Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-01-07T14:43:37-02:00
Estadão Conteúdo
Em crise

Após início promissor, venda de veículos termina o ano em queda na Argentina

Segundo Associação de Concessionárias da Argentina, foram 802 mil unidades vendidas no ano passado; em 2017, os argentinos compraram 900 mil veículos

7 de janeiro de 2019
14:43
Carros empilhados
Carros - Imagem: shutterstock

Principal destino das exportações brasileiras de veículos, o mercado argentino caiu 10,9% em 2018, um ano no qual as vendas no país vizinho foram do céu ao inferno após o estouro de uma crise econômica que acelerou a inflação, desvalorizou a moeda local e fez os juros básicos mais que dobrarem em menos de seis meses, para cerca de 60% ao ano.

Segundo a Acara, a associação de concessionárias da Argentina, foram 802 mil unidades vendidas no ano passado, entre veículos leves e pesados, um resultado frustrante se comparado à projeção de um milhão feita pelo setor em janeiro. O otimismo do início de 2018 foi contaminado pelo recorde de vendas em 2017, quando os argentinos compraram 900 mil veículos.

Os primeiros meses de 2018 chegaram a justificar esse otimismo, dado que a demanda continuou crescendo a taxas interanuais entre 6% e 25%, renovando o recorde do ano anterior. No entanto, em maio, o banco central argentino passou a subir juros seguidamente, para responder à aceleração da inflação e à desvalorização da moeda, resultando em piores condições de crédito para aquisição de veículos.

Com a demanda argentina em queda, as exportações brasileiras também foram afetadas, uma vez que os argentinos compram cerca de 70% dos veículos exportados pelo Brasil. Não por acaso, a Anfavea, associação das montadoras no Brasil, revisou várias vezes para baixo a sua projeção para exportação em 2018. Começou o ano acreditando em um novo recorde e chegou a dezembro projetando queda para algo entre 600 mil e 650 mil unidades - em 2017 foram 700 mil unidades. O resultado definitivo de 2018 será divulgado na terça-feira, 8, pela Anfavea.

Para 2019, as montadoras esperam novo recuo das vendas. Algumas, como a Ford, chegam a falar em queda de 20% a 25%. Acredita-se que a crise de 2018 seguirá ditando o ritmo do mercado pelo menos durante o primeiro semestre de 2019. Alguns executivos mais otimistas apostam que, após o socorro obtido pelo governo argentino com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o mercado pode começar a melhorar no segundo semestre.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Leão faminto

Carga pesada: Impostômetro atinge a marca de R$ 1,5 trilhão

Monitoramento da Associação Comercial de São Paulo mostra que, no ano passado, marca foi atingida somente no dia 28 de setembro

Muita calma nessa hora

Tem Vale Gás? Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Manifestação vem depois que o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que a estatal tem R$ 3 bilhões em reservas para custear ajuda

Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies