Menu
2019-01-07T14:43:37-02:00
Estadão Conteúdo
Em crise

Após início promissor, venda de veículos termina o ano em queda na Argentina

Segundo Associação de Concessionárias da Argentina, foram 802 mil unidades vendidas no ano passado; em 2017, os argentinos compraram 900 mil veículos

7 de janeiro de 2019
14:43
Carros empilhados
Carros - Imagem: shutterstock

Principal destino das exportações brasileiras de veículos, o mercado argentino caiu 10,9% em 2018, um ano no qual as vendas no país vizinho foram do céu ao inferno após o estouro de uma crise econômica que acelerou a inflação, desvalorizou a moeda local e fez os juros básicos mais que dobrarem em menos de seis meses, para cerca de 60% ao ano.

Segundo a Acara, a associação de concessionárias da Argentina, foram 802 mil unidades vendidas no ano passado, entre veículos leves e pesados, um resultado frustrante se comparado à projeção de um milhão feita pelo setor em janeiro. O otimismo do início de 2018 foi contaminado pelo recorde de vendas em 2017, quando os argentinos compraram 900 mil veículos.

Os primeiros meses de 2018 chegaram a justificar esse otimismo, dado que a demanda continuou crescendo a taxas interanuais entre 6% e 25%, renovando o recorde do ano anterior. No entanto, em maio, o banco central argentino passou a subir juros seguidamente, para responder à aceleração da inflação e à desvalorização da moeda, resultando em piores condições de crédito para aquisição de veículos.

Com a demanda argentina em queda, as exportações brasileiras também foram afetadas, uma vez que os argentinos compram cerca de 70% dos veículos exportados pelo Brasil. Não por acaso, a Anfavea, associação das montadoras no Brasil, revisou várias vezes para baixo a sua projeção para exportação em 2018. Começou o ano acreditando em um novo recorde e chegou a dezembro projetando queda para algo entre 600 mil e 650 mil unidades - em 2017 foram 700 mil unidades. O resultado definitivo de 2018 será divulgado na terça-feira, 8, pela Anfavea.

Para 2019, as montadoras esperam novo recuo das vendas. Algumas, como a Ford, chegam a falar em queda de 20% a 25%. Acredita-se que a crise de 2018 seguirá ditando o ritmo do mercado pelo menos durante o primeiro semestre de 2019. Alguns executivos mais otimistas apostam que, após o socorro obtido pelo governo argentino com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o mercado pode começar a melhorar no segundo semestre.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

O IPO da Caixa Seguridade vem aí; vale a pena entrar?

Depois de algumas idas e vindas, o já mítico IPO da Caixa Seguridade finalmente vai sair. O processo de abertura de capital da holding de seguros da Caixa Econômica Federal foi paralisado duas vezes no ano passado, mas finalmente será concluído na semana que vem, com a estreia das ações na bolsa. O IPO da […]

plano do ipo

Espaçolaser compra lojas franqueadas em GO e PR por R$ 35,6 milhões

Rede de depilação já detinha opção de compra; no início do mês, companhia anunciou aquisição de outras 18 lojas

FECHAMENTO

Bolsa, dólar e juros terminam o dia no vermelho com repercussão do Orçamento e novo plano Biden

Plano de Biden de aumentar impostos não agradou o mercado e a perspectiva de nova injeção de estímulos puxou para baixo o dólar. Já os juros futuros recuaram de olho na sanção do Orçamento

dança das cadeiras

Carrefour muda alto escalão, em processo de integração com Grupo BIG

Sébastien Durchon deixa o cargo de vice-presidente de finanças e de relações com investidores; executivo ficará à frente do processo de integração com a companhia adquirida

Concorrência pesa

Lucro líquido da Intel despenca 41% no 1º trimestre

Apesar do resultado negativo, a receita da companhia caiu apenas 1% na comparação com os primeiros três meses do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies