Menu
2019-08-27T09:35:22-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sem acordo...

Bolsonaro diz que pode voltar atrás e aceitar ajuda de R$ 83 milhões do G-7

A ajuda foi prometida pelos integrantes que participaram da reunião do G-7, o grupo de países mais ricos do mundo, com o objetivo de auxiliar no combate a incêndios na Amazônia

27 de agosto de 2019
9:00 - atualizado às 9:35
Bolsonaro
Imagem: Marcos Corrêa/PR

A polêmica envolvendo a troca de farpas entre os presidentes Jair Bolsonaro e o presidente da França, Emmanuel Macron, pode se intensificar ainda mais. Depois de dizer que rejeitaria a a ajuda de US$ 20 milhões, cerca de R$ 83 milhões, o presidente adotou um tom mais moderado.

Hoje (27) pela manhã, ele falou que poderia reconsiderar decisão, caso o presidente francês, Emmanuel Macron, retirasse insultos contra ele. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

A ajuda foi prometida ontem (26) pelos integrantes que participaram da reunião do G-7, o grupo de países mais ricos do mundo, com o objetivo de auxiliar no combate a incêndios na Amazônia.

A informação veio depois de o presidente francês dizer que não descarta a possibilidade de conferir um status internacional à Amazônia, se os líderes da região tomarem decisões que sejam vistas como prejudiciais ao planeta.

De acordo com os interlocutores próximos de Jair Bolsonaro qualquer anúncio de apoio feito sem diálogo direto com o Brasil deve ser rejeitado.

"Acreditamos que o assunto deve ser encapsulado como uma questão sul-americana, dos países amazônicos, e não como um tema global”, falou um aliado do presidente em entrevista ao Estadão.

A intenção do Planalto é recusar a ajuda capitaneada por Macron, restringindo a cooperação a países da região amazônica e aliados do presidente, como Israel e Estados Unidos.

Segundo os interlocutores, se o presidente francês quiser de fato ajudar, ele terá que falar com Bolsonaro.

Verba seria bem-vinda

Antes da manifestação do Palácio, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a dizer que a verba seria "excelente" e "bem-vinda", mas disse que o país deveria ter autonomia para utilizar o dinheiro como bem entendesse.

“Quem vai decidir como usar recursos para o Brasil é o povo brasileiro e o governo brasileiro”, disse, em um evento em São Paulo.

O ministro cobrou também de países desenvolvidos um crédito de US$ 2,5 bilhões (o equivalente a R$ 10 bilhões) que o país teria, segundo ele, de acordo com os termos do Protocolo de Kyoto.

“Desde 2005, o Brasil tem cerca de 200 milhões de toneladas de gás carbônico em MDL, mecanismo de desenvolvimento limpo, para receber. Pedimos para que os países desenvolvidos, incluindo o G-7, nos ajudem a quitar a fatura.”

O anúncio de Macron

O anúncio da transferência de recursos para preservar a Amazônia teria sido feito pela manhã por dois presidentes: Macron e pelo presidente chileno, Sebastián Piñera.

A ideia era utilizar a verba para enviar aviões com o objetivo de apagar o fogo na região. Além disso, o G-7 estaria elaborando um plano de ajuda a médio prazo destinado ao reflorestamento, que seria apresentado na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) no fim do mês que vem.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies