Menu
2019-05-24T14:44:34-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Privatizações

“Brasil é locomotiva atolada no brejo, precisamos colocá-la sobre os trilhos”, diz Salim Mattar

O secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro afirmou mais uma vez que não conhece nenhuma estatal eficiente. “Se alguém encontrar me manda um WhatsApp.”

24 de maio de 2019
14:43 - atualizado às 14:44
salim mattar, secretário de privatizações
Imagem: Reprodução/Ministério da Economia

Já ficaram conhecidas as apresentações apaixonadas a favor da redução do tamanho do Estado na economia feitas por Salim Mattar, o homem responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro. Imagine, então, quando a audiência é formada por investidores dispostos a participar do programa de privatizações em andamento.

Esse encontro aconteceu hoje, em um evento promovido pela Abvcap, associação que reúne os gestores de fundos que investem na compra de participações em empresas (Abvcap).

Mas agora, passados cinco meses do início do governo, o secretário especial de desestatização e desinvestimento pediu a "compreensão" do público pelo fato de as privatizações e demais mudanças na economia não ocorrerem na velocidade desejada.

O secretário comparou o país a uma "locomotiva atolada no brejo". "Precisamos colocar a locomotiva sobre os trilhos", afirmou.

Mattar manteve a expectativa de superar a meta de US$ 20 bilhões (R$ 80,3 bilhões ao câmbio de hoje) em privatizações e concessões neste ano. Até o momento, foram US$ 12,1 bilhões (R$ 48,6 bilhões) - o mesmo número da última vez em que acompanhei um evento com o secretário, há um mês.

"Me manda um WhatsApp"

Ele lançou mais uma vez o desafio à plateia, ao afirmar que não conhece nenhuma estatal eficiente. "Se alguém encontrar me manda um WhatsApp", disse, mas sem revelar para qual número de celular mandar a mensagem.

O fato de algumas empresas controladas pelo governo operarem em monopólio em alguns mercados justifica a lucratividade, segundo o secretário.

Para Mattar, o estado atual da economia é resultado da "social-democracia e do esquerdismo" no governo. Na apresentação aos investidores, enumerou uma série de dados sócio-econômicos, incluindo o número de homicídios.

"Isso demonstra ausência de governo. O governo está ocupado administrando bancos seguradoras, empresas de petróleo, e não tem tempo de cuidar da segurança do cidadão", afirmou, ao defender o programa de privatizações.

Mattar comemorou a revogação da medida que criaria uma nova estatal, a NAV Brasil, a partir de uma cisão da Infraero.

"Nós não podemos permitir nascer filhotes de estatais que depois se tornam verdadeiras cascavéis", afirmou.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

PANOS QUENTES

‘Apresentei desculpas e colocamos ponto final’, diz Salles sobre atrito com Ramos

Salles e Ramos protagonizaram o mais recente atrito dentro do governo, tornado público após chefe do Meio Ambiente se referir ao general como “Maria Fofoca”

ALÍVIO

Mortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz

Média móvel de novos casos ficou em 22.483 no sábado, alta de 11% em relação aos casos da semana anterior

LUTO

Morre presidente da Samsung, aos 78 anos

Lee Kun-hee foi responsável por transformar a companhia em um dos maiores conglomerados do mundo

INFLAÇÃO

Custo alto deve se manter até 2021 no material de construção

Superaquecimento de itens é reflexo de distorção entre oferta e demanda, diz pesquisadora da FGV

“efeito de três pontos”

O [mau] comportamento dos mercados: as semelhanças entre a trajetória do câmbio e de uma bola de basquete

O câmbio vai oscilar ao gosto das notícias – das guerras comerciais à falta de agenda econômica do governo federal. Mas existe um estranho – e ainda pouco compreendido – “efeito de três pontos”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies