Menu
2020-03-21T15:54:08-03:00
DE OLHO NO MERCADO

‘Só uma notícia boa do front médico vai melhorar mercados’, segundo economista da Kairós Capital

Loes acredita que a crise atual terá tamanho semelhante à de 2008, com a diferença de que agora ninguém vai se safar

21 de março de 2020
15:54
coronavírus
Imagem: Shutterstock

O economista André Loes, da Kairós Capital, acredita que um dos reflexos da crise atual será um relativo recuo da globalização - movimento que já vinha se intensificando com a guerra comercial entre Estados Unidos e China. "Acredito que possa haver um desejo de diminuição da dependência do comércio internacional e um maior questionamento sobre a globalização." Para ele, esse é um processo de longo prazo. "Mas, se o mundo se engajar nele, pode haver sinais claros em cerca de cinco anos."

Loes acredita que a crise atual terá tamanho semelhante à de 2008, com a diferença de que agora ninguém vai se safar. "Naquela época, o Brasil sofreu pouco e aquelas nações menos alavancadas também." Na avaliação dele, por estar saindo de uma grave recessão, o País vai sofrer mais nesta crise. E a perda de receita das empresas pode ser um problema na retomada da economia, uma vez que afetaria o PIB potencial - crescimento sustentável sem pressão inflacionária. A seguir, trechos da entrevista.

Como essa crise que estamos vivendo afetará os rumos da economia mundial?

Acredito que essa crise provavelmente terá tamanho semelhante ao da crise de 2008. Claro que são crises com naturezas diferentes, mas quando estamos no olho do furacão achamos que nada mais será igual. Passamos por situação similar em 2008, e as coisas acabam voltando. Eu não acredito que vá mudar tanto os rumos da economia no médio prazo, mas acredito num relativo recuo da globalização. Isso não será fruto somente do coronavírus. Já vinha ocorrendo, e a guerra comercial entre Estados Unidos e China e toda a questão da competição pela liderança tecnológica mundial são vetores relevantes dessa tendência. Acredito que possa haver um desejo de diminuição da dependência do comércio internacional e um maior questionamento sobre a globalização. Essa crise de saúde está fortemente alavancada pela globalização, pelo grande aumento das viagens internacionais nas últimas décadas, e deve contribuir para esse questionamento da globalização.

O fato de estamos saindo de uma crise profunda, com uma recuperação lenta, deixa o País numa situação pior?

Acredito que sim. Isso vai atrapalhar muito a retomada. Depois de alguns anos de uma economia que dificultou a melhora da saúde das empresas, você ser pego nessa situação é ruim. A questão da perda de receita é grave e pode afetar de maneira importante o Brasil no médio prazo. Como a relação dívida/PIB limita gastos do governo, não podemos reproduzir a expansão fiscal de 3%, 4% do PIB que alguns países vêm anunciando. E, se as limitações ao suporte que pode ser dado pelo governo levarem a uma quebradeira relevante, afetaremos mais fortemente o PIB potencial, o que seria um problema na retomada.

Podemos viver uma quebradeira das empresas?

Sim, pode haver uma quebradeira relevante. Um ponto da crise atual é que não tem quem se safe. Em 2008, houve países que sofreram pouco, por estarem menos alavancados. O Brasil sofreu pouco. Foi uma recuperação em "v". Agora, todo mundo vai sofrer parecido.

A volatilidade do mercado vai continuar?

Os estímulos pouco a pouco vão atenuar a volatilidade. Enquanto não tem o lockdown é aquela incerteza, mas quando houver em quase todos os países relevantes, todo mundo já terá feito as contas e já se terá contabilizado quase todas as notícias ruins. Os estímulos estão vindo fortemente. Com menos notícias ruins, se olhará mais para os estímulos. Mas o mais importante é começarmos a ter notícias boas do front médico. Só isso fará os mercados melhorarem de maneira mais consistente.

Medidas anunciadas agora, como o complemento do salário dos empregados, por exemplo, são suficiente?

Somente mais um passo para reduzir as perdas de renda daqueles que, por motivo de força maior, terão suas jornadas reduzidas pelas empresas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Se o coronavírus colocou a população sob isolamento domiciliar, também levou quem estava “isolado” a abrir as portas. Estou falando de diversos fundos de investimento que estavam fechados para novos investidores e agora estão reabrindo para captação. Uma das gestoras que entrou nessa onda foi a Truxt, que tem R$ 12 bilhões na carteira. Em […]

efeitos da crise

BCE adia revisão de estratégia política monetária para 2021

Eventos públicos do BCE e dos bancos centrais nacionais do Eurosistema que estavam planejados para o primeiro semestre deverão ocorrer apenas na segunda metade de 2020

Conteúdo Patrocinado

De volta ao jogo: Ivan Sant’Anna retorna para a bolsa

A volta do Ivan é algo como se o Michael Jordan voltasse hoje a jogar na NBA, ou se o Fenômeno retornasse ao futebol nesta semana.

esquenta dos mercados

Esperança com resolução para crise do petróleo anima mercados, mas covid-19 segue no radar

Mesmo com o alívio das bolsas do exterior, os investidores seguem monitorando os números de casos de covid-19 e as medidas do governo para suporte da população

expectativa

Acredito que Rússia e Arábia Saudita farão acordo sobre petróleo, diz Trump

Republicano confirmou que se encontrará com empresas petrolíferas nesta sexta-feira, 3

diante da crise

Câmara aprova projeto que permite adiar recolhimento de INSS de funcionários

Proposta prevê que as companhias deixem de recolher a contribuição previdenciária dos trabalhadores por 60 dias, prorrogáveis por mais 30

medida emergencial

Governo permite redução salarial de até 70% e suspensão de contratos

Governo pagará uma parte do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito se fosse demitido; empresas sob os regimes de lucro real e lucro presumido, com receita bruta acima de R$ 4,8 milhões, serão obrigadas a arcar com 30% do salário do funcionário para poder suspender o contrato

Entrevista exclusiva

Truxt reabre fundos para captação com foco em ações de “sobreviventes” na B3

Queda generalizada de ações abre oportunidade de compra, mas recuperação das bolsas nos EUA deve ocorrer primeiro, me disse José Tovar, CEO da gestora que possui R$ 12 bilhões em patrimônio

IR 2020

Como declarar ações no imposto de renda

Declarar ações no imposto de renda não é trivial, e não é na hora de declarar que você deve recolher o imposto sobre o investimento. Felizmente a pessoa física conta com um limite de isenção. Saiba todos os detalhes sobre como declarar a posse, compra, venda, lucros e prejuízos com ações no IR 2020

Medidas anticrise

Bolsonaro sanciona MP da renda básica emergencial

Nova lei prevê pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements