Menu
2019-01-23T12:52:50-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Entrada de dólares supera saída pela segunda semana seguida

Fluxo cambial ficou positivo em US$ 1 bilhão na terceira semana do ano

23 de janeiro de 2019
12:52
Dolar-nota-barco
Imagem: Shutterstock

A sobra de dólares no mercado cambial brasileiro somou US$ 1,037 bilhão na terceira semana de janeiro, após ingresso de US$ 1,448 bilhão na semana anterior, que marcou o primeiro resultado positivo desde o começo de novembro do ano passado.

No acumulado do ano, a conta é positiva em US$ 1,173 bilhão, sendo formada por ingresso de US$ 1,532 bilhão na conta financeira e uma saída de US$ 359 milhões na conta de comércio exterior.

Em função do comportamento sazonal do mercado era esperada essa entrada de moeda, já que boa parte do fluxo negativo do fim de ano tem relação com questões contábeis e tende a retornar na abertura do ano. Ao longo dos próximos meses também se espera maior contribuição da conta de comércio junto com a intensificação de embarques das safras para o mercado externo.

O acompanhamento do fluxo à vista é algo relevante, mas a formação de preço do dólar ocorre, mesmo, no mercado futuro da B3, pois é lá que os comprados, que ganham com a alta do dólar, e os vendidos, que ganham com a queda da moeda, protegem suas exposições em outros mercados e fazem apostas direcionais na moeda americana.

Na semana passada, o dólar acumulou alta de 1,16%, retomando a linha de R$ 3,75. Nesta semana, o dólar seguiu ganhando fôlego e foi acima de R$ 3,80.

Desde o fim do ano passado, os fundos de investimentos vinham ampliando sua posição vendida em moeda americana, movimento que teve pausa nos últimos dias. Ainda assim, os fundos seguem com expressiva posição vendida de US$ 33,8 bilhões em dólar futuro e cupom cambial (DDI, juro em dólar). São US$ 11,8 bilhões em contratos de dólar e outros US$ 21,9 bilhões em cupom cambial. No fim de 2018, a posição líquida era de US$ 26,5 bilhões.

Na ponta de compra, o estrangeiro segue com estoque comprado de US$ 35,2, sendo US$ 5,9 bilhões em dólar futuro e US$S 29,3 bilhões em Cupom cambial. O não residente tinha fechado o ano comprado em US$ 31,9 bilhões.

Os bancos deixam de ser relevantes nesse mercado, após um firme ajuste de posições iniciado no fim do ano passado. A posição líquida é vendida em apenas US$ 3,2 bilhões, depois de passar de US$ 17 bilhões em meados de dezembro.

Os bancos também carregam uma expressiva posição vendida no mercado à vista, na casa dos US$ 25 bilhões, reflexo do fluxo cambial negativo do fim do ano passado somado às atuações do BC no mercado via leilões de linha com compromisso de recompra.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O melhor do seu dinheiro

O preço do diesel e o cobertor curto

Na briga do presidente Jair Bolsonaro para tentar baixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha no país, não foi só a Petrobras que apanhou. Pode ser que sobre também para os bancos. E na bolsa, as ações das instituições financeiras já sofreram um bocado nesta segunda-feira por causa disso. Tudo ia bem […]

FECHAMENTO

Brasília força Ibovespa a pisar no freio e bolsa quase zera ganhos após avançar mais de 2%; dólar fica estável

No exterior, as bolsas tiveram dias de ganho expressivo, com os mercados repercutindo de forma positiva a aprovação do pacote de estímulos americano e uma nova opção de vacina

Proposta na mesa

Aumento de tributação aos bancos está sendo discutido para compensar a desoneração do diesel

A lógica proposta seria da CSLL subir para compor a compensação dos tributos com o intuito de zerar a tributação do diesel e do gás de cozinha, tendo um custo total de quase R$ 3,6 bilhões.

Concentrado

Foco de Biden é a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão, diz Casa Branca

O texto foi avalizado pela Câmara dos Representantes no fim de semana e ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies