🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2019-04-15T14:54:05-03:00
Estadão Conteúdo
bons números?

Investimentos em fundos de índice ETFs quase dobram no País

Apesar do crescimento das aplicações no Brasil, estudos mostram que o mercado local ainda é pequeno na comparação internacional e com a própria indústria brasileira de fundos

15 de abril de 2019
14:50 - atualizado às 14:54
Investimentos; moedas
Imagem: Shutterstock

Os investimentos nos fundos de índice ETFs, carteiras listadas em bolsa que reproduzem ativos, quase dobraram nos últimos 12 meses no Brasil até fevereiro, para R$ 15 bilhões em patrimônio. No início de 2018 eram R$ 8 bilhões e em 2017 estavam em R$ 4,4 bilhões.

Apesar do crescimento das aplicações no Brasil, um estudo da BlackRock, maior gestora de recursos do mundo, e do banco francês BNP Paribas mostra que o mercado local ainda é pequeno na comparação internacional e com a própria indústria brasileira de fundos. Assim, tem potencial de seguir em expansão forte nos próximos anos.

Além disso, os aportes dos brasileiros em ETFs negociados nas bolsas dos Estados Unidos e Europa podem crescer cinco vezes se o País seguir as médias de outras economias latino-americanas, como o México e o Chile.

O mercado de ETF de ações chegou a US$ 3 trilhões em ativos no mundo. Mas os brasileiros estão apenas começando a investir nestes ativos, mostra o estudo. "O Brasil está em um ponto de inflexão no mercado de ETF", destaca o responsável por vendas e serviços na América Latina do BNP, Andrea Cattaneo.

O México é o maior mercado da América Latina para os fundos de índice, de US$ 60 bilhões, isso para uma indústria de gestão de recursos de US$ 350 bilhões, um terço do tamanho da brasileira.

O responsável para a América Latina e Ibéria da BlackRock, Nicolas Gomez, faz um cálculo para mostrar o potencial dos investidores brasileiros aportarem recursos em ETFs lá fora. Ao contrário do México, os brasileiros investem muito pouco no exterior, menos de 2% do total de recursos da indústria de fundos do País. Se esse número subir para 15% ou 20% nos próximos cinco anos, os brasileiros poderiam aportar US$ 200 bilhões lá fora. E se, como é a média da região, 30% desses aportes forem feitos por meio de ETFs, os recursos nessas aplicações somariam US$ 60 bilhões.

"Investidores brasileiros estão apenas começando a investir no exterior", afirma Gomez. Por conta das altas taxas de juros do passado recente no País, além de uma legislação que impede a oferta de fundos estrangeiros aqui, os investidores preferiam investir em ativos locais, principalmente na renda fixa.

"Agora, com a queda dos juros, e mais a depreciação do real, os investidores estão avaliando mais os riscos de seus portfólios, de ter tudo ligado apenas à economia brasileira", disse o executivo. "Estamos em um ponto de inflexão, onde os investidores brasileiros começam a querer diversificar investindo no exterior, expondo a ativos lá fora."

O executivo da BlackRock lembra que os chilenos investem no exterior desde os anos 1980 e os mexicanos, colombianos e peruanos aplicam desde o começo dos anos 2000.

"A diversificação internacional no Brasil ainda está no começo", destaca Gomez. Por isso, o maior crescimento no investimento de ETF deve ser nas carteiras domiciliadas nos Estados Unidos e Europa e que dão exposição internacional ao brasileiro", completa o executivo.

Quando se avalia apenas o mercado local - de ETFs listados na B3 - o Brasil tem um dos mercados mais líquidos da América Latina, observam os executivos. O País tem 16 ETFs listados na B3 e os volumes negociados por dia dessas carteiras chegam a R$ 400 milhões.

Investidores estrangeiros têm vindo aportar nessas carteiras, para ter, por exemplo, exposição ao índice Ibovespa. Cattaneo, do BNP, destaca que o giro hoje é quase três vezes maior do que era em 2017 e duas vezes maior do que em 2018.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa futuro segue exterior e sobe após abertura; dólar cai para R$ 5,40

7 de julho de 2022

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais amanheceram com uma tentativa de recuperação nesta quinta-feira (07). Os investidores acompanham as análises sobre a possível recessão global. A ata da última reunião do Fed injetou certo ânimo no mercado. Por aqui, o Ibovespa acompanha a votação da PEC de bondades. Acompanhe por aqui o que mexe com […]

MAIS UM ADEUS

Crise no Reino Unido: Boris Johnson renuncia como primeiro-ministro; acompanhe

7 de julho de 2022

O premiê britânico permanece no cargo até a escolha de um novo representante e antecipa a escolha do partido

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro em torno de 11% em swing trade com a Marfrig (MRFG3); confira a recomendação

7 de julho de 2022

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Marfrig (MRFG3). Saiba os detalhes

O melhor do Seu Dinheiro

Os mercados financeiros e o benefício da dúvida; confira tudo o que mexe com os seus investimentos nesta quinta-feira

7 de julho de 2022

O medo de uma recessão econômica em escala global está no ar, mas os agentes dos mercados optaram por dar ao Fed o benefício da dúvida

ESTRADA DO FUTURO

Mais coisas estranhas nos investimentos: A Netflix atingiu a maturidade, mas e se estivermos todos errados sobre ela?

7 de julho de 2022

Netflix encontra-se em uma encruzilhada: serviço de streaming precisa reduzir investimentos em novas produções sem perder assinantes – e parece estar diante de uma solução viável

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies