Menu
2020-03-16T16:05:35-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Rumo aos R$ 5,00

Dólar dispara mais de 4% e supera os R$ 5,00 com pânico gerado pelo coronavírus

O dólar à vista tem mais uma sessão de estresse, disparando mais de 3% e se aproximando novamente do nível de R$ 5,00

16 de março de 2020
10:44 - atualizado às 16:05
Dólar em alta
Imagem: Shutterstock

O pânico generalizado que toma conta das bolsas nesta segunda-feira (16) também é visto no mercado de câmbio: o dólar à vista abriu em forte alta e, no meio da tarde, superou a barreira psicológica dos R$ 5,00.

Por volta das 16h00, a moeda americana era negociada a R$ 5,0215, em alta de 4,24% — muito perto da máxima intradiária nominal da moeda, de R$ 5,0280, registrada na última quinta-feira (12).

As negociações de divisas encontram-se fortemente estressadas com o avanço do coronavírus pelo mundo. Na Europa, países como Itália e Espanha já estão em quarentena total, enquanto França e Alemanha analisam opções semelhantes; nos Estados Unidos, o número de casos está aumentando numa velocidade bastante elevada.

Nesse cenário, o mercado já não tem mais esperanças quanto a uma eventual resistência da economia global aos impactos da doença. O setor aéreo sofre pesadas restrições e o comércio internacional encontra-se comprimido, dada a queda no consumo e, consequentemente, da demanda.

A tensão aumentou no domingo (15), a partir de mais um corte extraordinário nos juros dos EUA. E, desta vez, o Federal Reserve (Fed) foi ainda mais radical, zerando as taxas do país — vale ressaltar que a reunião de política monetária ocorrerá nesta quarta-feira (18).

A medida, em tese, serve para blindar a economia dos EUA, fornecendo estímulo extra à atividade. Mas, dada a dramaticidade do movimento, o mercado interpreta que a situação no país é bem pior do que a oficialmente comunicada pelo governo, o que apenas gerou pânico.

Em resumo: o mercado, hoje, duvida da eficácia do Fed para trazer alívio à economia, em meio à condução confusa do governo americano em relação ao surto do coronavírus.

Estresse doméstico

Por aqui, a escalada nos atritos entre governo e Congresso também contribui para trazer pessimismo aos investidores. No domingo, apesar da preocupação com o coronavírus, foram vistas diversas manifestações populares em defesa da administração Bolsonaro — protestos que contaram com o apoio e presença do presidente.

Tanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, quanto do Senado, Davi Alcolumbre, manifestaram-se publicamente contra esses protestos e mostraram que o ambiente em Brasília está cada vez mais deteriorado.

E, nesse cenário, o mercado mostra-se cada vez mais pessimista quanto aos prognósticos para a economia doméstica e para a continuidade da agenda de reformas — além, é claro, da preocupação crescente quanto à saúde pública no país.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

análise dos balanços

Juntos, Santander, Itaú e Bradesco têm salto no lucro, mas saúde financeira não tranquiliza mercado

Um contraste fica visível na comparação entre Santander e Itaú, principalmente: o comportamento da margem financeira das operações com clientes

Desmatamento em foco

Varejistas europeus ameaçam boicote a produtos do Brasil por risco à Amazônia

O movimento foi visto como “precipitação” por empresários brasileiros que acompanham dois projetos de lei que tramitam no Congresso sobre o tema

CÉU DE BRIGADEIRO

No pós-Copom, Ibovespa tem tudo para amanhecer com céu azul e sol brilhante

Com o Banco Central fora da cena principal, bolsa brasileira tem tudo para acompanhar o apetite por risco no exterior

Troca de presidência

Carlos Brito vai deixar o comando da AB InBev em 1º de julho

O substituto de Brito no comando da AB InBev também é brasileiro: o engenheiro catarinense Michel Dukeris, que ingressou na AmBev em 1996

primeiro trimestre

TIM anuncia alta de 57,9% do lucro e venda de controle da FiberCo

Receita líquida somou R$ 4,340 bilhões, ligeira alta de 3% sobre igual período do ano anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies