Menu
2019-08-30T09:13:40-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista

Queda recente da bolsa abriu oportunidade de compra para investidor, diz gestor da AZ Quest

Com R$ 19 bilhões em patrimônio, AZ Quest mantém a bolsa como principal aposta em seus fundos, afirma Alexandre Silverio, executivo-chefe de investimentos da gestora

30 de agosto de 2019
5:49 - atualizado às 9:13
Alexandre Silverio, executivo-chefe de investimentos da AZ Quest
Investidor de bolsa vem sofrendo de uma "síndrome de ansiedade", diz Alexandre Silverio - Imagem: Divulgação

Quando questionado sobre seu estilo de gestão, Alexandre Silverio, executivo-chefe de investimentos da AZ Quest, costuma brincar e responder que é um “velho investor” – uma referência ao “value investing” do bilionário Warren Buffett.

Com uma longa estrada no mercado (mas longe de ser velho), Silverio é responsável pela gestão de R$ 19 bilhões em fundos da gestora fundada pelo ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros e que teve o controle vendido em 2015 para a italiana Azimut.

Estive na sede da AZ Quest na quarta-feira para saber qual a visão do experiente gestor sobre a queda recente da bolsa e a disparada do dólar para além do patamar de R$ 4,15. Voltamos a conversar rapidamente ontem por telefone para falar também sobre o resultado do PIB melhor que o esperado no segundo trimestre.

Mesmo com a recuperação desta quinta-feira, o Ibovespa ainda acumula uma baixa de 5% desde a máxima histórica alcançada no dia 10 de julho. Afinal, o ciclo de alta da bolsa está ameaçado?

Para Silverio, houve de fato uma piora recente no cenário externo em razão do acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Trata-se de um risco que precisa ser acompanhado de perto, mas que até agora não mudou as perspectivas favoráveis para a economia brasileira e, principalmente, as empresas listadas na B3.

"A bolsa segue como a nossa principal aposta", afirmou o gestor da AZ Quest, que considera a queda das últimas semanas como uma oportunidade de compra para quem ainda não tem exposição em renda variável.

Essa posição é baseada em duas principais frentes: a perspectiva de retomada da atividade econômica com a agenda de reformas e o novo ciclo de queda de juros, que deve incentivar a migração de recursos que hoje estão na renda fixa.

"Síndrome de ansiedade"

Isso não significa que as ações vão disparar e a economia vai voltar a apresentar altas taxas de crescimento da noite para o dia. Aliás, o investidor de bolsa vem sofrendo do que Silverio chama de "síndrome de ansiedade".

Essa síndrome tem relação com a série de cenários binários que o país enfrenta desde 2016. Primeiro com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, depois com o risco de queda de Michel Temer e no ano passado com o processo eleitoral.

Ao longo do primeiro semestre, o mercado conviveu com outro evento binário: a aprovação ou não da reforma da Previdência. A expectativa era que cada um desses episódios fosse o gatilho para uma retomada da confiança e uma recuperação mais efetiva da economia, o que acabou não acontecendo.

Junto com a ansiedade do investidor local, o noticiário negativo relacionado ao Brasil – agravado nas últimas semanas com as queimadas na Amazônia – em nada contribui para atrair o estrangeiro, segundo o executivo da AZ Quest.

Alívio com PIB

Nesse contexto, a divulgação do resultado do PIB no segundo trimestre ajuda a melhorar o clima, o que explica parte da forte alta de 2,37% da bolsa ontem, segundo Silverio.

Para o gestor, além do crescimento da economia acima do esperado, os números trouxeram melhora em setores importantes. "Cadeias com ciclo longo, como a de construção civil, mostraram que estão vivas e começaram a reagir."

Apesar da surpresa positiva vir em boa hora, a AZ Quest não mudou a expectativa de expansão de 0,8% para a economia neste ano e de 2,5% para 2020.

Ajustes na carteira

A melhora no cenário externo também ajudou a puxar a bolsa no pregão de ontem, ainda que não haja uma indicação clara de que a guerra comercial esteja perto do fim.

O aumento na escalada das tensões entre Estados Unidos e China que chacoalhou os mercados nas últimas semanas levou a AZ Quest a fazer alguns "ajustes finos" na carteira, segundo Silverio.

Na bolsa, a preferência pelas empresas ligadas ao mercado doméstico continua. Mas a gestora aproveitou a queda das ações das produtoras de commodities para aumentar a exposição.

Já nos fundos multimercados, houve uma pequena redução em posições aplicadas na curva de juros. "O cenário deu uma piorada e a moeda andou, então era natural fazer algum ajuste", disse.

Sobre o câmbio, Silverio disse que tem evitado uma maior exposição nos fundos, com exceção de posições específicas para captar alguns exageros no mercado.

Mapa de riscos

E o que faria o "velho investor" mudar de posição em relação às boas perspectivas para o mercado de ações?

Para Silverio, o ciclo de alta da bolsa pode ser ameaçado no caso de uma escalada da guerra comercial que leve a uma freada brusca na economia global.

Por aqui, a síndrome de ansiedade também pode atrapalhar se as medidas da agenda liberal da equipe econômica demorarem muito a se traduzir em retomada da economia.

"O grande risco para a bolsa é que essa ansiedade vire desilusão", afirmou.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies