Menu
2019-10-12T12:10:10-03:00
Nicolas Gunkel
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) com Nanodegree em Marketing Digital pela Udacity. Foi editor de Redes Sociais e repórter do site Exame, além de repórter no jornal Metro São Paulo.
Mais ricos

Bilionários Bill Gates e Jeff Bezos são os mais ricos de todos os tempos?

Segundo economista, a melhor forma de comparar fortunas historicamente leva em conta a fatia de um bilionário no PIB de seu país. Nesse aspecto, Gates e Bezos são ultrapassados por mais de um nome

31 de agosto de 2019
12:37 - atualizado às 12:10
Bill Gates e Jeff Bezos, atualmente homens mais ricos do mundo
Bill Gates e Jeff Bezos, atualmente homens mais ricos do mundo - Imagem: Shutterstock

Como você define a riqueza dos bilionários? As principais publicadoras de rankings (Forbes e Bloomberg) obedecem a uma série de critérios diferentes.

Se compararmos ambas as listas, os resultados serão bastante próximos. Não há dúvidas, por exemplo, de que o homem mais rico do mundo atualmente é o fundador da Amazon, Jeff Bezos, seguido pelo criador da Microsoft, Bill Gates.

Mas se levarmos essa comparação para a dimensão espaço-tempo, as figuras podem mudar bastante de lugar. Para elencar as pessoas mais ricos de todos os tempos, seria necessário levar em conta o valor da moeda de cada época, a inflação de cada período, o poder de compra e uma série de variáveis. Também não são poucos os economistas que já se aventuraram nessa tarefa, contemplando alguns desses critérios em suas contas.

Apenas para ficar em um exemplo, John D. Rockfeller fez cerca de US$ 1,5 bilhão em sua carreira, de acordo com sua nota de óbito em 1937, no jornal americano New York Times. Em valores atuais corrigidos pela inflação, esse valor seria de US$ 26 bilhões. Mesmo com essa fortuna atualizada, ele sequer estaria no top 10 de bilionários da Forbes atualmente. Parece-lhe uma comparação justa?

Para o economista Samuel Williamson, dono do site measuringworth.com, que oferece uma série de indicadores históricos de riqueza, a resposta é um sonoro não.

O melhor critério para comparar riquezas historicamente, segundo ele, seria a fortuna relativa, isto é, a razão entre o patrimônio de cada bilionário e o produto interno bruto (PIB) de seu país à época.

Essa relação permite medir que parcela de bens e serviços disponíveis em determinado período seria de propriedade de uma única pessoa.

O valor relativo da riqueza

Assim, evita-se uma distorção comum, que diz respeito a um avanço geral do nível de vida da população no decorrer dos séculos.

Ora, de forma resumida, você pode fazer muito mais com o fruto de seu trabalho hoje do que se tivesse nascido, por exemplo, no início do século 20. Afinal, os avanços tecnológicos, a globalização do mercado e os crescentes níveis de especialização permitem que você tenha mais opções de jantar hoje do que a realeza francesa do século 18.

Ou, como gosta de lembrar o bilionário Bill Gates, o tempo semanal médio gasto por uma pessoa para lavar roupas caiu de 11, 5 horas em 1920 para uma hora e meia em 2014.

Isso significa que somos em média 10 vezes mais ricos hoje do que os habitante do século 21? Dependendo do seu critério de avaliação, é possível dizer que sim. Não é à toa que uma série de bilionários dizem que hoje é o melhor momento para se estar vivo.

Mas é justamente para não perder de vista a distribuição de riqueza de cada época que Williamson sugere outra classificação. Nela, John Rockfeller estaria muito à frente de Gates e Bezos, por exemplo. Isso porque o US$ 1,5 bi do magnata do petróleo representava cerca de 1,6% da economia americana em 1937.

Se a mesma proporção fosse aplicada hoje, ele teria nada menos que R$ 331 bilhões, três vezes a riqueza de Bezos, que detém US$ 112 bilhões.

Compare a seguir algumas das maiores fortunas da história, colocadas em perspectiva pela Bloomberg. Vale ressaltar que elas não foram colocadas em ordem e se restringem a alguns nomes selecionados pela publicação.

Jeff Bezos US$ 112 bilhões (nascido em 1964)

O fundador da então desacreditada livraria Amazon é hoje o homem mais rico do mundo. Confira aqui o nosso perfil completo sobre o magnata

Bill Gates - US$ 213 bilhões (nascido em 1955)

Durante o período em que foi o mais rico do planeta, o co-fundador da Microsoft também volta a ultrapassar Jeff Bezos, em valores proporcionais. Quer saber tudo sobre ele? Fizemos um perfil especial sobre ele aqui.

Warren Buffett (US$ 93 bilhões) (1930)

O sócio e gestor da Berkshire Hathaway Inc é conhecido por ser um dos maiores gênios da análise fundamentalista e também por sua frugalidade. Vale a pena conferir o seu perfil completo aqui.

John D. Rockefeller (US$ 331 bilhões) (1839-1937)

O magnata do petróleo ficou conhecido por construir um grande império monopolista com sua Standard Oil Company. É também considerado o primeiro bilionário americano.

Andrew Carnegie (US$ $321 bilhões) (1835-1919)

O industrial do aço é um dos clássicos exemplos de bilionários americanos que saíram do nada para construir uma fortuna. Nesta classificação de fortunas, também não há Bill Gates e Jeff Bezos que o alcancem.

Cornelius Vanderbilt (US$ 238 bilhões) (1794-1877):

Mais um empreendedor americano que construiu sua fortuna com a revolução industrial. Seus bilhões vieram, na maior parte, da marinha mercante e da construção de ferrovias.

John Jacob Astor (US$169 bilhões) (1763-1848)

Se hoje muito se discute a rentabilidade do setor imobilíario, esse bilionário do real state americano teve em sua época mais hotéis e arranha-céus do que qualquer outro nova iorquino.

John Spencer (US$ 53 bilhões) (morreu em 1610)

Comerciante que negociava com a Espanha e a Turquia e se tornou prefeito de Londres.

Leonor da Aquitânia (US$ 25 bilhões) (1122-1204):

Ninguém menos que uma das mulheres mais ricas e poderosas da Idade Média, tendo sido Duquesa da Aquitânia e Condessa de Poitiers. Também foi rainha da França, como esposa de Luís VII.

Alano, o Vermelho (US$ 203 bilhões) (1040-1093)

Britânico primo de Guilherme, o Conquistador, ocupou e se apossou de muitos terrenos após a conquista normanda.

Caio Apuleio Diocles (US$ 28 bilhões) (104 - 146)

Talvez o atleta mais bem pago de toda a história, tornou-se um profissional romano-lusitano no Circo Máximo, em Roma, aos 18 anos e competiu durante 24 anos.

Marcus Licinius Crassus (US$ 210 bi) (c. 115 a.C.- 53 a.C.)

Frequentemente chamado de “O homem mais rico de Roma”, o general político desempenhou um papel fundamental no que foi a transformação da República Romana no Império Romano. Ficou famoso por sua vitória contra a rebelião escrava liderada por Spartacus.

Quer saber mais sobre bilionários? Receba o nosso eBook gratuito com as histórias dos 10 homens mais ricos do mundo aqui.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

fique de olho

Telefônica Brasil paga R$ 630 milhões em juros sobre capital próprio

Valor tem retenção de imposto de renda na fonte, à alíquota de 15%, resultando no montante líquido de R$ 535,5 milhões, com base no balanço patrimonial de 31 de maio de 2021

seu dinheiro na sua noite

A escalada dos juros e o impacto nos seus investimentos

Os horizontes do atual ciclo de escalada dos juros no Brasil já começam a ficar mais claros, assim como os contornos da política monetária americana.  Hoje os investidores trataram de se ajustar aos sinais enviados pelos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos na “Super Quarta” de ontem. O mercado de juros rumou para […]

ampliando o portfólio

JBS conclui a aquisição de empresa de produtos à base de plantas Vivera na Europa

Transação inclui três unidades produtivas e um centro de pesquisa e desenvolvimento localizados na Holanda.

atenção, acionista

Vale anuncia pagamento de dividendos; confira os valores

Segundo a mineradora, será considerada a posição acionária de 23 de junho de 2021; empresa passa por bom momento

retomada

Produção de aço cresce 20,3% de janeiro a maio

De janeiro a maio, as vendas internas foram de 10 milhões de toneladas, o que representa uma alta de 46,4% quando comparada com o apurado em igual período do ano anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies