Menu
2020-03-11T06:42:28-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
após coronavírus...

Bradesco revisa Selic para 3,75% e prevê PIB de 2,0% em 2020

Para o IPCA a alteração foi de 3,6% para 3,3% ainda este ano. O banco também alterou a previsão para o câmbio para R$ 4,30

11 de março de 2020
6:42
PIB

A equipe de economistas do Bradesco divulgou relatório nesta terça-feira (10) no qual revisa a projeção de Selic de 4,25% para 3,75% ao ano no fim de 2020. Também foram revisadas para baixo as expectativas para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), de 2,5% para 2,0%,.

Para o IPCA a alteração foi de 3,6% para 3,3% ainda este ano. O banco também alterou a previsão para o câmbio no fim do ano. Agora, estima dólar a R$ 4,30 no fim de 2020. Em relatório divulgado em fevereiro, a projeção era de R$ 4.

A piora da estimativa para o PIB, explica o Bradesco, leva em consideração "informações recentes externas e domésticas". "Há três elementos determinantes para o cenário, todos com viés baixista para a atividade global: a China, seus canais de contágio e a reação própria de cada país", diz o relatório, que ressalta que a economia chinesa representa 20% do PIB global.

Mesmo com as revisões, o banco destaca, no texto, que a epidemia do coronavírus torna as projeções mais incertas. "A reação dos mercados tem sido intensa; a China está retomando muito lentamente de sua paralisação e há alguns relatos de interrupções em cadeias de fornecimento. Tudo isso tem levado a uma piora nas projeções para o crescimento. Esse quadro, obviamente, afeta o Brasil", afirma.

Sobre a Selic, o Bradesco acredita que, após o choque do coronavírus e a reação do Federal Reserve, com corte extraordinário de 0,50 ponto porcentual nos juros básicos dos Estados Unidos, o Comitê de Política Monetária (Copom) praticamente decretou nova redução de juros se não houver mudança relevante do cenário na próxima semana.

"Por isso, reavaliamos nossa expectativa de Selic para 3,75%, mas muito dependente do comportamento do câmbio e dos preços de ativos nos próximos meses", afirma o banco.

A inflação, por sua vez, será produto desse cenário, diz o banco. "A nossa percepção, de baixo contágio, tem se confirmado, refletindo a elevada ociosidade na economia e expectativas bem ancoradas", diz.

Para o câmbio, os economistas do Bradesco avaliam que, com a dissipação dos choques atuais, haverá espaço para alguma apreciação do real. "Contudo, a frustração com o crescimento e o movimento de realocação de recursos limitam esse espaço. Trabalhamos agora com uma taxa de câmbio de R$ 4,30 no final do ano", afirma.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Quarentena

Trump estende distanciamento social por coronavírus nos EUA até 30 de abril

Na semana passada, o presidente dos EUA havia sugerido que poderia “reabrir” a economia americana na Páscoa

Situação excepcional

Ministro do STF Alexandre de Moraes atende governo e relaxa exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal

Ao Supremo, a União pedia a relativização das exigências da Lei, devido à situação excepcional do novo coronavírus no País, destacando que o direito à saúde da população deve prevalecer

Balanço

Covid-19: número de mortes por coronavírus no Brasil sobe para 136

Os casos confirmados da doença aumentaram de 3.904 para 4.256. Mantendo o padrão identificado ao longo da semana, 90% tinham mais de 60 anos

Enquanto uns choram, outros vendem lenços

Na contramão do restante da economia, setores essenciais aceleram contratações

Varejistas como supermercados e farmácias, além de hospitais, estão contratando mais diante da pandemia de coronavírus

'rolezinho do presidente'

‘Provocação’ e ‘irresponsabilidade’: parlamentares condenam passeio de Bolsonaro

Saída do presidente aconteceu um dia depois de o ministro da Saúde reforçar medidas de isolamento e pedir que ele não menosprezasse a gravidade da pandemia do novo coronavírus em suas manifestações públicas

Do contra

Bolsonaro cogita decreto que permita volta ao trabalho a todas as profissões

Presidente disse ainda que irá recorrer da decisão judicial que derrubou decreto que permitia funcionamento de lotéricas no Brasil

Mais crédito

BNDES anuncia linha de R$ 2 bi para setor de saúde e prepara medidas para aéreas e setor público

Banco de fomento também fez balanço de medidas anunciadas até agora e reafirmou que será operador de linha de R$ 40 bilhões para pagamento de salários.

Mais paradas

Latam suspende rotas internacionais adicionais até 30 de abril

Em nota, a empresa diz que o valor do bilhete de todos os passageiros com voos cancelados será automaticamente mantido como crédito para futuras viagens

Mais autonomia

Guedes pede estudo para direcionar mais recursos aos municípios que aos Estados para combate ao coronavírus

Em videoconferência promovida pela Confederação Nacional de Municípios, ministro da Economia defendeu maior liberdade para prefeitos disporem de recursos durante combate ao coronavírus

Prioridades

Reabertura do país será decisão de saúde, diz secretário do Tesouro americano

Steven Mnuchin reconhece o aumento do número de desempregados e o declínio do PIB, mas diz que principal objetivo do presidente Donald Trump é a saúde das pessoas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements