Menu
2020-05-11T12:39:25-03:00
Estadão Conteúdo
A conta do vírus

UE prevê que PIB da zona do euro sofrerá tombo de 7,7% em 2020 com pandemia

Ainda que a expectativa seja de que todas as economias da zona do euro encolham este ano, as projeções destacam como a pandemia poderá impactar os países de forma distinta

6 de maio de 2020
8:39 - atualizado às 12:39
Zona do Euro, União Europeia
Bandeira da União Europeia - Imagem: shutterstock

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro sofrerá uma acentuada contração de 7,7% este ano, em função do violento impacto do novo coronavírus, previu a Comissão Europeia, alertando que a pandemia pode aprofundar divisões internas no bloco e ameaçar sua estabilidade.

Em relatório de projeções divulgado nesta quarta-feira, o braço executivo da União Europeia prevê que a economia da zona do euro deverá crescer 6,3% em 2021. Em fevereiro, a Comissão previa expansão econômica do bloco de 1,2% tanto em 2020 quanto no próximo ano.

A Comissão ressalta, no entanto, que um eventual novo salto no número de infecções por covid-19 na zona do euro pode reduzir o PIB local em mais três pontos porcentuais.

No documento, a Comissão também reduziu fortemente suas previsões de inflação ao consumidor do bloco para 2020, de 1,3% a 0,2%, e para 2021, de 1,4% a 1,1%. A meta do Banco Central Europeu (BCE) é buscar uma taxa ligeiramente inferior a 2%.

Ainda que a expectativa seja de que todas as economias da zona do euro encolham este ano, as projeções destacam como a pandemia poderá impactar a região de forma distinta, com países como Grécia, Espanha e Itália sofrendo contrações próximas de 10% em 2020 e com forte avanço do desemprego, em especial no território espanhol.

A Comissão prevê que, até o fim do ano, sete economias da zona do euro terão relação dívida/PIB superior a 100%, com a da Grécia em quase 200% e a do Itália saltando de 135% para 159%.

A exemplo do que vem fazendo o BCE, a Comissão também alertou que um eventual fracasso da zona do euro em lançar uma resposta fiscal conjunta, em reação ao coronavírus, poderá causar danos permanentes.

A Comissão apontou ainda que há riscos negativos "extraordinariamente grandes" relacionados a uma pandemia mais longa do que se esperava, o que forçaria países da região a manter medidas de bloqueio por mais tempo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies