Menu
2019-11-01T17:23:49-03:00
Fica para depois

Oi, Vivo e TIM preferem que leilão do 5G seja adiado

Certame, que será realizado pela Anatel, estava originalmente previsto para março de 2020, mas a data exata ainda não foi definida pelo órgão

1 de novembro de 2019
17:23
Tecnologia 5G
Imagem: Shutterstock

As operadoras de telecomunicações Oi, Vivo e TIM manifestaram seu desejo de que o leilão da internet de quinta geração (5G) ocorra só mais adiante.

O certame, que será realizado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), estava originalmente previsto para março de 2020, mas a data exata ainda não foi definida pelo órgão regulador, e as empresas já contam com um atraso.

Sob a ótica da Oi, uma eventual postergação ajudaria as empresas a tomarem fôlego após os investimentos feitos nas redes de 4G.

Já Vivo e TIM disseram que é preferível que o leilão demore um pouco mais se isso resultar em regras mais favoráveis para o setor.

"A gente sabe que o leilão de 5G não vai acontecer na primeira metade do ano que vem. Existe a expectativa de acontecer na segunda metade de 2020, é possível. Mas nada impediria que ele acontecesse em 2021", declarou Abreu em entrevista à imprensa, durante a Futurecom esta semana. "É óbvio que se for para frente, melhor. De fato o País ainda está no suspiro do investimento feito nas redes de 4G e 4,5G", justificou.

Abreu acrescentou que não vê uma "urgência absurda" para o País implementar a nova tecnologia. No entanto, diversos representantes de empresas, governo e meio acadêmico já vocalizaram que o 5G representará uma verdadeira revolução.

O Ministério da Economia estima que o 5G pode agregar R$ 249 bilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) até 2035, decorrentes do aumento direto de produtividade com a implantação da internet rápida, que vai permitir o desenvolvimento de novas aplicações, desde carros autônomos até cirurgias feitas por médicos à distância.

Apesar de torcer para o adiamento do leilão, Abreu afirmou que a Oi vai participar do certame para comprar tanto lotes da faixa de 700 MHz - usada principalmente para o 4G - quanto lotes de 3,5 GHz, voltadas para o 5G. Os desembolsos com o leilão não estão inclusos no seu plano anual de R$ 7 bilhões de investimentos. Ou seja, representarão desembolsos adicionais para a companhia, que neste momento sofre com a escassez de recursos em caixa.

O presidente da Telefônica Brasil (dona da Vivo), Christian Gebara, disse no mesmo evento preferir que o leilão de 5G ocorra mais tarde, porém com as regras corretas, em vez de sair no curto prazo e com regras desfavoráveis. Ele defendeu que o leilão não tenha caráter arrecadatório.

"A necessidade de cobertura e de expansão da tecnologia vai exigir que as empresas tenham capital para fazer esse investimento. Se esse capital for reduzido pela compra de frequência, teremos um problema para o desenvolvimento do País", argumentou. Gebara também cobrou que a oferta dos lotes - divididos em nacionais e regionais - não crie uma competição excessiva e desfavoreça as grandes operadoras, sob o risco de a implementação das redes ficar comprometida. "As empresas líderes são aquelas que realmente vão conseguir construir a cobertura nacional", afirmou.

O presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola, também falou durante a Futurecom que é admissível um adiamento do leilão. "Se acontecer com um pouco mais de atraso, mas com regra certa para garantir o retorno do investimento, eu fico mais feliz", disse. O executivo sugeriu ainda que o certame não cobre valores elevados pela outorga das frequências e, em contrapartida, estabeleça compromissos de maior cobertura das redes. "Faz sentido um modelo no qual o valor do leilão é mais baixo, mas acompanhado do compromisso de desenvolvimento de infraestrutura que vai gerar ganho para todo o País, com entrega de riqueza e desenvolvimento para todos", disse.

A Anatel deve publicar nas próximas semanas a consulta pública para o edital do leilão. O secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Julio Semeghini (PSDB-SP), reiterou durante a Futurecom que a intenção do governo é realizar o certame o mais rápido possível, dentro de 2020, mas não se comprometeu com uma data exata.

Em entrevista recente ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), Semeghini disse também que ainda não há definição dos valores das outorgas e das obrigações, embora o relator do edital na Anatel, Vicente Aquino, tenha anunciado previsão de movimentar R$ 20 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Oportunidade para o investidor

Conselho da Iguatemi aprova emissão de R$ 264 milhões em debêntures

Trata-se da oitava emissão dos títulos pela empresa, que serão negociados em série única e vinculados a uma emissão de CRI

Seu Dinheiro na sua noite

O que mudou e o que não mudou na bolsa

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o surto do coronavírus na China, havia poucos elementos para afirmar se estávamos ou não diante de uma crise de saúde de proporções globais. Hoje já não temos mais dúvidas disso. A dolorosa queda de 7% da bolsa na quarta-feira de cinzas marcou a passagem da incerteza que tínhamos […]

É dólar na veia

Na luta para conter o dólar, Banco Central anuncia oferta de US$ 1 bilhão em contratos de swap nesta sexta-feira

Negociação será realizada na bolsa entre 9h30 e 9h40 e deve contemplar até 20 mil contratos

Dados do Banco Central

Reservas internacionais subiram US$ 976 milhões no dia 26 de fevereiro, para US$ 360,578 bilhões

Resultado reflete sobretudo a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Menor nível em quatro meses

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai mais 2,59% e fecha na mínima do dia; dólar sobe a R$ 4,47

O mercado até ensaiou um movimento de recuperação no meio da tarde, mas a cautela com o surto de coronavírus prevaleceu, derrubando o Ibovespa — apenas quatro ações do índice fecharam em alta. O dólar cravou mais uma máxima

No radar

Abimaq diz não ter dado que indique desabastecimento por causa do novo coronavírus

Setor de máquinas está promovendo ações preventivas para evitar qualquer risco de desabastecimento

Negócio em aberto

Bayer concorda com nova revisão sobre aquisição da Monsanto

Empresa vai permitir que um especialista independente revise suas regras e examine os seus principais negócios

Enchentes

Chuvas de fevereiro dão prejuízo de R$ 203 milhões ao comércio do sudeste, diz CNC

Mais da metade do rombo foi concentrado no Estado de São Paulo

Não vai dar

Facebook e Microsoft cancelam participação em eventos por temor com coronavírus

Sony, Electronic Arts e Unity Technologies também já tinham informado que não participariam de conferência

Embraer monitorada

S&P mantém rating BBB da Embraer em observação para eventual rebaixamento

Avaliação reflete a aprovação ainda pendente da Comissão Europeia sobre o acordo entre a empresa brasileira e a Boeing, diz agência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements