Menu
2020-04-30T16:45:05-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
mercados agora

Ibovespa cai 3% e dólar sobe a R$ 5,43 com cautela pré-feriado e dados fracos

Último pregão do mês é marcado por uma correção, depois de três dias de alta da bolsa; Ibovespa caminha para um avanço de quase 10% em abril

30 de abril de 2020
10:40 - atualizado às 16:45
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A bolsa brasileira opera em queda nesta quinta-feira (30), em reação a dados econômicos que dimensionam a crise do coronavírus, balanços corporativos ruins e a cautela típica de vésperas de feriado.

Por volta das 16:30, o Ibovespa recua 3%, aos 80.713,03 pontos. Na sessão anterior, o principal índice acionário da B3 fechou no patamar dos 83 mil pontos. No mesmo horário, o dólar à vista tinha ganho de 1,5%, cotado a R$ 5,43. Segundo Solange Srour, economista-chefe da ARX Investimentos, o dólar, assim como a ponta longa dos juros futuros, pode estar reagindo também à fala do ministro da Economia Paulo Guedes, de que o Banco Central poderá emitir moeda e comprar a dívida interna como medidas contra a crise.

Nos Estados Unidos o movimento também é de perdas, mesmo após o Federal Reserve (Fed) anunciar a expansão do programa de crédito, após manter a taxa de juro estável na véspera. O índice Dow Jones cai 1,29%, S&P cede 1,22% e Nasdaq recua 0,77%.

Na Europa, o índice pan-europeu Stoxx 600 cai 1,6%, refletindo, entre outros dados, a queda de 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro no primeiro trimestre, segundo dados preliminares da agência oficial de estatísticas da União Europeia, a Eurostat.

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o desemprego subiu para 12,2% no primeiro trimestre de 2020. Embora ruins, os dados ainda não captaram os efeitos do isolamento social imposto pela pandemia, segundo o instituto.

O país tem 78.162 casos confirmados de novo coronavírus, de acordo com o Ministério da Saúde - mas com subnotificação. São 5,4 mil pessoas mortas pela covid-19 no país, sendo 2,2 mil no Estado de São Paulo.

A prefeitura da cidade de São Paulo indicou hoje que deve prorrogar a quarentena após o dia 10 de maio e que vai adotar restrições mais rígidas para impedir o avanço do coronavírus no município. O isolamento segue padrões diferentes no País.

A despeito dos dados ruins e da incerteza quanto ao isolamento, o diretor de investimentos do Andbank Brasil, Rodrigo Otávio Marques, diz que a queda da bolsa nesta quinta-feira é uma mera correção. "Voltamos para o nível pré-demissão do [então ministro da Justiça, Sergio] Moro", disse ele.

A saída no último dia 24 do ex-juiz da Lava Jato e um plano econômico lançado pela ala militar levantou temores no mercado de que a agenda do ministro Paulo Guedes seria deixada de lado. Nas horas seguintes ao pronunciamento de Moro, a bolsa registrou perdas de 9%.

Mas no início desta semana o presidente Jair Bolsonaro sinalizou para Guedes, o que contribuiu para as altas do Ibovespa nos dias seguintes. No mês, índice caminha hoje para um avanço de quase 9%, depois de derreter 29% em março. "Hoje temos um ajuste técnico, com BCs dando sinais de política monetária expansionista", diz Marques.

Para o diretor de investimentos, o foco para maio deve ser a quantidade de empresas que vão continuar a entrar em dificuldades por conta da extensão do isolamento. "É muito provável que tenhamos um respiro, com queda de volatilidade, aguardando novas notícias nas duas primeiras semanas do mês", diz.

Balanços

A crise do coronavírus bateu em ao menos um "bancão": o Bradesco. A instituição reportou uma queda de 39,8% no lucro do primeiro trimestre, diante de uma provisão para lidar com um esperado aumento da inadimplência. As ações da empresa estão entre as cinco maiores perdas do pregão desta quinta-feira.

Outro destaque do dia é a Multiplan, a primeira empresa de shoppings a divulgar os resultados do trimestre. Mas os efeitos do isolamento para a companhia não ficaram claros à primeira vista.

A Multiplan cortou custos, reverteu remuneração baseada em ações (voltada para executivos) e registrou um evento não recorrente. Resultado: crescimento de 93% no lucro líquido, que atingiu R$ 177,7 milhões no trimestre. Ainda assim, o papel da empresa é a segunda maior queda hoje na bolsa, atrás apenas da Smiles.

Maiores baixas do Ibovespa

  • Smiles (SMLS3): −10,34%
  • Multiplan (MULT3): −7,11%
  • Bradesco (BBDC4): −6,98%
  • Cyrela (CYRE3): −6,73%
  • Iguatemi (IGTA3): −6,48%

Maiores altas do Ibovespa

  • Klabin (KLBN11): +1,77%
  • Suzano (SUZB3): +1,37%
  • Marfrig (MRFG3): +0,8%
  • Totvs (TOTS3): -0,29%
  • Magazine Luiza (MGLU3): -0,61%

Juros futuros

As taxas de juros dos contratos de depósitos interbancários têm desempenho misto na sessão de hoje. Os contratos de vencimento mais curto operam estáveis ou em leve queda, enquanto os juros intermediários e longos sobem, acompanhando a alta do dólar.

Segundo Srour, da ARX Investimentos, além da realização pré-feriado, o mercado também pode estar refletindo a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que disse que o Banco Central pode emitir moeda em meio à crise e, eventualmente, comprar a dívida interna.

"Essa fala do Guedes dizendo que BC pode monetizar dívida acaba levando a curva longa a abrir e dólar a subir", disse Srour.

  • Janeiro/2021: estável a 2,805%;
  • Janeiro/2022: de 3,66% para 3,62%;
  • Janeiro/2023: de 4,77% para 4,79%;
  • Janeiro/2025: de 6,47% para 6,49%;
  • Janeiro/2027: de 7,38% para 7,42%.
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mudança nos juros

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou na decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 3,5% ao ano

CRYPTO NEWS

O mercado está cheio de bitcoin, mas as prateleiras estão vazias

O fluxo de saída da criptomoeda mais famosa das exchanges é algo inédito deste ciclo e pode representar a falta do ativo nas exchanges de cripto

DIA DE DECISÃO

Sem surpresas, Copom eleva Selic para 3,5% ao ano e indica aumento semelhante na próxima reunião

Essa é a segunda alta consecutiva da Selic em 0,75 ponto percentual — no começo do ano, a taxa de juros estava nas mínimas históricas, em 2% ao ano

FECHAMENTO

Dólar recua e bolsa sobe com mercado dando alta da Selic como certa e forte desempenho das siderúrgicas

No exterior, as bolsas operam sem um sinal único definido. Por aqui, os investidores aguardam a decisão do Copom

um viral que vale US$ 90 bi

Confira os 5 fatos que estão fazendo o Dogecoin subir (de novo) e passar a valer mais que a Petrobras

Valendo US$ 0,68 por unidade, o DOGE ficou próximo dos US$ 90 bilhões em valor de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies