Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-21T20:11:09-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

Vem dividendo aí! B3 pretende pagar até 150% do lucro de 2019 aos acionistas

Bolsa se beneficiou do ano de forte volatilidade nos mercados e teve lucro líquido de R$ 2,634 bilhões, alta de 26,4% em relação a 2017

21 de fevereiro de 2019
19:55 - atualizado às 20:11
Sede da B3 em São Paulo
Sede da B3 em São Paulo - Imagem: Shutterstock

O ano de forte volatilidade nos mercados com a tensão pré-eleitoral e a greve dos caminhoneiros foi bom para os negócios da B3. A bolsa registrou lucro líquido recorrente de R$ 2,634 bilhões no ano passado, alta de 26,4% em relação a 2017.

O resultado ficou um pouco abaixo da projeção média dos analistas, que apontava para um lucro de R$ 2,721 bilhões, de acordo com a Bloomberg.

Mas os números de 2018 devem ficar em segundo plano em razão de outro anúncio feito pela B3. A companhia planeja distribuir de 120% a 150% do lucro de 2019 aos acionistas. O pagamento pode ser realizado na forma de juros sobre capital próprio, dividendo e recompra de ações.

A bolsa já é uma tradicional boa pagadora de dividendos. Mas a previsão anterior da empresa era de uma distribuição entre 70% e 80% do lucro líquido societário deste ano aos acionistas.

Fazendo uma conta de padeiro com base nas projeções da Bloomberg para o lucro societário da B3 neste ano (R$ 2,660 bilhões), os dividendos que os acionistas da bolsa poderão embolsar podem chegar à casa de R$ 4 bilhões.

No pregão de hoje, as ações da B3 fecharam cotadas a R$ 32,35, em queda de 0,61%. Desde o começo do ano, porém, os papéis acumulam uma valorização de 20,66%, quase o dobro do Ibovespa no mesmo período.

E os números?

A B3 registrou um forte crescimento de 20,6% na receita líquida em 2018, que somou R$ 4,8 bilhões, de acordo com o balanço divulgado hoje à noite.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi ainda melhor, com crescimento de 28,8%, para R$3,4 bilhões.

Com o monopólio na negociação de ações e no registro de títulos de renda fixa no mercado brasileiro após a compra da Cetip, a B3 atingiu uma margem Ebitda de 70,9% no ano passado, acima dos 67,7% em 2017.

Trimestre forte

No quarto trimestre, a B3 registrou lucro de R$ 715 milhões, alta de 12,5%. As receitas da bolsa cresceram em todos os segmentos.

Os negócios na BM&F (derivativos) renderam R$361,9 milhões, alta de 27,4% em relação ao quarto trimestre de 2017.

Na Bovespa, o aumento no volume negociado com ações garantiu uma receita de R$ 458,5 milhões para a B3, alta de 49,7% na comparação com os últimos três meses de 2017.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Ivan Sant'Anna

Bitcoin ou ouro? A verdadeira reserva de valor que você precisa ter entre os seus investimentos

Quando alguém fala em reserva de valor, deve ter em mente que se refere a ativos cotados na moeda do país em que o investidor vive, ganha e gasta.

Polêmica

Reserva de emergência e aplicações de curto prazo: CDB 100% do CDI pode ser melhor que Tesouro Selic?

Com a Selic mais alta, vale a pena voltar a discutir qual a opção ideal para a reserva de emergência; e, nesse sentido, os CDBs que pagam 100% do CDI com liquidez diária podem sim ser uma boa pedida

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies