Menu
2020-03-03T20:45:43-03:00
BANCO CENTRAL

BC diz que monitora atentamente impacto de coronavírus na economia brasileira

A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) ocorrerá nos dias 17 e 18 de março

3 de março de 2020
20:45
Banco Central do Brasil
Banco Central do Brasil - Imagem: Shutterstock

Após mais um dia de reações do mercado e de governos diante da propagação do coronavírus e seus possíveis impactos para a economia global, o Banco Central divulgou nota há pouco enfatizando que "monitora atentamente os impactos do surto de coronavírus nas condições financeiras e na economia brasileira".

De acordo com a autoridade monetária, "à luz dos eventos recentes, o impacto sobre a economia brasileira proveniente da desaceleração global tende a dominar uma eventual deterioração nos preços de ativos financeiros".

A autoridade monetária avisou, no entanto, que "as próximas duas semanas permitirão uma avaliação mais precisa dos efeitos do surto de coronavírus na trajetória prospectiva de inflação no horizonte relevante de política monetária". A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) ocorrerá nos dias 17 e 18 de março.

Na nota, o BC ainda citou o 15º parágrafo da última ata do Copom (de fevereiro), que dizia que: "o eventual prolongamento ou intensificação do surto implicaria em uma desaceleração adicional do crescimento global, com impactos sobre os preços das commodities e de importantes ativos financeiros. O Copom concluiu que a consequência desses efeitos para a condução da política monetária dependerá da magnitude relativa da desaceleração da economia global versus a reação dos ativos financeiros."

Na última decisão do Copom, o BC cortou a taxa Selic em 0,25 ponto porcentual, para 4,25% a.a. No comunicado da decisão, o colegiado informou "ver como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária".

Entretanto, com o aprofundamento das incertezas em torno dos efeitos do surto de coronavírus nas últimas semanas, a maior parte do mercado passou a apostar em um novo corte na Selic neste mês.

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) anunciou nesta terça-feira (3), em medida extraordinária, um corte nos juros dos fed funds em 50 pontos-base, para a faixa entre 1,0% e 1,25%. A instituição disse em breve comunicado que os fundamentos para a economia dos Estados Unidos "continuam fortes", mas que o coronavírus representa "riscos à atividade econômica".

De 27 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast após a decisão de hoje do FED, apenas nove projetam manutenção da taxa Selic na atual mínima histórica, de 4,25%. Entre as que esperam novos estímulos monetários, 15 acreditam em cortes de 0,25 ponto porcentual e outras três, de 0,50 ponto. Após o Copom de fevereiro, 39 das 41 casas ouvidas previam permanência da Selic.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Recessão à vista

PIB do Brasil deve cair 0,7% em 2020 por coronavírus, diz S&P

S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus

Seu Dinheiro na sua noite

Balança mas não cai?

Caro leitor, Embora a pandemia global de coronavírus ainda esteja longe de ser debelada – pelo menos com os dados e tratamentos que temos até o momento – o mercado começou a semana menos pessimista. Itália, Espanha e o estado de Nova York – três localidades críticas de disseminação da doença – mostraram, no fim […]

Embraer cortada

S&P rebaixa rating da Embraer de BBB para BBB- e mantém nota em observação

S&P diz que, em resposta à pandemia de coronavírus, muitas companhias aéreas devem tentar atrasar novas entregas de aeronaves até pelo menos o fim do terceiro trimestre de 2020, o que deve pressionar o fluxo de caixa e as métricas de crédito da empresa.

Em meio à pandemia

Telefônica, dona da Vivo, parcela fatura de inadimplentes

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, decidiu flexibilizar as condições de pagamento de seus clientes de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV por assinatura devido à crise do coronavírus

Não rolou

Clientes do Bradesco relatam instabilidade no aplicativo de internet banking

O aplicativo do Bradesco para pessoa física apresentou problemas na manhã desta segunda-feira, 6. Com o isolamento social, muitos clientes tiveram de fazer as transações via celular

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualização do Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements