Menu
2020-10-02T17:23:42-03:00
Agência Brasil
medida anticrise

Banco Central estende redução do compulsório até abril

Depósitos compulsórios a prazo representam a fatia do dinheiro depositado pelos clientes de uma instituição financeira em aplicações que os bancos são obrigados a depositar no BC

2 de outubro de 2020
17:23
20/08/2019 Cerimônia de Lançamento do IPCA para Crédito Imobi
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Alan Santos/PR

Até abril do próximo ano, os clientes dos bancos terão à disposição mais recursos que podem ser emprestados. O Banco Central (BC) prorrogou a redução da alíquota dos depósitos compulsórios a prazo que os bancos são obrigados a recolher para a autoridade monetária.

O percentual, que retornaria a 25% em dezembro, permanecerá em 17%. A partir de abril de 2021, a alíquota subirá para 20% e, segundo o BC, ficará nesse nível permanentemente.

Segundo o BC, a medida foi tomada para ajudar a economia em meio à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19). A autoridade monetária não divulgou o impacto da injeção de recursos até abril. Apenas informou que, depois de abril, a redução permanente do compulsório para 20% significará a injeção de R$ 62 bilhões na economia.

Os depósitos compulsórios a prazo representam a fatia do dinheiro depositado pelos clientes de uma instituição financeira em aplicações como poupança e Certificado de Depósito Bancário (CDB) que os bancos são obrigados a depositar no BC. Os compulsórios têm o objetivo de garantir a segurança do sistema financeiro, impedindo que os bancos emprestem indiscriminadamente e fiquem sem caixa.

No entanto, esse mecanismo pode servir como instrumento de política monetária, porque, ao reduzir ou aumentar o volume de recursos retidos, o BC libera ou restringe os recursos livres que podem ser emprestados aos clientes.

Em nota, o BC informou que a extensão do compulsório de 17% até abril tem como objetivo facilitar a adaptação dos bancos à futura alíquota permanente de 20%. “A decisão, no atual momento, visa dar previsibilidade para que o mercado se ajuste para cumprir a nova alíquota”, destacou a instituição financeira.

Em fevereiro, o BC tinha diminuído o compulsório sobre depósitos a prazo de 31% para 25%, sob o argumento de estimular o crescimento da economia. Com o início da pandemia da covid-19, a alíquota passou para 17% de forma emergencial, dentro do pacote de medidas que injetou R$ 1,2 trilhão no sistema financeiro.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mudanças

Governo estudará como zerar imposto sobre diesel de forma definitiva, diz Bolsonaro

O governo também vai cortar benefícios dados a pessoas com deficiência na aquisição de veículos e extinguir o Reiq, que concede incentivos para o setor.

calma, gente

XP considera exagerada reação do mercado à alta de impostos sobre bancos

Analistas ponderam impacto que alta do tributo terá no lucro e no valuation e mantêm recomendação de compra para Bradesco e BB

Exile on Wall Street

O Brasil do Doutor Castor

Castor de Andrade foi talvez o mais famoso bicheiro brasileiro. Tinha, quase literalmente, um exército trabalhando para si. Chegou a contar com mais de cem policiais a seu dispor, além de vários servidores públicos, políticos proeminentes e juízes sob sua influência. Apareceu na posição de segundo homem mais rico do Brasil no meio da década […]

MERCADOS HOJE

Dólar bate R$ 5,71 mesmo após duas intervenções do BC; bolsa recua 1,4%

As bolsas pelo mundo operam em movimento de realização de ganhos, o que é uma péssima notícia para o Brasil, que também tem que lidar com os próprios demônios

preparando para batalha

Dasa vai atrás de recursos para competir com Rede D’Or, Hapvida e Notre Dame Intermédica

Grupo de medicina diagnóstica da família fundadora da Amil segue com planos para fazer re-IPO, em meio à consolidação do mercado de saúde

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies