Menu
2019-10-14T14:29:57-03:00
Luz no fim do túnel

Depois de um ano, credores aprovam plano de recuperação judicial da Abril

Um dos pilares do plano, que ainda precisa ser aprovado pela Justiça, é a venda da revista Exame

27 de agosto de 2019
18:23 - atualizado às 14:29
Editora Abril
Sede da Editora Abril na Marginal Tietê, em São Paulo - Imagem: Onildo Lima/ Divulgação

Em reunião realizada nesta terça-feira, 27, os credores do Grupo Abril, dono de revistas como Exame, Veja e Cláudia, aprovaram o plano de recuperação judicial da companhia. Um dos pilares do plano, que ainda precisa ser aprovado pela Justiça, é a venda da revista Exame.

Segundo apurou o 'Estado', o BTG Pactual estaria interessado no ativo, que deverá ser vendido como uma unidade produtiva independente (UPI) em até quatro meses.

A aprovação do plano veio um ano depois do pedido de recuperação judicial, realizado em 15 de agosto do ano passado. Além da venda da revista de economia e negócios do grupo, a Abril também prevê outras duas vendas de ativos: uma em até 20 meses (a unidade produtiva denominada Marginal Tietê, que inclui o edifício onde funciona a companhia) e outra em até 36 meses (a UPI Campos do Jordão).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A venda da Exame e de imóveis servirá para pagar os credores de menor porte, de até R$ 10 mil. Já as pessoas físicas e jurídicas que têm dívidas de mais de R$ 100 mil a receber tiveram de aceitar um desconto superior a 90% em seus débitos.

Desde 17 de abril, o empresário Fábio Carvalho, que já participou de processos de recuperação judicial relevantes no passado, como o da varejista fluminense Casa & Vídeo, é o novo presidente da Abril. Desde então, ele vem trabalhando para conseguir angariar apoio ao plano de recuperação da empresa, cuja votação foi adiada diversas vezes. Nesta terça-feira, porém, conseguiu aprovação de 92% dos detentores de créditos.

Embora o BTG não comente oficialmente a intenção de compra da Exame, a revista serviria para o banco montar uma plataforma de notícias sobre finanças e negócios no estilo do Infomoney, da XP Investimentos. O BTG inclusive já teria contratado uma executiva para tocar o novo projeto.

Débitos bilionários

As dívidas da companhia, no momento do pedido de recuperação judicial, somavam R$ 1,6 bilhão e eram consideradas "impagáveis" por fontes de mercado. Como seria impossível quitar todos os débitos, o jeito foi firmar um acordo em que credores abrissem mão de recursos em nome da manutenção da viabilidade econômica do negócio.

Como em outras recuperações judiciais, a ideia foi preservar pelo menos a chance de a companhia, no futuro, pagar pelo menos uma pequena parte do que deve.

Carvalho havia anunciado em dezembro de 2018 a compra de 100% do Grupo Abril. Ele pagou um valor simbólico, de R$ 100 mil, pelo negócio que concentra as principais revistas do País.

A reestruturação da companhia teve a participação da Alvarez & Marsal, consultoria especializada em negócios em dificuldades financeiras.

Na época, em entrevista ao 'Estado', Carvalho disse que a Abril ainda não gerava receitas suficientes para pagar suas obrigações, apesar da reestruturação capitaneada pela consultoria americana Alvarez & Marsal ao longo do ano passado.

Para garantir o equilíbrio do negócio no curto prazo, Carvalho disse à época que pretendia injetar R$ 70 milhões em dinheiro novo na Abril, em forma de financiamento do BTG.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

presidente ficou irritado

Assessor do Planalto é afastado por usar avião da FAB

Vicente Santini usou uma aeronave oficial para se deslocar até Nova Délhi, na Índia

Exile on Wall Street

Contágio: e agora, o que fazer?

Medo de uma grande pandemia transmitida rapidamente num mundo globalizado e interconectado encontra representação mitológica tão forte que virou blockbuster em Hollywood

Alívio

Ibovespa abre em alta e recupera parte das baixas de ontem; dólar cai a R$ 4,19

O Ibovespa ensaia uma recuperação após as perdas massivas da sessão passada, apesar de o noticiário referente ao coronavírus continuar inspirando cautela

Nunca vi contexto tão favorável para negócios no Brasil, diz CEO do Magazine Luiza

Frederico Trajano afirmou ter planos “extremamente ambiciosos” para a rede varejista nos próximos anos após oferta de ações de quase R$ 5 bilhões

atento ao cenário

Coronavírus pode reduzir previsão de crescimento, mas é cedo para cravar, diz OMC

Diretor da entidade disse que, por enquanto, há apenas especulação dos economistas apontando revisão para baixo dos números

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Enquanto acompanham o avanço do coronavírus, os investidores olham também para as novidades no mundo corporativo. Os números da Cielo vieram piores do que as expectativas, que já eram bem negativas. A JBS anunciou um negócio bilionário na China. E a união de Embraer e Boeing ganhou o aval do Cade.   O que você precisa saber hoje: […]

segundo agência

Em grave crise econômica, Venezuela avalia privatizar petróleo

Representantes do governo conversaram com diferentes empresas, diz agência; medida abandonaria décadas de monopólio estatal

O que mexe com os negócios hoje

Com coronavírus no radar, mercados ensaiam dia de recuperação

Ontem o dia foi de temor nos mercados, como reflexo da rápida disseminação do coronavírus pelo mundo. Nas primeras horas da manhã tanto as sessões europeias como os índices futuros em Wall Street ensaiavam uma recuperação

bons negócios

JBS faz acordo com empresa chinesa que deve movimentar R$ 3 bilhões

Parceria com WH Group oferecerá portfólio de produtos das marcas Friboi e Seara

agenda oficial

BNDES vai até Brasília explicar ‘caixa-preta’

Comitiva vai dar explicações sobre a auditoria de R$ 48 milhões; estudo não encontrou nenhuma irregularidade no banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements