Menu
2020-08-11T16:36:20-03:00
Ricardo Gozzi
Mercados hoje

Ibovespa firma-se em queda com Petrobras e setor bancário apesar de otimismo externo

Ausência de notícias e temores com o cenário fiscal inibem voos mais altos na bolsa

11 de agosto de 2020
10:43 - atualizado às 16:36
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os temores em relação ao cenário fiscal no Brasil e a ausência de novidades que impulsionem os negócios inibiram as tentativas de avanço do Ibovespa nesta terça-feira e o índice virou para o território negativo na reta final da sessão depois do fechamento em queda do petróleo.

Sem conseguir se firmar acima da marca dos 104 mil pontos, o principal íncide do mercado brasileiro de ações cedeu os leves ganhos que vinha ensaiando desde o início da sessão e passou a operar em queda de quase 1% mesmo com a alta em Nova York e o fechamento positivo das bolsas europeias.

No geral, os investidores repercutiam o otimismo vindo de fora com a expectativa em torno das negociações entre democratas e republicanos sobre um pacote de estímulo à economia dos Estados Unidos , mas o fechamento em queda do barril de petróleo nos mercados internacionais teve impacto direto sobre as ações da Petrobras, pesando sobre o Ibovespa.

No cenário local, a ata da mais recente reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) confirmou a expectativa dos analistas de que a taxa básica de juros permanecerá baixa durante um período prolongado, dando suporte à crescente liquidez nos mercados financeiros.

Ainda assim, as perspectivas de longo prazo das contas públicas brasileiras e a ausência de notícias que impulsionassem as empresas no âmbito local inibiam o avanço às vésperas do vencimento de opções no Ibovespa.

Por volta das 16h30, o Ibovespa operava em queda de 1,1%, aos 102.284 pontos.

Entre os componentes do Ibovespa, as ações ON da Embraer (EMBR3) e da CVC (CVCB3) e os papéis PN da Azul (AZUL4) e da Gol (GOLL4) destacam-se no campo positivo, figurando entre as maiores altas do índice.

De acordo com analistas, as empresas relacionadas com os setores de aviação e turismo beneficiam-se de dados mostrando o aumento do número de viagens em aeroportos dos Estados Unidos.

No campo negativo, além da Petrobras, as ações ligadas a utilities operavam em queda generalizada à medida que investidores buscam posições mais arriscadas. Os papéis ON da Sabesp (SBSP3) caem mais de 1% com analistas comentando certa "decepção" em meio à ausência de notícias sobre a privatização da estatal paulista de água e esgoto mesmo depois da aprovação do novo marco do saneamento básico.

Dólar e juro

Já o dólar opera em queda seguindo a tendência internacional nos mercados de câmbio. O movimento é beneficiado pela renovação do apetite por risco no exterior.

Por volta das 16h35, a moeda norte-americana era cotada em queda de 1,1%, a R$ 5,40.

Enquanto isso, os contratos de juros futuros caíram acompanhando o recuo acentuado do dólar depois de terem passado a maior parte da sessão em alta.

A ata do Copom trouxe algum alívio à curva de juros, especialmente às taxas de curto prazo, ao reforçar a percepção de Selic estável em 2,00% por muito tempo. Entretanto, os juros de prazo mais longo subiram, mantendo no radar a deterioração do cenário fiscal brasileiro.

Confira os vencimentos com mais liquidez:

  • Janeiro/2021: de 1,875% para 1,870%;
  • Janeiro/2022: de 2,690% para 2,680%;
  • Janeiro/2023: de 3,810% para 3,820%;
  • Janeiro/2025: de 5,480% para 5,570%.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

EXILE ON WALL STREET

Bife ancho on sale!

Um país com a trajetória fiscal em xeque mais todas as idiossincrasias tupiniquins deveria ser motivo mais do que suficiente para que todo investidor buscasse diversificação no exterior

inteligência artificial

Elon Musk critica anúncio da Microsoft e expõe insatisfação com projeto de IA

Empresa terá licença exclusiva para o GTP-3, modelo de linguagem de inteligência artificial criado pela OpenAI – iniciativa fundada sem o propósito lucrativo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements