Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-29T15:08:55-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados hoje

Ibovespa acompanha exterior e ganha força, apesar da cautela com o coronavírus

O Ibovespa e as bolsas tentam se firmar ao campo positivo, sustentadas por um dado econômico surpreendentemente forte nos EUA. Mas o aumento nos casos globais da Covid-19 eleva a preocupação quanto a uma segunda onda da doença

29 de junho de 2020
10:42 - atualizado às 15:08
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O clima nos mercados globais é de apreensão nesta segunda-feira (29), com o avanço do coronavírus no mundo aumentando o temor quanto a uma segunda onda da doença. Apesar disso, o Ibovespa e as demais bolsas firmaram-se em alta, reagindo positivamente a um dado econômico dos EUA.

Por volta de 15h00, o principal índice da bolsa brasileira subia 1,59%, aos 95.321,96 pontos. Com isso, o Ibovespa acompanha os demais mercados acionários do mundo: na Europa, as principais praças também ganharam força e fecharam em alta; nos EUA, o Dow Jones (+1,99%), o S&P 500 (+1,26%) e o Nasdaq (+0,99%) viraram ao campo positivo.

No câmbio, o dólar à vista até chegou a cair a R$ 5,3947 durante a manhã (-1,20%), mas, agora, opera em leve queda de 0,41%, a R$ 5,4380.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica por trás dos mercados nesta segunda-feira. Veja abaixo:

A pandemia de coronavírus segue no centro das atenções para os investidores: ao longo do fim de semana, o número de novas ocorrências no mundo deu um salto e atingiu novos recordes — segundo a OMS, foram quase 190 mil casos inéditos entre sábado (28) e domingo (29).

A situação é particularmente preocupante nos EUA, que têm reportado quase 45 mil novas infecções por dia. A concretização de uma segunda onda da Covid-19 é temida pelo mercado porque certamente causará algum tipo de retrocesso na reabertura das economias — e, eventualmente, poderá gerar uma nova rodada de medidas mais duras de isolamento.

Apesar desse cenário pouco animador, as bolsas globais exibem um viés positivo, devolvendo parte das perdas dos últimos dias — no exterior, a semana passada também foi de baixas nos mercados acionários dos EUA e da Europa.

Boa parte desse otimismo se deve à surpresa com o índice NAR de vendas pendentes de imóveis nos EUA: de abril para maio, o dado mostrou expansão de 44,3%, muito acima das expectativas do mercado, de alta de 15% — um indício de que, ao menos por ora, a economia americana dá sinais de recuperação.

Notícias quanto a um possível tratamento contra o coronavírus também ajudam a amenizar a cautela. O grupo farmacêutico China National Biotec Group (CNBG) disse que uma vacina em desenvolvimento eficácia na imunização das mais de mil pessoas que participaram dos testes.

Por fim, um anúncio do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) neste início de tarde ajuda a ampliar a segurança dos investidores: a instituição vai comprar novos títulos de dívida corporativa no mercado primário — uma medda que serve para aliviar a pressão financeira sobre as empresas e injeta dinheiro no sistema financeiro.

Juros e IGP-M

No mercado de juros, o tom é de relativa tranquilidade: os DIs não se afastam muito da estabilidade, tanto na ponta curta quanto na longa. O IGP-M em junho acelerou a 1,56%, ligeiramente acima das projeções de mercado — resultado que pode desestimular a continuidade dos cortes na Selic.

  • Janeiro/2021: estável em 2,07%;
  • Janeiro/2022: de 2,97% para 2,96%;
  • Janeiro/2023: de 4,12% para 4,10%;
  • Janeiro/2025: de 5,83% para 5,80%.

Top 5

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta segunda-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
EMBR3Embraer ON8,32+6,26%
IRBR3IRB ON12,53+5,65%
VVAR3Via Varejo ON15,06+5,39%
BBAS3Banco do Brasil ON33,18+4,27%
BRML3BR Malls ON10,03+4,05%

Confira também as cinco maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BRFS3BRF ON20,64-3,78%
ECOR3Ecorodovias ON12,59-2,55%
TIMP3Tim ON13,83-1,43%
CSNA3CSN ON10,57-1,31%
JBSS3JBS ON20,92-1,23%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Entrevista com o CEO

Gasolina cara? Não dá para fazer milagre com preço dos combustíveis, diz presidente da Ipiranga

Para Marcelo Araujo, questões conjunturais como o câmbio e a alta das commodities afetam a subida dos preços neste momento

fique de olho

Dividendos: TIM paga R$ 137,5 milhões em juros sobre capital próprio

pagamento ocorre no dia 27 de outubro, sendo a data de 29 de setembro de 2021 como aquela que servirá para identificar os acionistas com direito a receber os valores

BLINK!

Via Varejo (VIIA3) é uma oportunidade de compra? Evergrande foi apenas um susto? Entenda esses e outros assuntos no BLINK!

Você já sabe que toda sexta-feira tem dois compromissos marcados: o happy hour e o encontro com Felipe Miranda, CIO e estrategista-chefe da Empiricus. Como sempre, ele responde perguntas feitas pelos seus seguidores de forma descontraída. Confira, afinal: sextou

FECHAMENTO DA SEMANA

Problemas na China minam apetite por risco dos mercados globais e pressionam o dólar, mas Ibovespa fecha a semana em alta de 1,65%

Ainda que as perdas registradas nesta sexta-feira (24) tenham sido mais modestas do que as da última segunda-feira (20), a semana começa da mesma forma que começou — com os olhares do mundo voltados para a China.  Os analistas e especialistas diminuíram as apostas de que uma eventual falência da incorporadora chinesa Evergrande pode se […]

Cripto Cowboys

Com restrições na China, Texas é a nova meca do bitcoin e outras criptomoedas?

A energia barata e o baixo controle regulatório atraem os mineradores de moedas digitais para o sul dos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies