Menu
2019-10-14T14:31:02-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Geração desconectada?

Bilionários, Bill Gates e Elon Musk estão decepcionados com a maneira das pessoas pensarem hoje em dia

Fundador da Microsoft resolveu fazer um alerta pelo Twitter que, no mínimo, vai fazer você repensar sobre seus hábitos de informação

14 de junho de 2019
15:28 - atualizado às 14:31
Bill Gates, fundador da Microsoft, e Elon Musk, CEO da Tesla
Bill Gates, fundador da Microsoft, e Elon Musk, CEO da Tesla - Imagem: Shutterstock

Personalidades de sucesso no mundo dos negócios sempre despertam o interesse de quem investe no mercado financeiro. Afinal, a maneira como eles conduziram seu patrimônio é invejável e há muito o que se aprender com seus passos, não é mesmo?

O magnata Bill Gates, fundador da toda poderosa Microsoft, é um daqueles nomes que por onde passa coleciona seguidores. E nesta semana ele resolveu fazer um alerta que, no mínimo, vai fazer você repensar sobre seus hábitos de informação. Segundo ele, as pessoas estão cada vez mais desconectadas da realidade do mundo, e a culpa disso está na forma como as notícias chegam até elas (na maioria das vezes, distorcidas).

Em uma postagem em sua conta no Twitter, Gates usou como exemplo alguns dados interessantes sobre a população dos Estados Unidos. Haviam quatro colunas: a primeira mostrava as causas de morte nos EUA em 2016, lideradas pela doença cardíaca e câncer - que compreendiam quase 60%.

A coluna seguinte descrevia as pesquisas do Google nos EUA no mesmo ano, e essas mesmas doenças apresentavam resultados diferentes: procuras por câncer correspondiam a 37%, enquanto doença cardíaca levava ínfimos 2%. Na lista também apareciam termos como acidentes de trânsito, derrame, diabetes, pneumonia, suicídio, homicídio e terrorismo.

Mas a grande surpresa estava nas duas últimas colunas da postagem, que mostrava dados sobre a cobertura de dois dos jornais de maior circulação no mundo: o americano The New York Times e o britânico The Guardian. Enquanto o Top 2 de causas de mortes nos EUA ocupavam posições tímidas (câncer com a fatia de 13,5% e doença cardíaca com 2,5%), outros temas como homicídio (22,8%) e terrorismo (35,7%) monopolizavam o noticiário.

A grande crítica de Gates foi exatamente a seleção pouco benéfica de informações que chegam até as pessoas por meio da mídia. Para ele, essa falha é a principal causa da desinformação e dos preconceitos das pessoas.

O tal do medo

O fundador da Microsoft também pareceu frustrado com a maneira que o medo domina nosso pensamento e nossa cobertura de mídia. E nesse tema, ele acabou ganhando um reforço de argumento de mais um dos homens mais ricos do mundo: Elon Musk.

O CEO da Tesla respondeu o tuíte de Gates afirmando que "medo e memes trazem cliques". Traduzindo, a declaração foi mais uma alfinetada no sentido de que, em sua busca por audiência, a mídia apela a recursos extremos na tentativa de atrair a atenção dos leitores.

No meio de tantos alertas, as perguntas que ficam são: qual seria o jeito para reverter esse quadro? Como deixamos de ser atraídos pelo insignificante? Como nos persuadimos a nos concentrar no que é verdadeiramente vital?

Deixo então para você, caro leitor do Seu Dinheiro, fazer uma reflexão sobre esse tema. Deixe nos comentários abaixo a sua opinião a respeito das informações que as pessoas têm recebido ultimamente.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

seu dinheiro na sua noite

Despiorou

Acabou a crise? Nesta quarta-feira, os mercados mantiveram o otimismo dos últimos dias. As bolsas subiram aqui e lá fora, ao mesmo tempo em que o dólar assistiu a mais um dia de alívio, chegando perto dos R$ 5 novamente. Está até difícil entender de onde sai tanto apetite por risco, dado que a pandemia […]

ANÁLISE

Quarentena de pijama? Não, no mundo cripto tem muita coisa rolando

Nas próximas linhas, Helena Margarido vai mostrar a você um mercado que caminha na contramão de todo establishment e permanece com alta demanda em meio à crise atual: a revolução está somente começando.

Ninguém segura

A corrida dos touros: Ibovespa sobe pelo quarto dia e volta aos 93 mil pontos; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve mais um dia de ganhos e chegou ao maior nível desde 6 de março, sustentado pelo otimismo global. O dólar à vista caiu forte, chegando a R$ 5,01 na mínima da sessão

tombo histórico

Abinee reporta queda de 30,3% na produção do setor eletroeletrônico em abril

Essa foi a maior queda verificada na série histórica iniciada no início de 2002, segundo o presidente da entidade, Humberto Barbato

Empresários de comércio e serviços

76% de 400 micro e pequenos empresários esperam queda de faturamento

A pesquisa ouviu empresários dos setores de comércio e serviços. Parcela de 26% dos entrevistados espera recuo de 31% a 50%, enquanto 22% têm expectativa de queda até 30%

Compartilhamento de serviços

Cade nega recurso da Claro e mantém aprovação de operação entre Tim e Telefônica

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) negou recurso apresentado pela Claro contra o aval do órgão a operação de compartilhamento de redes entre a TIM e a Telefônica Brasil

Ajuda financeira

Maia diz ter informação que socorro a Estados e municípios será pago até dia 9

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que a primeira parcela do socorro a Estados e municípios deve ser entregue aos entes até a próxima terça-feira, 9

Em meio ao bom humor global

Tesouro capta US$ 3,5 bilhões no exterior com títulos de dívida de 5 e 10 anos

Mais cedo, o Tesouro informou que tinha concedido mandato para a emissão de dois novos papéis

Fundo Nacional de Aviação Civil

Ajuda aérea: setor de aviação terá acesso a empréstimos de fundo, diz relatório de MP

Uma das previsões de relatório da MP de ajuda ao setor aéreo foi liberar o uso dos recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac) para empréstimos ao setor até 31 de dezembro de 2020

Efeito corona

Com prejuízo de R$ 19 bilhões, venda de dias dos namorados deve cair 33% na pandemia

O prejuízo calculado pode ultrapassar R$ 19 bilhões, mesmo com reabertura de parte das atividades em algumas regiões do Estado de SP, diz Fecomercio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements