Menu
2019-11-08T12:19:24-03:00
Nicolas Gunkel
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) com Nanodegree em Marketing Digital pela Udacity. Foi editor de Redes Sociais e repórter do site Exame, além de repórter no jornal Metro São Paulo.
MAGOOU

Bilionários ficam menos ricos pela primeira vez desde 2015

Segundo o banco UBS, muitos bilionários liquidaram posições para garantir uma parcela maior de seu patrimônio em caixa. Previsão é de que 2019 seja um ano melhor

8 de novembro de 2019
10:28 - atualizado às 12:19
Hong Kong, na China
Hong Kong, na China: segundo país com maior número de bilionários - Imagem: Shutterstock

O ano passado não foi um ano especialmente bom para os bilionários de forma geral. Pelo menos é o que aponta um relatório divulgado pelo UBS e pala PwC nesta sexta-feira.

Segundo levantamento realizado pelas instituições, a riqueza dos bilionários pelo planeta caiu 4,3% (equivalente a 388 bilhões de dólares), em 2018, atingindo a soma de 8.539 trilhões de dólares.

É a primeira vez que esse valor cai desde 2015.

As principais razões, como seria de se esperar, foram as tensões geopolíticas e a volatilidade dos mercados de ações. Receosos com o futuro, muitos investidores se protegeram e liquidaram posições para garantir uma parcela maior de seu patrimônio em caixa.

Entre as preocupações dos peixes grandes, estavam a guerra comercial entre EUA e China, o populismo e a mudança climática.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Varrendo bilionários

O impacto foi sentido principalmente na China, segundo país com maior número de bilionários, e que sofreu com a guerra comercial travada com os Estados Unidos, potência que ocupa a primeira posição no ranking.

Em termos percentuais, as fortunas dos chineses mais ricos, medidas em dólares, diminuíram 12,8% em relação a 2017.

Segundo Josef Stadler, diretor da área de grandes fortunas no UBS, a queda dos mercados acionários chineses e a desvalorização da moeda do país foram diretamente responsáveis pela queda.

No ano passado, o crescimento do PIB chinês foi o menor em três décadas, desaceleração que acabou por tirar o status de bilionário de algumas dúzias de pessoas.

Apesar disso, ressalta Stadler, um novo bilionário surge na China em média a cada 2 ou 3 dias.

Bilionários de tênis

Enquanto o número de ultra-ricos caiu mundo afora, na terra do Tio Sam a história foi outra. Os magnatas das gigantes de tecnologia não só garantiram a permanência dos EUA na primeira posição, como viram suas riquezas aumentarem.

Segundo o UBS, o dado mostra a resiliência da economia americana em momentos de turbulência.

A previsão do banco é de que a fortuna dos bilionários volte a crescer em 2019, embora não em ritmo tão acelerado quanto o recente rali dos mercados de ações possa sugerir.

Se você quer conhecer melhor a história dos maiores bilionários do Brasil e do planeta, vale a pena acompanhar a série Rota do Bilhão, do Seu Dinheiro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

bem na praça

Fintechs e corretoras lideram avaliações positivas de clientes

Nota geral mais alta foi da corretora Órama, com 4,64, em uma escala de 0 a 5. Ela foi seguida pelo Nubank (4,37), Banco Inter (4,31), a corretora Mirae (4,22) e o BTG Pactual Digital (4,20)

olho na composição

Ações de companhias elétricas podem equilibrar a carteira de investimentos

Empresas são consideradas mais resistentes a ciclos de baixo crescimento da economia e sentem menos os altos e baixos da Bolsa

sem privilégios

Petrobras pode perder direito de preferência no próximo leilão do pré-sal

Segundo jornal, avaliação é de que esse direito distorce a concorrência e afasta competidores

O que esperar dos mercados?

BCs, Davos e feriados pautam os negócios na semana

Enquanto líderes mundiais viajam para o Fórum Econômico de Davos, os investidores aguardam novidades dos BCs e da atividade doméstica. Feriados diminuem a liquidez dos negócios

dinheiro no caixa

Ânima Educação anuncia oferta de ações que pode movimentar R$ 1 bilhão

Empresa quer recursos para novas aquisições estratégicas e investimentos nas atuais linhas de negócio da companhia

na mesma

China mantém taxas de juros de referência inalteradas pelo 2º mês seguido

Taxa de empréstimos de um ano, que em agosto passou a ser uma taxa principal, permanece em 4,15%

empresário tinha 96 anos

Morre fundador do grupo Queiroz Galvão

Fundador ao lado de seus irmãos Dario, João e Mário em 1953, Antônio ajudou a transformar a pequena construtora de Pernambuco em uma das maiores empreiteiras do País

Seu Dinheiro Premium

Os segredos da bolsa: ações de dois setores têm uma semana intensa pela frente

A agenda econômica doméstica continua no centro das atenções do mercado, mas diversos eventos no exterior podem trazer volatilidade à bolsa

De olho nos desbancarizados

Fintech do Santander, Superdigital quer ser a conta dos MEI e das classes C e D

Banco digital de bancão, a Super dá lucro, cobra tarifa e não se volta para os millenials descolados. Foco são os desbancarizados e, sobretudo, as folhas de pagamento dos grandes empregadores.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements