Menu
2019-09-23T15:17:34-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
na prateleira

Itaú lança mais dois ETFs de renda fixa, que permitem investimento em uma cesta de títulos públicos

Fundos de índice IB5M11 e IRFM11, lançados hoje pelo banco na B3, permitem ao investidor ter acesso a uma cesta de títulos públicos prefixados ou corrigidos pela inflação

23 de setembro de 2019
15:10 - atualizado às 15:17
ETF
Imagem: Shutterstock

A partir desta segunda-feira, 23, o investidor brasileiro tem na prateleira mais duas opções de aplicação em renda fixa - mas que representam um pouco mais de exposição do que a compra de um mero título público no Tesouro Direto. O Itaú Unibanco lançou hoje dois novos fundos de índice (ou ETF, na sigla em inglês) negociados na B3.

Os ETFs são fundos que acompanham índices de mercado. No Brasil, são mais comuns os de renda variável. Servem para quem, ao invés de comprar as ações de uma empresa, prefere adquirir os ativos da carteira do Ibovespa, por exemplo. Com isso, o investidor fica sujeito às variações dos papéis das companhias mais importantes da bolsa. A B3 tem oito ETFs que replicam índices de renda variável.

Algo similar acontece com os ETFs de renda fixa, como esses dois lançamentos do Itaú. No caso, os produtos acompanham índices calculados pela Anbima compostos por uma carteira de títulos públicos.

Itaú e suas duas novas opções

Os dois fundos do Itaú lançados hoje são identificados como IB5M11 e o IRFM11. O primeiro replica a carteira do índice IMA-B5+. Como ele, o investidor tem acesso a uma carteira de títulos públicos indexados à inflação com vencimento igual ou maior do que cinco anos.

Já o segundo replica a carteira do IRF-MP2 de títulos públicos federais pré-fixados (aqueles com taxa de retorno definida no momento da compra). Essa opção representa um pouco menos de risco: o prazo médio é igual ou superior a dois anos.

No primeiro dia de negócios na bolsa, o IB5M11 era negociado em alta de 0,76%, cotado a R$ 93,06, enquanto que o IRFM11 subia 0,05%, a R$ 60,72.

As novas opções de investimento não são os primeiros ETFs com referência em títulos públicos na bolsa brasileira. Em maio, o próprio Itaú lançou o IMAB11 - cesta composta por 13 papéis corrigidos pela inflação (Tesouro IPCA+), de diferentes vencimentos.

Além do Itaú, a corretora Mirae possui um ETF de renda fixa, o FIXA11, que segue um índice formado por contratos de juros com vencimento em três anos.

Menos imposto

Uma das vantagens dos ETFs de renda fixa, como os lançados hoje pelo Itaú, é a tributação. A alíquota de imposto é de 15% sobre o rendimento, independentemente do prazo da aplicação.

Ou seja, a mordida do Leão pode ser menor do que na renda fixa tradicional e no próprio Tesouro Direto, cujo imposto varia de 22,5% a 15% conforme o prazo.

O ETF também não está sujeito à cobrança de IOF no caso de venda das cotas antes de 30 dias nem ao chamado "come-cotas" - tributação semestral que incide sobre as cotas de fundos de investimento.

Custos

A taxa de administração do IB5M11, do Itaú, é de 0,25% ao ano, a mesma cobrada na custódia do Tesouro Direto. Já o IRFM11 é ainda mais baixa: 0,20% ao ano.

Vale lembrar, porém, que a compra e venda de cotas dos ETFs na bolsa está sujeita às taxas de negociação cobradas pelas corretoras. Já a aplicação direta em títulos públicos possui taxa zero na grande maioria das instituições.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies