Menu
2020-03-16T13:49:02-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Curva 'empinada'

Juros futuros caem no curto prazo, mas sobem nos vencimentos mais longos

Mercados reagem com pessimismo à agressividade do banco central americano, precificando efeitos nefastos do avanço do coronavírus na economia.

16 de março de 2020
10:50 - atualizado às 13:49
taxa de juros
Juros de curto prazo, porém, precificam corte da Selic na próxima reunião do Copom. Imagem: Shutterstock

O Banco Central vai reduzir os juros para tentar conter os efeitos do coronavírus na economia, mas em algum momento terá de aumentar as taxas. Pelo menos essa é a visão refletida no mercado de juros de futuros na B3.

As taxas dos contratos de DI (Depósito Interfinanceiro) de curto prazo operam em queda, mas as taxas dos contratos com vencimento a partir de 2022 são negociadas em alta.

Os investidores reagem à decisão do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, de fazer um agressivo e repentino corte de juros na noite de ontem (15).

O corte-surpresa bateu mal no mercado, adicionando mais uma camada de pessimismo ao pânico com o avanço do coronavírus no mundo e suas consequências nefastas para a economia global.

Confira a seguir como estavam as taxas de juros futuros por volta das 13h20:

  • Abril/2020: de 4,01% para 3,79%;
  • Janeiro/2021: de 4,21% para 3,86%;
  • Janeiro/2022: de 5,06% para 5,12%
  • Janeiro/2023: de 5,91% para 6,22%;
  • Janeiro/2027: de 7,58% para 8,16%.

A forte volatilidade no mercado de juros futuros deixou o Tesouro Direto suspenso nesta manhã, como é praxe ocorrer nessas situações.

A curva de juros "empinada", como se diz no jargão do mercado, se deve ao aumento da aversão a risco no mundo, potencialmente elevando o risco-país, apesar do ambiente geral de juros baixos e Selic nas mínimas.

A agressividade do corte de juros do Fed, que zerou as taxas americanas, bateu mal no mercado, que interpretou o fato como "as coisas estão piores do que imaginávamos". O dólar em alta também ajuda a pressionar as taxas.

As bolsas também reagem com fortes quedas nesta segunda. A bolsa entrou em circuit breaker logo na abertura, depois que o Ibovespa bateu em 12,53% de queda.

Leia também:

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Desmatamento em foco

Varejistas europeus ameaçam boicote a produtos do Brasil por risco à Amazônia

O movimento foi visto como “precipitação” por empresários brasileiros que acompanham dois projetos de lei que tramitam no Congresso sobre o tema

CÉU DE BRIGADEIRO

No pós-Copom, Ibovespa tem tudo para amanhecer com céu azul e sol brilhante

Com o Banco Central fora da cena principal, bolsa brasileira tem tudo para acompanhar o apetite por risco no exterior

Troca de presidência

Carlos Brito vai deixar o comando da AB InBev em 1º de julho

O substituto de Brito no comando da AB InBev também é brasileiro: o engenheiro catarinense Michel Dukeris, que ingressou na AmBev em 1996

primeiro trimestre

TIM anuncia alta de 57,9% do lucro e venda de controle da FiberCo

Receita líquida somou R$ 4,340 bilhões, ligeira alta de 3% sobre igual período do ano anterior

recuperação

Lucro líquido da Copel soma R$ 795 milhões no 1º trimestre, alta de 55,6%

Já a receita operacional líquida acumulada até março de 2021 somou R$ 4,985 bilhões, alta de 22,6% sobre o mesmo período do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies