Menu
2020-08-07T15:06:50-03:00
Estadão Conteúdo
de olho na estatal

Petrobras alerta que operações e finanças podem ser afetadas pela covid-19

Estatal destacou especialmente os efeitos na mão de obra e entre seus fornecedores de bens e serviços, como a China

7 de agosto de 2020
15:04 - atualizado às 15:06
Petrobras
Imagem: Shutterstock

A Petrobras alertou o mercado e parceiros sobre possíveis riscos à sua operação e finanças por causa da pandemia de covid-19, que, até agora, se mostrou mais severa no segundo trimestre deste ano. No documento "Formulário de Referência 2020", divulgado pela empresa na última sexta-feira, 31, a petrolífera estatal destacou especialmente os efeitos na mão de obra e entre seus fornecedores de bens e serviços, como a China.

É comum que no Formulário de Referência as empresas informem ao mercado todos os riscos inerentes a seu negócio. Tradicionalmente, a cada ano, a Petrobras destaca fatores como possíveis acidentes ambientais ou de segurança da operação, próprios a todas as grandes companhias do setor. Desta vez, porém, incluiu mais uma variável em sua lista de potenciais prejuízos - a covid-19.

"A Petrobras, enquanto empresa de capital aberto, deve informar a seus investidores todos os riscos inerentes às suas atividades, mesmo os menos prováveis ou os riscos na condição de hipóteses futuras. O processo de identificação, avaliação, monitoramento e controle dos riscos relacionados à Petrobras é parte da gestão da companhia", afirmou a empresa ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), por meio de sua assessoria de imprensa.

No que diz respeito às operações, a petrolífera destacou que o surto de coronavírus pode comprometer a saúde de sua força de trabalho e, com isso, limitar o funcionamento de algumas das suas instalações produtivas, como plataformas, refinarias e terminais. "Essa condição pode ter um impacto negativo em nossos resultados e condições financeiras", traz o documento.

Diante da crise, a empresa optou em março por hibernar 62 plataformas instaladas em campos de águas rasas, que já estavam em processo de alienação. Com isso, reduziu a produção em 23 mil barris por dia (bpd). No mês seguinte, ainda decidiu cortar 200 mil bpd de petróleo. Mas, no fim das contas, não chegou a esse volume de corte. Nas refinarias, as unidades produtivas foram adequadas à demanda, com foco na fabricação de gás liquefeito de petróleo (GLP) e óleos combustíveis para consumo marítimo.

No Formulário de Referência 2020, a companhia ainda destacou que "interrupções devido a eventos de saúde, como a covid-19, na China e em outros lugares, podem ter um impacto negativo nos resultados e também na cadeia de suprimentos", e que a expectativa é de desaceleração do consumo mundial neste ano, o que já aconteceu no primeiro semestre. Como consequência, o seu resultado financeiro também podem ser afetados.

Custo operacional

Daniela Davila, sócia da área de Petróleo, Gás & Offshore do Vieira Rezende, diz que a pandemia já vem afetando o custo operacional da Petrobras, principalmente da exploração e produção de petróleo e gás. A empresa contesta e alega que seu custo médio de extração caiu de US$ 5,9 por barril de óleo equivalente (boe, inclui petróleo e gás) no primeiro trimestre para US$ 4,9 por boe no segundo trimestre.

"A Petrobras e demais empresas do setor vêm cumprindo normas da Anvisa, segundo as quais os funcionários que embarcam têm que observar quarentena de 7 a 14 dias (dependendo se o funcionário está no Brasil ou vem de fora) a cada novo embarque, muitas vezes cumprindo essa quarentena em hotéis perto das áreas de embarque. Há custos com testagens e novos protocolos de segurança que são elevados", afirma.

Ela diz ainda que esse custo adicional tem sido objeto de disputa entre as contratadas e a Petrobras. "Por ora, tem sido as contratadas as mais penalizadas, mas a Petrobras está sofrendo pressão para assumir o repasse desses custos e muito tem se falado sobre ações para restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos com a companhia", acrescenta.

Alberto Vieira, sócio do mesmo escritório de advocacia, elogia a atitude da empresa de informar os riscos da covid-19 em seus negócios. "A informação é um dos pilares do desenvolvimento do mercado, sendo extremamente importante essa transparência, o que foi inclusive objeto de orientação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) sobre efeitos do coronavírus nas demonstrações financeiras das companhias abertas", diz o especialista, acrescentando que, em alguns casos, a orientação para que a empresa divulgue fato relevante, dependendo da importância do impacto.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

medida anticrise

Governo vai prorrogar novamente corte de jornada e salário

Programa foi anunciado em abril como medida para evitar um aumento ainda maior do desemprego diante da pandemia do novo coronavírus

defesas na corte

STF julga ação sobre venda de refinarias da Petrobras; veja o que já foi dito

Corte analisa um pedido de autoria do Senado Federal que alega que o governo federal estaria desmembrando a empresa para vender ativos; julgamento acontece nesta quinta

atenção, acionista

Hypera paga R$ 185,4 milhões em juros sobre capital próprio

Segundo a empresa, serão de R$0,29290 por ação ordinária, com retenção de imposto de renda na fonte; veja condições

PANDEMIA NO PAÍS

Brasil registra 1.031 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

O último registro acima de mil mortes pela covid-19 havia ocorrido em 15 de setembro

privatizações

‘Paulo Guedes está desequilibrado’, diz Maia após acusação

Ministro falou que há boatos de que o deputado fez um acordo com a esquerda para não pautar as privatizações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements