Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-01-07T17:07:00-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Cautela persistente

Ibovespa opera em queda, atento ao cenário no Oriente Médio; dólar tem leve alta

Ainda tenso com o cenário turbulento entre EUA e Irã, o Ibovespa abriu o pregão desta terça-feira em baixa, fixando-se no nível de 116 mil pontos

7 de janeiro de 2020
10:29 - atualizado às 17:07
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Mesmo após duas sessões em baixa, o Ibovespa continua aparecendo no campo negativo nesta terça-feira (7). Por aqui, os agentes financeiros seguem mostrado cautela em relação às tensões entre Estados Unidos e Irã — uma postura que desencadeia movimentos de correção no índice, que estava nas máximas no início do ano.

Por volta de 17h05, o Ibovespa recuava 0,20%, aos 116.640,50 pontos — mais cedo, chegou a tocar os 115.965,38 pontos (-0,78%). A bolsa brasileira, assim, fica em linha com o exterior: nos EUA, o Dow Jones (-0,32%) e o S&P 500 (-0,20%) também caem; já o Nasdaq (+0,06%) sustenta leve alta.

A cautela também é vista no mercado de câmbio, que teve uma sessão bastante volátil: o dólar à vista foi a R$ 4,0924 na máxima (+0,73%) mas terminou a sessão perto da estabilidade, com leve alta de 0,04%, a R$ 4,0646.

Assim como nos últimos dias, o panorama turbulento no Oriente Médio aparece como principal fator de influência para as negociações globais. Sem grandes novidades na agenda econômica, os investidores voltam as atenções ao Irã, atentos às possíveis movimentações militares do país.

Desde a semana passada, quando uma ação militar dos EUA resultou na morte de Qassim Suleimani, o principal general do exército do Irã, cresceu a preocupação quanto a um eventual conflito armado no Oriente Médio. Esse temor desencadeou uma onda de correções nas bolsas e uma elevação nos preços do petróleo.

E os agentes financeiros locais mostram-se particularmente preocupados, uma vez que o Irã convocou a representante da embaixada brasileira no país — o Itamaraty divulgou uma nota dizendo apoiar a luta contra o terrorismo.

"Isso gera preocupação, especialmente para as empresas que exportam para o Oriente Médio", diz Sabrina Cassiano, analista da Necton Investimentos. "Ainda que o Irã não seja um país relevante para a balança comercial, o mercado fica atento para possíveis desdobramentos".

Lá fora, contudo, os investidores tentam colocar os nervos no lugar. Após dias bastante tensos, a percepção é a de que, por enquanto, a escalada nos atritos têm se restringido ao campo da retórica, sem ações concretas de ambas as partes.

Nesse cenário, as bolsas mundiais conseguem ter uma sessão mais amena até agora. E, no mercado de commodities, o petróleo fechou em baixa, tanto o Brent quanto o WTI, devolvendo parte dos ganhos recentes.

Dólar instável

No mercado de câmbio, o dólar ganhando terreno em escala global — um indício de busca de proteção por parte dos investidores.

O índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana em relação a uma cesta com as principais divisas do mundo — como o euro, a libra esterlina e o iene —, opera em alta de 0,35%.

Em relação às divisas de países emergentes, o tom é o mesmo: o dólar sobe na comparação com o peso mexicano, o rublo russo, o peso colombiano e o rand sul-africano, entre outras — o real, assim, acompanhou o contexto externo.

Com o dólar se afastando das máximas, as curvas de juros aproveitaram para fazer o mesmo movimento e terminaram a sessão em baixa, devolvendo parte dos ganhos recentes. Veja como ficaram os principais DIs nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,52% para 4,48%;
  • Janeiro/2023: de 5,82% para 5,78%;
  • Janeiro/2025: de 6,46% para 6,44%;
  • Janeiro/2027: estável em 6,79%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa no momento:

  • Cemig PN (CMIG4): +3,45%
  • Azul PN (AZUL4): +2,67%
  • Marfrig ON (MRFG3): +2,58%
  • Ecorodovias ON (ECOR3): +2,43%
  • B3 ON (B3SA3): +2,40%

Confira também as maores quedas do índice:

  • Cia Hering ON (HGTX3): -3,56%
  • NotreDame Intermédica ON (GNDI3): -3,53%
  • Qualicorp ON (QUAL3): -2,88%
  • SulAmérica units (SULA11): -2,59%
  • BTG Pactual units (BPAC11): -2,23%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies