Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-18T18:23:52-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Dólar fica abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano; confira as razões para a queda da moeda

Entrada de fluxo estrangeiro no país é acompanhada de alguns critérios técnicos e uma melhora na percepção de risco.

16 de junho de 2021
13:15 - atualizado às 18:23
1 Dólar 5 Reais
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em um dia marcado pela cautela antes das decisões de política monetária do Brasil e dos Estados Unidos, o dólar à vista tem seguido o sentido contrário e atingiu há pouco o seu menor nível em um ano, abaixo da casa dos R$ 5. A última vez havia sido no dia 10 de junho de 2020.

Impulsionada pela entrada de recursos estrangeiro no país, a moeda norte-americana atingiu a marca de R$ 4,9936 na mínima do dia.

Mas para quem já esperava arrumar as malas para a Disney, a alegria durou pouco. O dólar virou e passou a ser negociado em alta depois da decisão do Fed, o Banco Central dos EUA, sobre os juros. Por volta das 16h, a moeda subia 0,34%, cotada a R$ 5,067.

Apesar da virada, o real segue se fortalecendo perante o dólar, em um movimento que se intensificou nas últimas semanas. Saiba a seguir o que mexe com as cotações da moeda.

O caminho até aqui

Um dos fatores que levam a esse movimento de queda observado hoje e que vem sendo bastante comentado nas últimas semanas é justamente as apostas para a decisão de juros que serão conhecidas nesta tarde. Com a perspectiva de um novo aumento da Selic e a projeção de manutenção das taxas americanas nas mínimas, o investimento estrangeiro no país acaba ficando mais atrativo. 

*Siga o Seu Dinheiro no Instagram

Para a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, estamos vivendo uma ‘janela de oportunidade’ para o alívio no câmbio. Isso se deve aos dados positivos tanto no lado comercial - com recorde de exportações -, quanto no financeiro, o que acaba levando a uma menor percepção da taxa de risco. 

O credit default swap (CDS) de 5 anos, um dos termômetros do risco-país, tem recuado expressivamente com uma melhora do cenário político e o aumento da arrecadação nos últimos meses, influenciando nessa percepção de melhora.

“Não temos nada alarmante em Brasília. Nada alarmante com relação às contas públicas, muito pelo contrário. O noticiário recente é benéfico com a melhora da arrecadação. Mas isso é no curto prazo. Não acredito que seja uma melhora consistente”, aponta a economista. 

Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso corretora, destaque que além dos dados econômicos robustos dos últimos dias, que levam a aumento consistente do PIB, temos observado o desmonte de posições compradas e zeragens de hedges, o que impulsiona a queda.

O comunicado do Federal Reserve e do Copom, no entanto, podem mudar esse cenário mais tarde. Caso o Fed indique uma melhora da atividade econômica, aumentando o rendimento dos títulos do Tesouro e, por tabela, fortalecendo o dólar, a nossa taxa de câmbio pode ser contida ‘ainda que mantenha os fundamentos de curto prazo’. 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Balanço trimestral

Vai gerar insegurança? BB Seguridade (BBSE3) tem resultados abaixo da expectativa de analistas

O lucro líquido do segundo trimestre foi de R$ 753,7 milhões de reais, resultado 23,2% menor que o registrado um ano antes

O melhor do seu dinheiro

A corrida dos bilhões com barreiras nos balanços da semana e outras notícias que mexem com o seu dinheiro

Bom dia! Prepare-se para ler muitas vezes a palavra “bilhão” ao longo desta semana nas reportagens do Seu Dinheiro. Com a temporada de balanços na fase decisiva, estão programados para os próximos dias os resultados dos três maiores bancos brasileiros — Banco do Brasil, Itaú e Bradesco. Em outros tempos, os lucros bilionários projetados para […]

segredos da bolsa

Esquenta dos mercados: Copom e payroll devem movimentar os negócios junto com balanços dos grandes bancos

Além disso, os mercados amanheceram com apetite de risco nesta-segunda-feira; confira

Decolagem vertical

De olho nas cidades, Azul fecha parceria com startup alemã para ter carro voador

Acordo prevê a aquisição de 220 aeronaves fabricados pela Lilium, com um valor que pode chegar a US$ 1 bilhão e operação a partir de 2025

cardápio da semana

Itaú, Bradesco, BB e Petrobras divulgam resultados nesta semana; saiba o que esperar

Depois do baque com o início da pandemia, companhias que fazem parte do Ibovespa devem registrar uma alta anual de 255% do lucro por ação; veja agenda da semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies