Menu
2019-10-24T18:03:17-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Olho no BC

BTG Pactual acredita em Selic de 4% em 2020

Banco trabalha com juro de 4,5% em dezembro de 2019 e mais duas reduções de 0,25 ponto no ano que vem

24 de outubro de 2019
17:24 - atualizado às 18:03
Touros e Ursos Capa Podcast – Selic Queda – Baixa
Imagem: Seu Dinheiro / Shutterstock

O BTG Pactual enxerga espaço para mais reduções da taxa básica de juros, a Selic. Em relatório divulgado nesta quinta-feira, o banco apresenta a projeção de 4,5% no fim de 2019 e diz enxergar espaço para mais duas reduções de 0,25 ponto no começo de 2020, com o custo dinheiro em 4% no fim do ciclo.

O Comitê de Política Monetária (Copom) tem reunião na próxima semana e o BTG está com o consenso de mercado, de nova redução de meio ponto percentual, a terceira seguida, reduzindo o juro de 5,5% para 5%. A última reunião de 2019 acontece em dezembro e traria redução de mesma monta.

Na avaliação entre o que aconteceu desde a reunião de setembro, o banco destaca as falas do presidente do BC, Roberto Campos Neto, de que apesar dos riscos, a cena externa continua favorável e que o movimento do câmbio reflete questões estruturais, sem impacto nas expectativas de inflação.

De fato, todas as falas de Campos Neto e demais diretores reafirmaram a mensagem central de política monetária: O Comitê avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo.

Inflação

O BTG continua vislumbrando um quadro favorável, com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrando 2019 perto de 3,4%. A meta do ano é de 4,25%. Para 2020, a projeção teve um breve ajuste de 3,7% para 3,6%, contra meta de 4%.

O banco faz um exercício para antecipar a projeção do modelo do BC no cenário com juro constante em 5,5% e câmbio a R$ 4,05. O resultado seria inflação de 3,3% neste ano e entre 3,6% e 3,7% em 2020. Ou seja, haveria espaço para ajuste adicional.

Balanço de riscos

Na avaliação sobre os vetores que podem levar à inflação para cima ou para baixo da meta, o BTG avalia que o risco de frustração com as reformas evoluiu de forma positiva. O Senado concluiu a reforma da Previdência, e a chama PEC paralela, que traz Estados e municípios para a reforma, mostra avanço.

Pelo lado externo, as negociações comerciais entre EUA e China mostraram progresso, mas os dados dos EUA e de outros países mostram enfraquecimento do setor industrial.

A classificação do BTG é de um cenário externo complexo, mas com moderação dos riscos na margem, com prevalência de vetores deflacionários. Assim, para os analistas do banco, o BC pode passar a dizer que o balanço de riscos está favorável.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

nos bastidores

Em meio a crise, Hamilton Morão ganha apoio de militares

Vice foi o único dos generais quatro estrelas que despacham no palácio a se dissociar, em público, do discurso do presidente pelo fim da quarentena

Contra covid-19

UE aprova pacote francês de 1,2 bilhão de euros para empresas do país

UE aprovou nesta segunda-feira, 30, o pacote francês de 1,2 bilhões de euros para sustentar pequenas e médias empresas do país, em meio à pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements