Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-27T09:35:22-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sem acordo...

Bolsonaro diz que pode voltar atrás e aceitar ajuda de R$ 83 milhões do G-7

A ajuda foi prometida pelos integrantes que participaram da reunião do G-7, o grupo de países mais ricos do mundo, com o objetivo de auxiliar no combate a incêndios na Amazônia

27 de agosto de 2019
9:00 - atualizado às 9:35
Bolsonaro
Imagem: Marcos Corrêa/PR

A polêmica envolvendo a troca de farpas entre os presidentes Jair Bolsonaro e o presidente da França, Emmanuel Macron, pode se intensificar ainda mais. Depois de dizer que rejeitaria a a ajuda de US$ 20 milhões, cerca de R$ 83 milhões, o presidente adotou um tom mais moderado.

Hoje (27) pela manhã, ele falou que poderia reconsiderar decisão, caso o presidente francês, Emmanuel Macron, retirasse insultos contra ele. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

A ajuda foi prometida ontem (26) pelos integrantes que participaram da reunião do G-7, o grupo de países mais ricos do mundo, com o objetivo de auxiliar no combate a incêndios na Amazônia.

A informação veio depois de o presidente francês dizer que não descarta a possibilidade de conferir um status internacional à Amazônia, se os líderes da região tomarem decisões que sejam vistas como prejudiciais ao planeta.

De acordo com os interlocutores próximos de Jair Bolsonaro qualquer anúncio de apoio feito sem diálogo direto com o Brasil deve ser rejeitado.

"Acreditamos que o assunto deve ser encapsulado como uma questão sul-americana, dos países amazônicos, e não como um tema global”, falou um aliado do presidente em entrevista ao Estadão.

A intenção do Planalto é recusar a ajuda capitaneada por Macron, restringindo a cooperação a países da região amazônica e aliados do presidente, como Israel e Estados Unidos.

Segundo os interlocutores, se o presidente francês quiser de fato ajudar, ele terá que falar com Bolsonaro.

Verba seria bem-vinda

Antes da manifestação do Palácio, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a dizer que a verba seria "excelente" e "bem-vinda", mas disse que o país deveria ter autonomia para utilizar o dinheiro como bem entendesse.

“Quem vai decidir como usar recursos para o Brasil é o povo brasileiro e o governo brasileiro”, disse, em um evento em São Paulo.

O ministro cobrou também de países desenvolvidos um crédito de US$ 2,5 bilhões (o equivalente a R$ 10 bilhões) que o país teria, segundo ele, de acordo com os termos do Protocolo de Kyoto.

“Desde 2005, o Brasil tem cerca de 200 milhões de toneladas de gás carbônico em MDL, mecanismo de desenvolvimento limpo, para receber. Pedimos para que os países desenvolvidos, incluindo o G-7, nos ajudem a quitar a fatura.”

O anúncio de Macron

O anúncio da transferência de recursos para preservar a Amazônia teria sido feito pela manhã por dois presidentes: Macron e pelo presidente chileno, Sebastián Piñera.

A ideia era utilizar a verba para enviar aviões com o objetivo de apagar o fogo na região. Além disso, o G-7 estaria elaborando um plano de ajuda a médio prazo destinado ao reflorestamento, que seria apresentado na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) no fim do mês que vem.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Polêmica

Reserva de emergência e aplicações de curto prazo: CDB 100% do CDI pode ser melhor que Tesouro Selic?

Com a Selic mais alta, vale a pena voltar a discutir qual a opção ideal para a reserva de emergência; e, nesse sentido, os CDBs que pagam 100% do CDI com liquidez diária podem sim ser uma boa pedida

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies