Menu
2019-05-29T15:53:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nas alturas

Juros do rotativo do cartão de crédito cai para 298,6% ao ano em abril

Juro do rotativo é uma das taxas mais elevadas entre as avaliadas pela instituição

29 de maio de 2019
15:53
cartao-de-credito
Cartão de crédito - Imagem: Shutterstock

O juro médio total cobrado no rotativo do cartão de crédito caiu 0,8 ponto porcentual de março para abril, informou nesta quarta-feira, 29, o Banco Central. Com isso, a taxa passou de 299,4% para 298,6% ao ano.

O juro do rotativo é uma das taxas mais elevadas entre as avaliadas pelo BC. Dentro deste número, a taxa cobrada na modalidade rotativo regular recuou de 281,4% para 278,0% ao ano de março para abril.

Neste caso, são consideradas as operações com cartão rotativo em que houve o pagamento mínimo da fatura.

Já a taxa de juros da modalidade rotativo não regular subiu de 312,4% para 313,6% ao ano. O rotativo não regular inclui as operações nas quais o pagamento mínimo da fatura não foi realizado.

No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro caiu de 178,5% para 170,8% ao ano.

Considerando o juro total do cartão de crédito, que leva em conta operações do rotativo e do parcelado, a taxa também cedeu e passou de 66,9% para 65,4% de março para abril.

Em abril de 2017, começou a valer a regra que obriga os bancos a transferir, após um mês, a dívida do rotativo do cartão de crédito para o parcelado, a juros mais baixos.

A intenção do governo com a nova regra era permitir que a taxa de juros para o rotativo do cartão de crédito recuasse, já que o risco de inadimplência, em tese, cai com a migração para o parcelado.

Juro do crédito livre também cai

Os dados do Banco Central também mostraram que a taxa média de juros no crédito livre caiu de 39,0% ao ano em março para 38,9% ao ano em abril. Em abril de 2018, essa taxa estava em 40,8% ao ano.

Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 53,8% para 53,6% ao ano de março para abril, enquanto para pessoa jurídica foi de 19,8% para 19,9% ao ano.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa passou de 322,7% ao ano para 323,3% ao ano de março para abril. No crédito pessoal, a taxa passou de 45,3% para 45,9% ao ano.

Desde julho do ano passado, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

A expectativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) era de que essa migração do cheque especial para linhas mais baratas acelerasse a tendência de queda do juro cobrado ao consumidor.

Em junho de 2018, antes do início da nova dinâmica, a taxa do cheque especial estava em 304,9% ao ano.

As informações divulgadas pelo BC mostraram ainda que, para aquisição de veículos, os juros foram de 21,4% ao ano em março para 21,3% em abril.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas (com recursos da poupança e do BNDES), ficou estável em 25,3% ao ano de março para abril. Em abril de 2018, estava em 25,7%.

ICC

Já o Indicador de Custo de Crédito (ICC) subiu 0,1% em abril ante março, aos 21,2% ao ano. O porcentual reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque.

Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento.

Spread

O spread bancário médio no crédito livre caiu de 31,6 pontos porcentuais em março para 31,4 pontos porcentuais em abril, informou o Banco Central.

O spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 46,1 para 45,8 pontos porcentuais no período. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 12,8 para 12,9 pontos porcentuais.

O spread médio do crédito direcionado seguiu em 4,1 pontos porcentuais de março para abril.

Já o spread médio no crédito total (livre e direcionado) continuou em 19,2 pontos porcentuais no período.

Inadimplência

A taxa de inadimplência no crédito livre caiu de 3,9% para 3,8% na passagem de março para abril, informou o Banco Central. Em abril de 2018, a taxa estava em 4,6%.

Para pessoa física, a taxa de inadimplência seguiu em 4,7%. Para as empresas, a taxa passou de 2,8% em 2,7%.

A inadimplência do crédito direcionado foi de 1,9% para 2,0% de março para abril. Já o dado que considera o crédito livre mais o direcionado mostra que a taxa de inadimplência permaneceu em 3,0%.

Endividamento

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou em 43,3% em março, ante 43,2% em fevereiro, informou o BC. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento foi de 24,8% em março, ante 24,7% em fevereiro.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) ficou em 19,9% em março, mesmo patamar de fevereiro. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda seguiu em 17,5% na passagem de fevereiro para março.

Falando em estoque de crédito...

O estoque total de operações de crédito do sistema financeiro ficou estável abril ante março, em R$ 3,267 trilhões. Já em 12 meses, houve alta de 5,4%.

Em abril ante março, houve elevação de 0,8% no estoque para pessoas físicas e queda de 1,1% para pessoas jurídicas.

De acordo com o BC, o estoque de crédito livre avançou 0,3% em abril, enquanto o de crédito direcionado apresentou queda de 0,4%

No crédito livre, houve alta de 1,3% no saldo para pessoas físicas no mês passado. Para as empresas, o estoque avançou 0,9% no período.

O BC informou ainda que o total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) passou de 47,3% pra 47,0% na passagem de março para abril.

As projeções do BC indicam expansão de 7,2% para o crédito total em 2019. A projeção para o crédito livre este ano é de alta de 12,5%, enquanto a expectativa para o crédito direcionado é de alta de 0,8%.

Habitação

O estoque das operações de crédito direcionado para habitação no segmento pessoa física cresceu 0,4% em abril ante março, totalizando R$ 697,821 bilhões, informou o Banco Central.

Em 12 meses até abril, o crédito para habitação no segmento pessoa física subiu 5,2%.

Veículos

Já o estoque de operações de crédito livre para compra de veículos por pessoa física avançou 1,3% em abril ante março, para R$ 179,000 bilhões. Em 12 meses, houve alta de 15,1%.

Setores

O saldo de crédito para as empresas do setor de agropecuária caiu 0,8% em abril, para R$ 24,220 bilhões, informou o Banco Central.

Já o saldo para a indústria cedeu 1,6%, para R$ 630,885 bilhões. O montante para o setor de serviços teve baixa de 1,1%, para R$ 744,465 bilhões.

No caso do crédito para pessoa jurídica com sede no exterior e créditos não classificados (outros), o saldo subiu 14,3%, aos R$ 24,284 bilhões.

Concessões

As concessões no crédito livre subiram 2,1% em abril ante março, para R$ 305,3 bilhões, informou o Banco Central. Houve avanço de 11,3% em 12 meses até abril.

No crédito para pessoas físicas, as concessões cresceram 7,2% em abril ante mês anterior, para R$ 174,6 bilhões. Em 12 meses até abril, há alta de 10,5%.

Já no caso de pessoas jurídicas, as concessões caíram 4,1% no mês passado em relação a março, para R$ 130,7 bilhões. Em 12 meses até abril, o avanço é de 12,4%.

BNDES

O saldo de financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para empresas recuou 1,0% em abril ante março, somando R$ 427,624 bilhões, informou o Banco Central. Em 12 meses, a queda acumulada é de 7,6%.

Em abril, houve estabilidade nas linhas de financiamento agroindustrial, baixa de 1,0% no financiamento de investimentos e queda de 3,4% no saldo de capital de giro.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies