Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-10-05T17:07:58-03:00
Insights Assimétricos

O que esperar e como navegar no oceano dos mercados no último trimestre de 2020

Mesmo diante de tantos riscos, o ano ainda rendeu bons frutos para algumas posições. Por outro lado, outras ficaram bem para trás, de modo que ficou bastante claro quais seriam os ativos descontados no mundo hoje

6 de outubro de 2020
5:59 - atualizado às 17:07
Oceano pôr do sol
Imagem: Shutterstock

Até aqui, 2020 será um ano para ficar na história pela quantidade não ignorável de adversidades que aconteceram no mundo. Vivemos um período sem precedentes, com inúmeras idiossincrasias originadas pelos tempos modernos.

Além da pandemia, carregamos conosco ainda, no âmbito internacional, os resquícios da guerra comercial entre EUA e China, a dinâmica de estagnação europeia paralela ao Brexit, as eleições americanas…

No Brasil, a dinâmica fiscal em franca discussão, a problemática política e as eleições municipais, gerando ainda mais atrito em Brasília, são alguns pontos de atenção, os quais tornam nosso posicionamento global ainda mais desfavorável (frágil).

Tudo isso sob um véu nebuloso e único na história. A globalização, a demografia e a tecnologia fizeram com que o mundo fosse jogado em um movimento de deflação, possibilitando uma sustentabilidade estrutural para taxas de juros próximas a zero ou até mesmo negativas. Ao mesmo tempo, existe uma força inflacionária proporcionada por uma expansão fiscal e monetária também sem igual no passado.

Vivemos em tempos estranhos, diria Paul Krugman.

Assim, 2020 configura um blend minimamente preocupante com suas taxas de juros baixas ou negativas, níveis historicamente altos para a dívida pública (comparáveis a momentos de guerra), uma recessão profunda e um aumento da desigualdade de renda (descompasso entre Wall Street e a Main Street, mesmo que tenha havido uma pressão inflacionária recente que deve se dissipar logo).

Abaixo, um comparativo dos juros de 10 anos nos países do G7, além de suas respectivas taxas de inflação núcleo (menos voláteis). Veja como os juros reais de 10 anos estão predominantemente no vermelho. As principais economias do mundo, hoje, contemplam um horizonte para juros bastante complicado.

Note que a Itália é a única economia do G7 que possui juros reais de 10 anos no positivo. Claro que isso deriva de questões específicas, uma vez que o país enfrenta problemas fiscais desde a crise do euro entre 2012 e 2014.

Se voltamos a discutir renovados lockdowns na Europa nesse último trimestre, podemos argumentar que haja pouco espaço para os Bancos Centrais atuarem, tendo em vista que a principal munição pode estar se esgotando.

Se trata do que a literatura econômica usualmente chama de Armadilha da Liquidez, em que há a perda de eficácia da política monetária.

Por isso, a discussão fiscalista deverá ganhar maiores contornos em 2021, quando o problema da pandemia estiver estabilizado. A conta terá que fechar de algum jeito; afinal, o problema de sustentação do estado de bem-estar social se mantém.

Mesmo diante de tantos riscos, o ano ainda rendeu bons frutos para algumas posições. Por outro lado, outras ficaram bem para trás, de modo que ficou bastante claro quais seriam os ativos descontados no mundo hoje.

Na dinâmica de muita liquidez, as pessoas fugiram dos fundamentos da economia real, que estão em frangalhos, e foram para crescimento (growth).

Esse movimento é verificável pela razão de prêmio ou desconto entre ativos de valor e ativos de crescimento, hoje bastante assimetricamente convidativa para valor (value).

Esse fato foi evidenciado durante o mês de setembro, quando se especulou a possibilidade de uma rotação setorial em Bolsa no mundo, de ações de tecnologia e de saúde, as quais lideraram o movimento de recuperação dos índices globais até aqui, para companhias de valor, hoje muito descontadas relativamente.

Ainda assim, abandonar tecnologia não parece ser o mais primoroso a se fazer, uma vez que o setor realmente tende a ser o grande ganhador do processo atual e continuaria se beneficiando mesmo em um contexto de reabertura.

Mas em um último trimestre, talvez faça sentido desconcentrar um pouco de tecnologia e liberar um pouco da carteira de ações para ativos descontados (algo como 80/20).

Destaque para companhias consideradas value no exterior e, em uma ótica internacional, países emergentes. Claro que nós brasileiros nos beneficiaríamos de um movimento como esse, de fluxo para emergentes e valor.

Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

As eleições americanas ajudam nesse sentido, uma vez que o favorito é o candidato democrata. Um alívio na dinâmica internacional será salutar para a recomposição da lógica de globalização na qual estávamos inserindo antes de Trump, beneficiando emergentes no processo também.

São estratégias como essa que apresentamos quinzenalmente na série Palavra do Estrategista, best-seller da Empiricus. Nela, Felipe Miranda, nosso estrategista-chefe, compartilha com nossos assinantes suas mais variadas ideias de como ganhar dinheiro no Brasil e no mundo.

Vale a pena conferir!

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O melhor do seu dinheiro

Freud, Itaú e o ETF dos millennials, o que esperar da Super Quarta, o preço da passagem espacial e outros destaques

Freud dedicou parte de seus estudos a tentar desvendar a tal “alma feminina”. Até que um dia jogou a toalha e reconheceu estar longe de responder o que, afinal, querem as mulheres. Se o pai da psicanálise vivesse hoje, imagino que o objeto de curiosidade talvez fosse outro: os chamados millennials. A expressão surgiu para […]

O tempo fechou

Crise hídrica piora clima da votação sobre privatização da Eletrobras

Na semana passada, líderes do Senado aumentaram a reação à MP e ameaçaram derrubar a proposta, pedindo até que o texto não fosse pautado

Esquenta dos Mercados

Indicadores econômicos dos EUA devem movimentar o dia, com aumento da cautela antes da ‘Super Quarta’

Depois de um pregão ignorando a Super Quarta, Ibovespa deve sentir o peso da cautela antes da decisão de política monetária no Brasil e nos EUA

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies