Menu
2020-02-28T12:52:04-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sábias palavras

Warren Buffett já falou das duas doenças que afligem os investidores. Nenhuma é o novo coronavírus

Segundo Buffett, a disseminação do vírus não muda a perspectiva de longo prazo da economia. Mas o que os investidores estão buscando mesmo são as palavras de mais de 30 anos do bilionário

28 de fevereiro de 2020
12:52
Warren Buffet
Warren Buffett - Imagem: Shutterstock

O bilionário Warren Buffett sempre tem algo a dizer. O magnata dono do conglomerado do Berkshire Hathway, dono de uma fortuna avaliada em US$ 72 bilhões, já manifestou em entrevista à rede americana CNBC a opinião de que o surto do novo coronavírus não é razão para vender ações.

Segundo Buffett, a disseminação do vírus não muda a perspectiva de longo prazo da economia. Mas o que os investidores estão buscando mesmo são as palavras antigas do bilionário, ditas há mais de 30 anos a seus acionistas.

"O que nós sabemos, entretanto, é que surtos ocasionais dessas duas doenças super-contagiosas, medo e ganância, sempre acontecerão na comunidade de investidores", escreveu Buffett, em carta aos acionistas, no ano de 1986.

"O timing destas epidemias será imprevisível. E as aberrações do mercado produzidas por elas serão igualmente imprevisíveis, bem como a sua duração e o seu grau. Então, nunca tentamos antecipar a chegada e o fim de qualquer uma dessas doenças."

"Nosso objetivo é mais modesto: nós simplesmente tentamos ser medrosos quando os outros são gananciosos e gananciosos quando os outros são medrosos", continua a carta. O interesse de investidores americanos por este trecho tem sido explícito.

Segundo a ferramenta Google Trends, que possibilita averiguar a tendência de procura por um termo em determinado período de tempo, a frase atingiu o maior número de buscas em 12 meses — embora esteja ainda bem longe do nível de buscas alcançado em 2008, em meio à crise financeira.

De qualquer forma, os mercados globais têm sofrido os efeitos negativos da cautela disparada pelo surto, e os negócios locais não fogem à regra. Na quarta-feira, 26, o Ibovespa teve a maior perda desde o Joesley Day, em quea de 7%, e na quinta-feira, 27, caiu 2,6% — para o menor nível em quatro meses. O dólar, enquanto isso, já bateu a marca de R$ 4,50. Confira nossa cobertura completa de mercados.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Covid-19

Coronavírus: Brasil passa de 70 mil mortes e 1,8 milhão de casos

Nas últimas 24 horas, foram mais de mil casos fatais relacionados ao coronavírus no país. Com isso, o Brasil já contabiliza mais de 70 mil mortes por causa da doença

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Alfabetização financeira para crianças: quando é a hora de falar sobre dinheiro?

As idades entre nove e quinze anos são cruciais no desenvolvimento de uma criança. Muito do que vivem como adultos vem das fórmulas vencedores que aprendem quando crianças.

Novo nome no MEC

Bolsonaro anuncia pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação

Decreto presidencial nomeou professor para o cargo nesta sexta-feira

Investimento para o cliente

Corretora Warren recebe aporte de R$ 120 milhões para investimento em plataformas digitais

Fintech visa multiplicar por cinco patrimônio sob gestão até o fim de 2021 e aumentar alcance da marca: ‘Nossa meta é seguir investindo em tecnologia’

Chegou lá

E o Ibovespa, quem diria, voltou aos 100 mil pontos. O que isso significa?

Depois de mais de quatro meses, o Ibovespa finalmente reconquistou o patamar dos três dígitos. Algumas boas notícias da economia doméstica ajudam a explicar o otimismo na semana, mas há mais fatores que influenciaram esse movimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements