Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-10T15:54:10-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
O sonho acabou?

O ‘fracasso’ do bilionário Jorge Paulo Lemann: sonho grande da Kraft Heinz ‘não permanece’

Segundo mais rico do Brasil, bilionário e sócio da 3G capital falou sobre seus maiores erros na trajetória empresarial, o que há de mais importante num negócio e disse que não é mais um “dinossauro apavorado”

6 de julho de 2019
19:11 - atualizado às 15:54
Jorge Paulo Lemann, do fundo 3G, dono da Ambev
"Não sou mais um dinossauro apavorado, mas um dinossauro se mexendo", diz Lemann. - Imagem: Felipe Rau / Estadão Conteúdo

O bilionário Jorge Paulo Lemann, segundo homem mais rico do Brasil, admitiu, neste sábado (06), que teve, no ano passado, um "fracasso na Kraft Heinz", companhia de alimentos da qual é sócio junto com o megainvestidor Warren Buffett.

"Francamente não funcionou bem o que achávamos que ia ser um grande negócio", disse Lemann durante palestra no evento Expert XP, da corretora XP Investimentos, em São Paulo. "Estamos consertando", acrescentou o sócio da empresa de investimentos 3G Capital e dono da AB Inbev.

A apresentação consistiu num bate-papo com Guilherme Benchimol, sócio-fundador da XP Investimentos, com mediação da jornalista Cristiane Correa, autora do livro "Sonho Grande" sobre a trajetória de Lemann e seus sócios Marcel Telles e Beto Sicupira.

Perguntado pela jornalista sobre quais foram as "burradas" com as quais mais aprendeu, Lemann citou talvez não o que considere exatamente "burradas", mas situações em que tomou muito risco e acabou passando um certo calor.

Uma das citadas foi justamente a história da Kraft Heinz. "Realmente tínhamos o sonho grande de construir na área de comida o que fizemos no mercado de cerveja", explicou Lemann. "O sonho grande não permanece, não é mais possível construir algo tão grande como a parte cervejeira na parte de comida, mas há cinco ou seis anos não sabíamos disso. Tentamos e não deu certo. Vamos consertar e tocar para frente, sempre tentando melhorar e construir mais", disse.

No início do ano, a Kraft Heinz divulgou resultados sofríveis para o quarto trimestre de 2018, incluindo baixas contábeis referentes às suas marcas e uma encrenca com a SEC, a CVM americana. Os problemas da companhia estiveram entre os motivos de Lemann ter perdido a liderança no ranking de bilionários brasileiros.

Entre seus outros momentos difíceis durante a trajetória empresarial, Lemann também citou a falência aos 26 anos de idade, a dívida contraída na compra da Anheuser-Busch pela InBev às vésperas do pânico nos mercados ocasionado pela crise de 2008, e a compra da SAB Miller em 2015.

"Estamos devendo US$ 100 bilhões, suando para pagar, mas vamos lá. Vamos sair dessa. A ABInbev vai ser uma empresa muito grande daqui a 30, 40 anos", completou, otimista.

"Não sou mais um dinossauro apavorado, mas um dinossauro se mexendo"

Durante a palestra, Lemann lembrou que recentemente se autointitulou um "dinossauro apavorado". "Eu estava um pouco encastelado, achando que estava tudo bem, e houve alguns incidentes que me mostraram como o mundo está mudando rapidamente", explicou.

"Agora não sou mais um dinossauro apavorado, mas um dinossauro se mexendo", brincou, referindo-se à sua recente movimentação para se atualizar quanto a novas tecnologias.

O "dinossauro" lembrou que investe em três "unicórnios" brasileiros: a empresa de meios de pagamento Stone, a dona de marketplaces para plataformas móveis Movile e a startup de cartões de crédito Brex.

"Só falta entrar como sócio nosso agora, né?", perguntou Benchimol. Em tom de brincadeira (mas talvez com fundo de verdade?), o bilionário respondeu: "Estamos prontos."

Perguntado sobre se a 3G Capital vai investir em negócios de tecnologia, o bilionário respondeu que tem um fundo que já captou US$ 10 bilhões, cuja ideia original era investir em empresas de alimentos, mas que isso "não andou, nem vai andar".

O empresário admite que a área tecnológica é uma possível destino para esses recursos. "Mas nada ainda para acontecer imediatamente", disse.

Sonho grande e cultura

No início da palestra, Lemann e Benchimol falaram sobre as semelhanças nas culturas empresariais das suas respectivas empresas. Para o bilionário, a cultura, a governança e as pessoas são fatores fundamentais na hora de avaliar uma companhia. "Às vezes é mais importante que o negócio", afirmou.

Lemann falou sobre a importância de haver alinhamento de interesses entre sócios e funcionários, a cultura da criação de sociedades e de crescimento dos mais jovens, bem como de ter um sonho grande para o negócio.

Durante a sua fala, Guilherme Benchimol rememorou a história da XP e de como começou seu modelo de sociedade ("partnership"). Num ato falho, o sócio da corretora disse que ofereceu sociedade à então estagiária Ana Clara Sucolotti, que mais tarde se tornaria também sua esposa, dizendo que a meta era se tornar "a maior corretora do mundo". Em seguida, se corrigiu.

"Do Brasil, desculpa. Estou falho aqui agora", disse, rindo.

Mas Lemann interferiu pouco depois: "Eu gostei do 'ser a maior corretora do mundo'. Não gostei da correção depois não. Tem que ser isso mesmo, poxa. Tem que ser o maior do mundo."

Confira a palestra completa no vídeo a seguir:

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies