2021-04-26T18:45:59-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Além do bitcoin

HASH11, o primeiro ETF de criptomoedas negociado na B3, estreia em forte alta

O HASH11 replica o desempenho de um índice desenvolvido pela gestora brasileira Hashdex em parceria com a Nasdaq

26 de abril de 2021
12:48 - atualizado às 18:45
Imagem: Shutterstock

O primeiro fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) de criptomoedas negociado na bolsa brasileira tem uma estreia em grande estilo no pregão da B3. O HASH11 fechou hoje em alta de 12,26%, a R$ 53,10.

O HASH11 replica o desempenho de um índice desenvolvido pela gestora brasileira Hashdex em parceria com a Nasdaq. O ETF segue a variação do Nasdaq Crypto Index (NCI), indicador que busca refletir o movimento do mercado de criptoativos, e não só do bitcoin. O índice conta com seis criptoativos na carteira:

  • Bitcoin (80,37%)
  • Ethereum (16,35%)
  • Litecoin (1,19%)
  • Chainlink (0,94%)
  • Bitcoin Cash (0,64%)
  • Stellar Lumens (0,50%)
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Palavra do CEO

Para o CEO da Hashdex, Marcelo Sampaio, a estreia do ETF na bolsa foi um sucesso. Durante nossa conversa, o fundo HASH11 chegou a ficar em segundo lugar entre os mais negociados da B3. “Isso mostra um mercado reprimido, que carece de uma diversidade maior de produtos para esse tipo de investimento”, comenta ele. 

Sampaio conta que a ideia de um fundo de investimento em índice de cripto veio para facilitar a entrada de pessoas no universo crescente das criptomoedas e diminuir as oscilações de preço dos ativos. “A forma é um fundo que tira o risco operacional e tem governança, regulamentação, etc. Mas o conteúdo é criptomoeda”, afirma ele.

Apesar de reduzir o risco, os criptoativos ainda são investimentos muito voláteis. Mesmo com uma cesta de moedas consideradas sólidas no mercado, altas expressivas e quedas bruscas acompanharão os investidores por um bom tempo.

Foi o caso do bitcoin. Há duas semanas, a principal criptomoeda do mercado registrou seu valor mais alto, atingindo US$ 65 mil. Após sete dias, o preço caiu 22% aos US$ 47 mil. Nesta segunda-feira (26), o bitcoin registra alta de 6,98%, aos US$ 53.502,99.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

CERCO FECHANDO?

Com big techs na mira dos órgãos reguladores, Cade britânico manda Meta, a dona do Facebook, vender a Giphy

A Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido considera que o negócio tem potencial de prejudicar usuários de redes sociais e anunciantes

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro recua com novos temores sobre a covid-19 no mundo e dólar também cai

Os investidores permanecem de olho na votação da PEC dos precatórios na CCJ do Senado, marcada para esta terça-feira (30)

O melhor do Seu Dinheiro

Ômicron de “A” a “Z”, dividendos, balanço da Black Friday e outros destaques

A variante ômicron recebeu este nome para evitar maiores conflitos de linguagem, mas Matheus Spiess vai além da semântica em sua análise

A BOLSA HOJE

Esquenta dos mercados: notícia sobre possível baixa eficácia das vacinas contra ômicron derruba mercados, em dia de discurso de Powell e votação dos precatórios

O investidor local ainda permanece de olho nas falas de Roberto Campos Neto e Paulo Guedes em eventos separados hoje

SÓ NO SAPATINHO

Dividendos: Arezzo (ARZZ3) vai distribuir R$ 60 milhões aos acionistas; veja como participar

Serão R$ 33,78 milhões em JCP e R$ 26,22 milhões em dividendos a serem depositados até 31 de janeiro de 2022