Menu
2019-04-05T15:50:19-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Dados do BC

Dívida bruta do governo geral sobe a 77,4% do PIB em fevereiro

Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) seguiu em 54,4% do PIB em fevereiro de 2019, atingindo R$ 3,753 trilhõe, mesmo porcentual registrado em janeiro

29 de março de 2019
12:06 - atualizado às 15:50
PIB

A Dívida Bruta do Governo Geral fechou fevereiro aos R$ 5,337 trilhões, o que representa 77,4% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual, divulgado nesta sexta-feira, 29, pelo Banco Central, é superior aos 77,3% do PIB de janeiro. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,54% do PIB.

A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País.

Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) seguiu em 54,4% do PIB em fevereiro de 2019, mesmo porcentual registrado em janeiro. A DLSP atingiu R$ 3,753 trilhões.

Tendência de alta

Ao analisar os dados divulgados, o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, afirmou que a tendência de aumento da dívida pública vai continuar, porque ainda há déficits primários.

Segundo ele, existem três fatores que influenciam a dívida. Primeiro, os juros que servem de indexador. "O que vai ocorrer com os juros daqui para frente, eu não sei. Vai depender do Comitê de Política Monetária (Copom)", pontuou Rocha, lembrando que a Selic (a taxa básica de juros), atualmente em 6,50% ao ano, é um dos principais indexadores da dívida pública.

O segundo fator é a tendência de crescimento da dívida, em função dos recorrentes déficits fiscais. Nos 12 meses até fevereiro, o déficit primário acumulado pelo setor público está em R$ 105,818 bilhões. "A tendência de crescimento da dívida vai continuar, porque ainda temos déficits primários", disse Rocha.

O terceiro fator está ligado ao crescimento do PIB. Na prática, quanto maior o crescimento, menor a proporção da dívida.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Aperto nas contas

Gastos extras vão reduzir ‘folga’ do teto de gastos em 2022, prevê governo

O avanço nas despesas obrigatórias, estimado em R$ 105,2 bilhões, é o que limita o “espaço livre” do governo para novos gastos no próximo ano

Inflação no horizonte

Choque de preços tem causa temporária, mas persistência maior, diz Campos Neto

Em coletiva do RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que os efeitos dos choques de preços têm durado mais que o previsto

De São Roque para o mundo

Aeroporto da JHSF recebe autorização para operar voos internacionais

Com aval das autoridades, São Paulo Catarina se tornará o primeiro aeroporto internacional exclusivamente dedicado à aviação executiva no país

Planos decolando

Eve faz parceria com Blade para disponibilizar eVTOL nos EUA, diz Embraer

A Eve planeja disponibilizar, junto a seus parceiros locais, até 60 aeronaves para uso da Blade pelos EUA a partir de 2026

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies