Menu
2020-04-20T12:36:24-03:00
Estadão Conteúdo
Crise política

Maia cancela a agenda no dia seguinte à participação de Bolsonaro em ato pró-AI-5

Não é comum o presidente da Câmara cancelar toda sua agenda diária. Além disso, a ação ocorre um dia após a participação do presidente da República Jair Bolsonaro em ato pró-ditadura, com ataques ao Congresso Nacional, o que elevou a temperatura nos bastidores de Brasília.

20 de abril de 2020
12:36
img_1126df
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cancelou toda sua agenda desta segunda-feira (20). Ele tinha confirmado participações em duas "ives", uma às 11h, com o Banco Safra, e outra mais tarde, às 17h, com o jornal Folha de S.Paulo. No entanto, a assessoria do deputado informou que todos os compromissos da agenda foram cancelados, mas não disse o motivo.

Não é comum o presidente da Câmara cancelar toda sua agenda diária. Além disso, a ação ocorre um dia após a participação do presidente da República Jair Bolsonaro em ato pró-ditadura, com ataques ao Congresso Nacional, o que elevou a temperatura nos bastidores de Brasília.

"Nós não queremos negociar nada. Nós queremos ação pelo Brasil", declarou Bolsonaro na manifestação. "Chega da velha política. Agora é Brasil acima de tudo e Deus acima de todos", bradou. Além de defender o governo e clamar por intervenção militar e um novo AI-5 - o mais radical ato institucional da ditadura militar (1964-1985), que abriu caminho para o recrudescimento da repressão -, os manifestantes aglomerados em frente ao quartel-general do Exército defenderam o fechamento do STF e do Congresso.

Sem citar diretamente a manifestação ou Bolsonaro, Maia repudiou o ato no Twitter ainda na noite de domingo. "O mundo inteiro está unido contra o coronavírus. No Brasil, temos de lutar contra o corona e o vírus do autoritarismo. É mais trabalhoso, mas venceremos. Em nome da Câmara dos Deputados, repudio todo e qualquer ato que defenda a ditadura, atentando contra a Constituição", escreveu.

[captação]

Segundo interlocutores, os acontecimentos de domingo geraram forte preocupação em relação à defesa da democracia e à gestão da crise da covid-19. Maia e demais líderes do Congresso, como o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), tiveram conversas sobre a situação depois do ocorrido.

Apesar de entenderem que os atos de ontem, além das contrariedades de Bolsonaro em relação ao combate à pandemia, como incentivar aglomerações, podem se encaixar como crime de responsabilidade, a abertura de um processo de impeachment não é uma possibilidade na mesa. "Isso não seria uma solução ainda mais em plena crise", disse uma fonte. Um aliado de Maia classificou a situação como uma guerra fria, onde uma atitude mais intensa de um dos lados poderia apenas a agravar o cenário e não trazer soluções.

Lideranças devem continuar as conversas de ontem ao longo desta segunda-feira. Ainda não é claro qual o caminho que o Congresso deve seguir frente ao agravamento dos ataques de Bolsonaro e das contrariedades dele em relação às orientações sanitárias para combater o avanço do coronavírus no Brasil.   

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

o que vem por aí

Os segredos da bolsa: PIB do Brasil ganha holofotes após rali de novembro

PIB do 3º trimestre pode aumentar ainda mais a euforia dos investidores vista em novembro ou frear os ânimos

Análise

Como ficam as peças do xadrez da política após as eleições municipais

A eleição marcou a conquista de peças importantes, vitórias que serviram apenas para demarcar território e derrotas claras. Mas houve também avanços importantes mesmo de quem perdeu nas urnas

Barroso cita Shakespeare ao falar sobre 2º turno: “vai bem quando tudo acaba bem”

Barroso disse que o TSE conseguiu “neutralizar” as tentativas de cancelamento das eleições por causa da covid-19, o que, segundo o ministro, teria impactos negativos para a democracia

Eleições 2020

Doria comemora vitória de Bruno Covas com recado a Bolsonaro

Na visão do governador, o PSDB foi o grande vencedor destas eleições no Estado de São Paulo, sabe conjugar união e não foi negacionista no combate à pandemia

eleição em sp

‘Não foi nesta eleição, mas a gente vai ganhar’, diz Boulos

O psolista, que recebeu 40,62% dos votos na cidade de São Paulo, termina a eleição como um dos principais nomes do campo progressista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies