Menu
2020-05-20T18:57:07-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Críticas do gestor

Rogério Xavier, da SPX Capital: Paulo Guedes hoje é mais bolsonarista do que um economista liberal

Ministro se converteu como se fosse quase uma religião e não deve deixar o governo, segundo o gestor, que participou hoje de transmissão ao vivo no YouTube

20 de maio de 2020
18:57
Rogério Xavier SPX
Rogério Xavier, sócio da SPX - Imagem: Leo Martins

Bastante conhecido no mercado por suas visões pessimistas, o gestor Rogério Xavier, da SPX Capital, fez hoje duras críticas à forma como as autoridades brasileiras estão lidando com a pandemia do coronavírus, em todos os níveis.

Xavier não poupou nem mesmo o ministro da Economia, Paulo Guedes, que segue idolatrado pela maior parte do mercado financeiro.

“O Paulo [Guedes] hoje é muito mais bolsonarista do que um economista liberal. Ele já se converteu como se aquilo fosse quase uma religião”, afirmou o sócio da SPX, que participou hoje de uma transmissão ao vivo ao lado de Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus.

Para Xavier, o ministro está hoje comprometido com o projeto do governo Bolsonaro, que já não é o mesmo daquele da época em que o presidente foi eleito.

O gestor descartou qualquer possibilidade de a economia brasileira ter uma rápida recuperação no pós-crise, como defende Paulo Guedes.

Para ele, o Brasil não tem liderança nem plano para combater a pandemia do coronavírus, o que só agrava a situação econômica. E as críticas, nesse caso, não foram dirigidas apenas ao governo federal, mas também aos prefeitos e governadores.

Banco Central ridicularizado

Crítico da postura mais ousada do Banco Central de cortar a Selic em 0,75 ponto na última reunião do Copom, o gestor da SPX foi ainda mais contundente ao falar por que considera a decisão errada.

Xavier disse que o BC brasileiro tem sido “ridicularizado” pelas autoridades monetárias de outros países emergentes, como a do México, que vem adotando cortes de juros mais conservadores.

Sobre o argumento de que a inflação abaixo da meta permite ao Banco Central cortar mais os juros, o sócio da SPX disse que essa é uma visão correta, mas ingênua de economista.

“O economista tinha que virar gestor para saber que a vida é bem diferente do livro-texto” – Rogério Xavier, SPX Capital

Se a queda mais agressiva da Selic provocar um descontrole do câmbio e as expectativas de inflação piorarem, o BC terá de reverter o movimento, e de forma abrupta.

Para ele, o mercado não está preparado para esse risco ao seguir aplicado nas taxas de juros de prazos mais curtos.

Brasil irrelevante

Com R$ 40 bilhões sob gestão, a SPX é uma das maiores e mais reconhecidas gestoras independentes do mercado. Xavier, que hoje vive em Londres, disse que o Brasil já estava fora do radar do investidor estrangeiro mesmo antes da pandemia do coronavírus.

“O Brasil é irrelevante nas conversas. Na City [centro financeiro de Londres], o tempo que se discute o Brasil é o mesmo que países como Ucrânia, Egito ou Vietnã.”

Esse movimento vem pelo menos desde 2016, o que fez com que os investidores de fora do país perdessem o movimento de recuperação da bolsa que ocorreu até o início deste ano, segundo o gestor.

A percepção, contudo, piorou na gestão de Jair Bolsonaro, principalmente depois de episódios como as queimadas na Amazônia. “Dizer que é brasileiro hoje é quase uma vergonha irreparável”, afirmou.

Assista abaixo a íntegra da transmissão:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

mercado de trabalho

EUA surpreendem e criam 2,5 milhões de empregos em maio

A economia dos Estados Unidos criou 2,509 milhões de empregos em maio, segundo dados do payroll divulgados nesta sexta-feira (5). A previsão de analistas, segundo consulta do Projeções Broadcast, era de fechamento de 8 milhões de vagas. *Conteúdo em atualização

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para começar o seu dia bem informado

Há alguns anos tudo era mato e só a XP estava aí para bater de frente com os bancos. Agora você tem opção, meu caro. E como! As plataformas de investimento independentes se espalharam pelo mercado financeiro como os restaurantes de “poke” em São Paulo. Mas quem diria que no meio da quarentena mais uma […]

expandindo atuação

Yduqs anuncia compra de grupo Athenas por R$ 120 milhões

Empresa é formada por cinco instituições localizadas no Rio Branco (AC), JiParaná (RO), Rolim de Moura (RO), Pimenta Bueno (RO) e Caceres (MT)

nas redes

Pandemia faz presidente perder seguidores, diz FGV

Para o diretor de Análise de Políticas Públicas da FGV, Marco Aurélio Ruediger, o governo falhou na avaliação sobre o impacto que a pandemia teria

entrevista

‘JBS abriu 3 mil vagas em maio à pandemia’, diz presidente da empresa

Empresa tem sofrido, especialmente no sul do País, questionamentos pelo alto índice de contaminação de funcionários por covid-19

esquenta dos mercados

Exterior positivo em dia de payroll deve impulsionar a bolsa brasileira

Mercado acionário global volta a mostrar otimismo com a reabertura econômica e pacotes de estímulos para recuperação da economia. O destaque do dia é a divulgação do payroll americano

país não é bem visto por democratas

Comitê da Câmara dos EUA se opõe a acordo com o Brasil

Ex-embaixador em Washington, Rubens Ricupero afirma que a carta dos democratas da Ways and Means “enterra” qualquer possibilidade de acordo

medida anticrise

Governo deve estender auxílio emergencial por mais dois meses

Equipe econômica avalia editar uma medida provisória para ampliar o período de duração do benefício, criado para dar suporte a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e microempreendedores individuais

dinheiro no caixa

Centauro levanta R$ 900 milhões em oferta de ações

Empresa deve usar os recursos para o financiamento de aquisições de empresas em curso e futuras que possam contribuir para a execução de sua estratégia de crescimento

em meio à crise

Governo transfere R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para investir em propaganda

Medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País; Secom já havia aumentado para R$ 17,8 milhões suas despesas com propaganda

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements