Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-08-20T17:36:48-03:00
Ricardo Gozzi
Mercados hoje

Ibovespa sobe com expectativa de manutenção de veto; dólar fecha em alta, mas longe das máximas

Manifestação de Maia em favor do veto desfez pressão adicional sobre ativos brasileiros; início da sessão na Câmara levou bolsa a firmar-se em alta.

20 de agosto de 2020
17:36
Gangorra Ibovespa mercads touro urso bear bull
Ibovespa sente peso do exterior e cenário doméstico conturbado e cai após abertura - Imagem: Shutterstock

A expectativa de manutenção, pela Câmara dos Deputados, do veto do presidente Jair Bolsonaro à possibilidade reajuste de salários de algumas categorias do funcionalismo público fez o Ibovespa apagar a queda acentuada que se desenhava no início da sessão e fechar em alta enquanto transcorria a sessão legislativa na qual o assunto seria apreciado.

Depois de uma manhã nebulosa nos mercados financeiros, a melhora no ambiente de negócios deu-se no início da tarde, com os investidores repercutindo a sinalização do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) em favor da manutenção do veto presidencial à possibilidade de reajuste salarial dos servidores públicos. Os comentários de Maia também aliviaram a pressão sobre o dólar, que seguiu em alta, mas longe das máximas.

A Câmara dos Deputados está votando na tarde de hoje o veto à possibilidade de reajuste salarial para algumas categorias do funcionalismo público. Ontem à noite, depois de o Senado ter derrubado o veto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou a decisão como "um crime contra o País".

No início da tarde, Maia afirmou estar trabalhando para manter o veto, o que levou o Ibovespa a apagar uma queda que chegou a mais de 1% e colocar-se em território positivo.

“Ainda existe a chance de a Câmara voltar atrás na medida, mas a derrota no Senado mostra os enormes desafios para o ajuste fiscal no Brasil”, afirma Dan Kawa, sócio-gestor da TAG Investimentos.

Os analistas também seguem atentos à discussão sobre a prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600 e a criação de um programa permanente de renda mínima até o fim do ano - medida de grande impacto fiscal e que preocupa os investidores. O novo programa deve ser anunciado até a terça-feira da semana que vem.

"Em todo este contexto, abre-se uma série de dúvidas", observa Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset. "Como o BC deve encarar a manifestação do Federal Reserve sobre os juros no Brasil? Qual o real cacife político de Bolsonaro para tentar avançar com a agenda que desesperadamente Guedes tenta implantar e o país tanto precisa? E o quanto mais a classe política pode criar de danos em meio à pandemia?", questiona ele.

Na avaliação de Pedro Galdi, analista de mercado da Mirae Asset, a tendência do Ibovespa para hoje era acompanhar os movimentos observados nos mercados de ações no exterior. A votação no Senado, segundo ele, acabou por acentuar a tendência de queda antes do alívio proporcionado pela fala de Maia.

Ata do Fed desata aversão generalizada ao risco

Apesar da melhora da bolsa com os comentários de Maia, os ativos de risco reagiram em todo o mundo ao teor da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve Bank (Fed, o banco central dos Estados Unidos), divulgada ontem à tarde.

No documento, a autoridade monetária norte-americana projeta uma retomada econômica instável para os EUA e sinaliza que não pretende promover medidas extraordinárias de estímulo.

Como a injeção de liquidez patrocinada pelos bancos centrais pelo mundo tem sustentado as altas recentes das bolsas de valores globais, a aparente proximidade do fim das condições para tal cenário pesou sobre os mercados financeiros.

Os mercados de ações fecharam em queda na Europa e na Ásia. Em Wall Street, os índices de ações norte-americanos recuperaram-se na esteira do setor de tecnologia e de notícias referentes ao avanço das pesquisas sobre uma vacina para a covid-19.

Já o Ibovespa, que ontem já havia reagido negativamente às repercussões iniciais da ata do Fed, perdeu a marca dos 100 mil pontos pela segunda vez na semana depois de apenas alguns minutos de pregão, mas depois conseguiu recuperar-se com base nos comentários de Maia.

Depois do início da sessão na Câmara, a bolsa começou a subir em meio à expectativa de que o veto será mantido até fechar em alta de 0,61%, aos 101.467,87 pontos.

Confira a seguir as maiores altas e baixas entre os componentes do Ibovespa na sessão de hoje.

MAIORES ALTAS

  • B3 ON (B3SA3) +4,65%
  • Multiplan ON (MULT3) +3,90%
  • Cyrela ON (CYRE3) +3,74%
  • Lojas Renner ON (LREN3) +3,42%
  • BR Malls (BRML3) +3,35%

MAIORES QUEDAS

  • Magazine Luiza ON (MGLU3) -2,62%
  • Sabesp ON (SBSP3) -2,39%
  • Natura ON (NTCO3) -1,91%
  • BRF ON (BRFS3) -1,15%
  • Qualicorp ON (QUAL3) -1,15%

Dólar e juro

E enquanto o Ibovespa se recuperava com os comentários de Maia, o dólar devolvia a maior parte da alta que mais cedo o levou a R$ 5,6727, o nível mais elevado em relação ao real desde 20 de maio.

Apesar do alívio, o mercado de câmbio seguiu pressionado pelo trecho da ata do Fed que cita de maneira específica a recente desvalorização do real como uma consequência combinada dos sucessivos cortes na taxa de juros pelo Banco Central (BC), do avanço desenfreado da covid-19 pelo Brasil e da persistente turbulência política no País.

A forte depreciação do real levou o BC a intervir por meio de um leilão de dólares no mercado à vista durante a manhã. A medida teve impacto limitado e a taxa de câmbio seguiu pressionada, fechando em alta de 0,40%, com o dólar cotado a R$ 5,5522, bem longe da máxima do dia.

Já os contratos de juros futuros recompuseram prêmios ao longo de toda a curva a termo durante quase toda a sessão por causa dos temores fiscais. Nos momentos finais, com o início da sessão na Câmara para tratar do veto de Bolsonaro, os juros cederam até fechar perto da estabilidade.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,780% para 2,790%;
  • Janeiro/2023: de 4,000% para 3,990%;
  • Janeiro/2025: de 5,830% para 5,800%;
  • Janeiro/2027: de 6,850% para 6,820%.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Balanço do mês

Com alívio nos juros futuros, renda fixa atrelada à inflação é o melhor investimento de novembro; bitcoin, FII e ações ficam na lanterna

Passado o pânico com o drible do teto de gastos, queda nos juros futuros deu aos títulos com alguma parcela da remuneração prefixada espaço para se recuperar; mas ativos de bolsa continuaram sofrendo

Dia Agitado

Após receber aporte bilionário, Ânima (ANIM3) compra participação em plataforma para formação de profissionais de saúde

Através de sua controlada Inspirali, a mesma a receber o aporte mais cedo, a companhia fechou um acordo para a aquisição de 51% da IBCMED

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ômicron e Powell assustam mercados, mas criptomoedas escapam da queda; confira os destaques do dia

O fim de novembro chega carregado de expectativa para o início oficial da temporada das festas de final de ano. As tradições natalinas podem variar de família para família, mas algumas coisas são universais — como as retrospectivas pessoais e a presença do clássico “Então é Natal”, da cantora Simone, em quase 100% dos lares […]

Natal antecipado

Dividendos: Blau Farmacêutica (BLAU3) vai distribuir juros sobre o capital próprio (JCP); confira o valor por ação

A ‘data de corte’ para os proventos, que devem cair na conta dos acionistas em 15 de dezembro, é na próxima sexta-feira (3)

FECHAMENTO DOS MERCADOS

PEC dos precatórios caminha e limita queda do Ibovespa, mas índice fecha novembro no vermelho; dólar vai a R$ 5,63

A nova variante do coronavírus e o posicionamento do Fed diante das ameaças amargaram o humor dos investidores no exterior, mas o Ibovespa conseguiu se segurar nos 100 mil pontos com o noticiário político

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies