender um grande rastro de pólvora.

Lojas Americanas e B2W avançam com notícia de fusão

Dentre as poucas altas do Ibovespa nesta segunda-feira destacam-se as ações das Lojas Americanas (LAME4) e B2W (BTOW3), que anunciaram, também na última sexta-feira, que estudam uma fusão das suas operações.

Às 17h, os papéis preferenciais das Americanas disparavam 18,76%, maior alta do Ibovespa no dia. Já as ações da B2W subiam 2,91%. Fora do Ibovespa, as ações ordinárias das Lojas Americanas (LAME3) disparavam 38,83% no mesmo horário.

Outra ação que figura entre as maiores altas do dia é a da Embraer (EMBR3), que às 17h avançava 8,78%. Os papéis são impulsionados pela notícia, divulgada na última sexta-feira, de que a companhia confirmou que de fato está discutindo a venda de aeronaves para a Lufthansa, negociação que já havia sido antecipada na quarta-feira (17) pelo CEO da aérea alemã.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Esquenta dos Mercados

Indicadores econômicos dos EUA devem movimentar o dia, com aumento da cautela antes da ‘Super Quarta’

Depois de um pregão ignorando a Super Quarta, Ibovespa deve sentir o peso da cautela antes da decisão de política monetária no Brasil e nos EUA

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies