Menu
Ruy Hungria
Sextou com o Ruy
Ruy Hungria
É formado em Física e especialista em bolsa e opções na Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-24T10:41:45-03:00
DISPARADA DA MOEDA AMERICANA

Dólar acima de R$ 5,50: Ainda é hora de comprar?

O dólar é um ativo de proteção contra as crises. Mas ainda dá tempo de se proteger?

24 de abril de 2020
5:50 - atualizado às 10:41
Dólar em alta
Imagem: Shutterstock

Uma coisa boa que a quarentena nos proporcionou foi a oportunidade de entender melhor como funcionam as cabeças dos melhores gestores do país, através das várias lives que eles têm participado.

O que me chamou muito a atenção entre os gestores de fundos multimercado é que a maioria deles se mostrou muito preocupada com o cenário atual, sugerindo a nós, além de uma boa dose de cautela, alocação em dólares para proteger o portfólio.

Até aí, tudo bem. O problema surge quando o investidor, prestes a colocar as ideias das melhores cabeças do mercado em prática, se depara com esse gráfico de cotação do dólar:

"Poxa, será que essa é mesmo uma boa hora de comprar dólar? Mesmo depois de toda essa alta?." Essa pergunta provavelmente passou pela sua cabeça.

Não é uma aposta na alta

Quando os gestores recomendam que você tenha um pouco de dólar na carteira não é porque eles estão apostando que a moeda vai continuar subindo. Nem eles, nem ninguém tem como saber!

Na verdade, eles estão fazendo o que todo gestor preocupado com o dinheiro dos seus cotistas deveria fazer neste momento de enormes incertezas: considerar que as coisas ainda podem piorar.

Se o desfecho dessa história for otimista, a vida voltará ao normal daqui a alguns dias, todos retornarão à rotina de antes e se lembrarão apenas vagamente de um período no qual tiveram que ficar confinados em casa, tomando banho de álcool gel a cada dez minutos.

Nesse cenário, as ações dobram (triplicam, quadruplicam...), aqueles que recomendaram colocar tudo em renda variável – mais por falta de juízo do que brilhantismo – se tornarão os novos popstars do mercado e qualquer proteção que você comprou terá se tornado inútil.

Mas também existe uma possibilidade, mesmo que remota, de as coisas ficarem muito feias. Se o lockdown demorar bem mais do que estamos esperando, as finanças de muitas empresas no país serão estranguladas, impactando o desemprego, a confiança e o consumo (que, convenhamos, já não estavam bem das pernas).

Nesse caso, depois de ver as ações derreterem, os tais gestores "sem juízo" apenas ganhariam o status de ex-gestores e veríamos uma redução brutal da exposição de investidores globais à países emergentes. No caso do Brasil, isso ainda seria intensificado pelo diferencial de juros (carry trade) bem abaixo da média histórica – como você já sabe, quanto mais gringos tirarem o dinheiro daqui, mais o dólar será pressionado para cima.

Sempre é hora de ter um pouco de dólar

No fundo, o que os melhores gestores querem dizer para você é: "sempre carregue um pouco de dólares em seu portfólio. Se já possui, ótimo! Se não tem, compre um pouco, independente das cotações atuais. Nunca sabemos o quanto as coisas podem piorar".

Perceba que isso não funciona apenas para o dólar. Por exemplo, apesar de as perspectivas não serem das melhores para o Ibovespa neste momento, isso não quer dizer que você não deveria ter ações na carteira.

Se o desfecho dessa pandemia for mais rápido e mais positivo do que todos nós estamos imaginando, ter exposição à Bolsa fará uma grande diferença para a sua rentabilidade.

Quanto ter de cada um desses ativos?

Para te dar uma referência, vou usar a recomendação da Carteira Empiricus, que sugere em torno de 12% de exposição líquida à Bolsa e cerca de 15% do portfólio investido em dólar.

Caso queria uma sugestão de alocação completa para seu portfólio, deixo o convite para conhecer a série, que indica vários outros investimentos que você deveria ter em seu portfólio – como ouro, fundos de investimentos imobiliários, renda fixa, etc – e, mais importante, quanto e quando investir em cada um deles.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O FISCAL ENLOUQUECEU

Com furo no teto, XP e BTG já esperam que a Selic suba 1,5 ponto percentual na próxima semana

A corretora também reviu suas projeções para o câmbio, inflação e PIB deste e do próximo ano

E-commerce de pneus

Cantu Store não se assusta com a farra fiscal e registra pedido de IPO na CVM

A companhia paranaense conta com 26 filiais em 17 unidades federativas e quatro centros de distribuição, além de duas marcas próprias

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Guedes diz que fica, o puxadinho do teto de gastos e outros destaques do dia

Pelo menos um dos temores do mercado teve um desfecho nesta sexta-feira (22) — Paulo Guedes segue sendo o ministro da Economia, e o país não vai passar o fim de semana na incerteza. Após as baixas recentes na equipe econômica, mas o capitão do navio continua firme. Diante de tantas incertezas e a confirmação […]

SUPEROU AS EXPECTATIVAS

Hypera (HYPE3) inicia temporada de balanços com alta de 50% na receita líquida — veja os destaques da farmacêutica no terceiro trimestre

Apoiadas pelo portfólio cada vez maior de medicamentos e pelas vendas aquecidas, outras linhas do balanço também deixaram para trás as projeções

FECHAMENTO DA SEMANA

‘Fico’ de Guedes não apaga mau humor do mercado com furo no teto de gastos e Ibovespa despenca na semana; dólar volta a R$ 5,70

O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,34%, aos 106.296 pontos — longe das mínimas, mas no menor nível desde novembro de 2020. Na semana, a queda foi feia, e o Ibovespa recuou mais de 7%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies