Menu
2020-06-09T10:22:15-03:00
Estadão Conteúdo
COMEMORAÇÃO EM MEIO À PANDEMIA

Boa Vista: 70% dos empresários esperam queda nas vendas do dia nos namorados

Entre os entrevistados, 86% acreditam em recuo dos gastos dos consumidores.

9 de junho de 2020
10:01 - atualizado às 10:22
Casal Corona Máscara Notebook
Imagem: Shutterstock

Sete em cada dez micro, pequenos e médios empresários dos setores do comércio e serviços no País esperam queda nas vendas do Dia dos Namorados na comparação com 2019, de acordo com pesquisa da Boa Vista. Entre os entrevistados, 86% acreditam em recuo dos gastos dos consumidores.

O levantamento ouviu 564 micro, pequenos e médios empresários do comércio e serviços de todas as regiões do Brasil entre os dias 18 e 28 de maio. A pesquisa tem margem de erro de três pontos porcentuais, com grau de confiança de 90%.

De acordo com a Boa Vista, os dados mostram que o clima de pessimismo em razão da crise econômica permanece. A empresa cita que, no Dia das Mães, 55% dos empresários esperavam vendas menores do que as de 2019, enquanto 93% estimavam contração nos gastos dos consumidores.

Mesmo com a expectativa de queda nas vendas, 65% dos empresários afirmaram agir para garantir quantidade suficiente de mercadorias para o Dia dos Namorados.

Entre as ações tomadas pelos empresários para garantir as vendas no Dia dos Namorados, duas novas iniciativas foram captadas pela pesquisa: 31% dos entrevistados afirmaram que devem investir em campanhas online e 22% disseram que vão conceder descontos em novos produtos. No Dia das Mães, essas ações não foram citadas.

No Dia dos Namorados, 41% dos empresários planejam estimular vendas nas redes sociais (contra 48% na data comemorativa anterior), enquanto 37% afirmaram que vão criar novas promoções (ante 33%) e 17% afirmaram que devem facilitar o prazo de pagamento (contra 29%).

De acordo com a Boa Vista, 89% dos empresários afirmaram que vão adotar ações para manutenção do negócio, contra 85% no Dia das Mães. Para 71%, a prioridade é cortar despesas extras. Metade dos entrevistados disse que está concentrada em conseguir novos clientes, enquanto 43% afirmaram que a prioridade é a manutenção dos clientes atuais.

Entre os entrevistados, 49% disseram que não vão investir em campanhas online neste ano e, desses, 60% não pretendem atuar com e-commerce. Para 74% das empresas que atuam com vendas digitais, o faturamento online não ultrapassa 30% do faturamento total.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O hambúrguer e o câmbio

Está na hora de comprar ou vender dólar? A resposta pode estar no preço do Big Mac

Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87, segundo o índice calculado pela The Economist

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies