Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-10T18:36:49-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Cautela persistente

Ibovespa na mínima, dólar na máxima: o mercado brasileiro continua sob pressão

O Ibovespa caiu aos 112 mil pontos pela primeira vez em 2020 e o dólar à vista cravou mais um recorde nominal de fechamento. As incertezas ligadas ao coronavírus e o mau humor em relação ao noticiário doméstico mexeram com os mercados

10 de fevereiro de 2020
18:36
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O fim de semana passou, mas o pano de fundo para o Ibovespa e o dólar continua o mesmo. O clima por aqui é de cautela, tanto em relação ao exterior quanto ao cenário doméstico — e essa tensão persistente deu o tom para as negociações nesta segunda-feira (10).

Tanto é que, ao fim do dia, o Ibovespa marcava 112.570,30 pontos, em queda de 1,05% — é o menor nível de encerramento em 2020. Agora, o índice acumula perdas de 2,66% no ano.

O dólar à vista teve reações mais modestas, mas não escapou de mais um dia de alta: terminou a sessão com leve ganho de 0,03%, a R$ 4,3220. Trata-se de um novo recorde nominal em termos de fechamento — a moeda americana já sobe 7,73% desde o começo de 2020.

Há dois vetores por trás da pressão vista hoje. No exterior, o coronavírus continua inspirando cautela aos investidores, uma vez que os primeiros efeitos à economia real já começam a aparecer; por aqui, movimentações em Brasília voltaram a mexer com as mesas de operação.

Essa combinação fez o Ibovespa cair à faixa de 112 mil pontos pela primeira vez no ano — é o menor patamar desde 17 de dezembro, quando o índice terminou em 112.615,66 pontos.

Incertezas no horizonte

O coronavírus seguiu como grande fator de influência para as negociações globais nesta segunda-feira. Já são mais de 900 mortos na China e mais de 40 mil pessoas contaminadas no mundo todo — e, nesse cenário, o mercado começa a projetar os possíveis impactos à economia global.

Mais cedo, a China informou um salto nos dados de inflação, para 5,4% em janeiro — bem acima das projeções dos analistas, de alta de 4,96%. Essa pressão inflacionária se deve a um pico nos preços dos alimentos, sobretudo as carnes, em meio ao surto da doença.

A percepção de que o coronavírus já começa a trazer efeitos reais à economia da China e do mundo, assim, coloca os investidores na defensiva nesta segunda-feira, sobretudo nos mercados acionários.

Na Ásia e na Europa, quase todas as praças acionárias fecharam no campo negativo, dando o tom da cautela que toma conta dos investidores lá fora. A exceção ficou com os Estados Unidos: por lá, o Dow Jones (+0,60%), o S&P 500 (+0,73%) e o Nasdaq (+1,13%) fecharam em alta.

Brasília volta aos holofotes

O cenário político doméstico também voltou a influenciar os rumos da bolsa brasileira nesta segunda-feira. Mais cedo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que a privatização da Eletrobras está 'cada dia mais difícil' — o que trouxe mau humor generalizado aos mercados.

A declaração afetou o desempenho das ações da estatal: os papéis ON (ELET3) caíram 3,78%, enquanto os PNBs (ELET6) recuaram 2,74%.

Cautela no câmbio

No mercado de moedas, o dólar ficou perto do zero a zero em relação ao peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno e o rand sul-africano, entre outras moedas emergentes. O real, assim, acompanhou seus pares nesta.

Há alguma aversão ao risco no câmbio, em meio às incertezas ligadas ao coronavírus. Sem saber o que poderá acontecer, os investidores preferem se desfazer de ativos mais arriscados, como as moedas emergentes, e partir para opções mais seguras, como o dólar.

No entanto, considerando a alta da moeda americana nos últimos dias, esse movimento acabou tendo pouco espaço — o que ajudou a manter a divisa praticamente inalterada em escala global. Vale lembrar que, na última sexta-feira (7), o dólar à vista já havia chegado a um novo recorde nominal de fechamento, a R$ 4,3209.

Já as curvas de juros fecharam em baixa nesta segunda-feira. Mais cedo, as projeções para a inflação em 2020 pelo boletim Focus caíram de 3,40% para 3,25%. Assim, embora as estimativas para a Selic tenham permanecido em 4,25% ao ano, o mercado parece começar a enxergar um possível espaço para mais cortes nas taxas.

Nesse contexto, veja como ficaram os principais DIs hoje:

  • Janeiro/2021: de 4,27% para 4,26%;
  • Janeiro/2023: de 5,55% para 5,52%;
  • Janeiro/2025: de 6,20% para 6,15%;
  • Janeiro/2027: de 6,55% para 6,48%.

Mais pressão para o IRB

As ações ON do IRB (IRBR3) despencaram 16,49% e tiveram o pior desempenho do Ibovespa, em meio a uma nova carta da Squadra, a gestora que, na semana passada, apontou possíveis inconsistências no balanço da empresa.

A Squadra reafirmou seu posicionamento, rebatendo as argumentações do IRB quanto a possíveis erros de cálculo por parte da gestora. E, em meio ao imbróglio, a XP Investimentos optou por colocar a recomendação para as ações da resseguradora em revisão.

Outro destaque desta segunda-feira foi BB Seguridade ON (BBSE3), com ganhos de 1,30% — a empresa registrou lucro líquido ajustado de R$ 1,13 bilhão no quarto trimestre de 2019, um aumento de 34,9% na base anual.

Também no campo positivo, destaque para Itaú Unibanco PN (ITUB4), em alta de 1,69% — o banco divulga nesta noite seu balanço referente ao quarto trimestre de 2019. O bom desempenho das ações do Itaú acabou puxando os papéis do setor bancário como um todo.

Veja abaixo as ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta segunda-feira:

  • Itaúsa PN (ITSA4): +2,03%
  • Itaú Unibanco PN (ITUB4): +1,69%
  • Santander Brasil units (SANB11): +1,45%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): +1,30%
  • Bradesco PN (BBDC4): +1,07%

Confira também as maiores baixas do índice hoje:

  • IRB ON (IRBR3): -16,49%
  • Marfrig ON (MRFG3): -6,94%
  • CVC ON (CVCB3): -6,03%
  • Cyrela ON (CYRE3): -5,93%
  • BTG Pactual units (BPAC11): -4,66%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: mundo monitora avanço da variante ômicron da covid-19 em semana de Livro Bege e PIB brasileiro

Além disso, os contornos da disputa política de 2022 começam a ficar mais claros com a entrada de mais candidatos ao pleito

OMS ALERTA

Variante Ômicron representa risco global ‘muito elevado’ e é provável que se espalhe

OMS emitiu hoje um informe técnico sobre a cepa do coronavírus causador da covid-19 recentemente descoberta na África do Sul

MULTIFACETADO

‘Genial e visionário’: Virgil Abloh, diretor artístico da Louis Vuitton, morre aos 41 anos depois de luta contra forma rara de câncer

Estilista norte-americano ganhou notoriedade como diretor criativo do rapper Kanye West e fez história na LVMH

SELEÇÃO DE ATIVOS

13º salário de 2021 cai na conta até amanhã! Veja onde investir se você tem perfil conservador

Consultamos especialistas e o veredito é unânime: no cenário atual o que não faltam são oportunidades, mesmo para os investidores menos inclinados ao risco

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies