2019-04-04T14:10:07-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Estrangeiro vende US$ 3,8 bilhões em dólar futuro na B3

Último pregão de janeiro foi de firme troca de posições no mercado futuro. Posição líquida do gringo, no entanto, segue comprada em US$ 33 bilhões

1 de fevereiro de 2019
11:37 - atualizado às 14:10
Dólar
Imagem: shutterstock

Todo fim de mês já estamos acostumados a assistir a tradicional briga de comprados, que ganham com a alta do dólar, e vendidos, que lucram com a queda no preços da moeda, no mercado futuro da B3. Mas na virada de janeiro para fevereiro a disputa foi particularmente acirrada.

Os estrangeiros fizeram uma dar maiores vendas diárias desde o conturbado período pré-eleitoral. A posição comprada em dólar futuro caiu em US$ 3,8 bilhões, para apenas US$ 365 milhões. Para dar um parâmetro, em 18 de janeiro a posição chegou a US$ 6,7 bilhões, vindo de posição vendida na virada do ano.

Se o estrangeiro vendeu, alguém comprou. No caso, foram os bancos a contraparte, comprando US$ 3,7 bilhões em dólar futuro, elevando sua posição comprada para US$ 11 bilhões.

Os fundos de investimento não entraram nessa briga e seguiram carregando US$ 12,5 bilhões em posição vendida em contratos futuros.

A avaliação de ganhadores e perdedores nesse mercado é sempre feita em tese, pois não sabemos a que preço as posições foram montadas e se esses agentes possuem exposição ao dólar no mercado à vista e de balcão. Mas teríamos os estrangeiros realizando prejuízo e os bancos remontando posição com dólar mais barato.

Atenção agora ao comportamento desses agentes nos próximos dias, pois é isso que vai determinar a formação da taxa de câmbio. Nos últimos dias assistimos uma briga ao redor dos R$ 3,70 e agora a disputa parece na linha dos R$ 3,65 cotação vista ontem e testava novamente nesta sexta-feira.

Exposição líquida

Além do dólar futuro outra forma de exposição é o cupom cambial (DDI, juro em dólar). Considerando esses contratos, temos que o estrangeiro vendeu dólar futuro, mas comprou cupom cambial. Assim, a exposição líquida não sofreu grande alteração, encerrando o mês de janeiro em US$ 33 bilhões, sendo US$ 32,6 bilhões em DDI mais US$ 365 milhões em dólar. Em 10 de dezembro, essa "aposta" no dólar marcou o recorde a R$ 41,7 bilhões.

Os bancos têm uma exposição líquida vendida pouca expressiva, de US$ 814 milhões. São US$ 11,817 bilhões vendidos em cupom e US$ 11 bilhões comprados em dólar.

Assim, a contraparte do estrangeiro é o investidor institucional, vendido em US$ 34,6 bilhões. Poucas vezes vimos a posição dos fundos acima da dos estrangeiros. Além dos US$ 12,5 bilhões vendidos em dólar há outros US$ 21,85 bilhões vendidos em cupom cambial.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies