Menu
2019-04-20T15:55:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Investimentos

Investidor gosta de liquidez e baixo risco. Pena que só conhece a Poupança

Pesquisa evidencia o longo caminho da educação financeira no país, pois 70% dos brasileiros deixam seu dinheiro em um dos piores tipos de investimento

3 de outubro de 2018
14:44 - atualizado às 15:55
poupanca proibido
Montagem traz placa de trânsito com sinal de proibido - Imagem: Seu Dinheiro

Fazer sobrar algum no fim do mês é tarefa árdua e ninguém discorda disso. Agora, tratar mal o dinheiro é inaceitável. Todos conhecem a máxima “dinheiro não aceita desaforo”, mas parecem se esquecer disso quando o assunto é o próprio bolso.

Praticamente sete em cada dez poupadores/investidores destina seu suado dinheiro à caderneta de poupança. Isso mesmo, 69,3% dos brasileiros que conseguem ter uma sobra no orçamento deixam o dinheiro em uma das piores categorias possíveis de investimento.

Esse é o quadro mostrado por uma pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Lendo o documento tive vontade de começar uma campanha: Para cada real depositado na poupança, um golfinho morre! Será que com esse impacto visual da morte de bichinhos fofos conseguiríamos alguma melhora?

Campanhas e brincadeiras à parte, o documento evidencia a urgência e o longo caminho que temos de percorrer em termos de educação financeira para toda a população, independentemente de classe social, escolaridade e idade, pois entre os mais jovem a poupança também é preferência entre 60,7%.

Seguindo na alocação dos recursos que sobram, 17% deixam o dinheiro na conta corrente, outros 17% guardam dinheiro em casa. 12% investem em fundos de previdência e o mesmo percentual em fundos de investimento. O Tesouro Direto é opção para apenas 9%, seguido pelo CDB, também com 9%. Imóveis, terrenos e lotes têm os mesmos 5% de preferência que a bolsa de valores. Percentual também destinado às LCIs e LCAs. Dólar fica com 4% e ouro 1%.

O que leva as pessoas a guardar dinheiro embaixo do colchão? Segundo a pesquisa, 60,8% dos consumidores que agem dessa forma alegam que podem utilizar os recursos no momento em que precisarem. Outros 28,9% acreditam que por ser pouco o valor, não valeria a pena colocá-lo no banco. E 18,7% pensam que é mais seguro.

Meu dinheiro aqui e agora

Essa preferência pela poupança conversa com outro dado da pesquisa. Na hora de escolher o tipo de investimento, 55% dos brasileiros que investem priorizam aplicações consideradas fáceis de resgatar e de baixo risco (52%).

Outros fatores citados por quem investe na poupança foram:

  • a facilidade de compreensão (51%);
  • não exigir tanta burocracia na hora de aplicar (50%);
  • poder iniciar o investimento com aporte inicial baixo (38%);
  • previsibilidade de retorno (38%);
  • custos e taxas (37%).
  • O Tesouro Direto e alguns fundos oferecem exatamente isso, mas apesar do crescimento nos últimos anos e das campanhas publicitárias pouca gente ainda sabe da existência dessas opções.

Seria a forma como o poupador (não) se informa?

Entre os brasileiros que investem suas reservas, a pesquisa mostra que 69,9% não têm o hábito buscar orientações que ajudem a tomar decisões sobre como investir. Apenas 30% têm o hábito de sempre buscar orientação sobre como e onde guardar seu dinheiro.

Desse grupo que não se informa, 69,6% escolhem as modalidades mais conhecidas de reserva financeira, enquanto 18,7% decidem sozinhos, com base na sua experiência e conhecimento e 9,6% delegam para terceiros. Percentual que aumenta para 22,2% na classe A/B.

“Por medo ou receio de agirem contra o que faz a maioria, muitos investidores escolhem a caderneta de poupança. Além disto, também pode atuar sobre estas pessoas o chamado ‘viés do status quo’ que pode provocar inércia e passividade, de maneira que muitos se prendem a escolhas tradicionais e pouco eficazes, ao invés de se informarem e buscarem melhores soluções de investimento”, diz o estudo.

Ou seria mesmo com quem ele se informa?

Entre os que que procuram orientação para decisões de como e onde investir, 53,4% consultam o gerente de banco. Percentual que aumenta para 74,1% entre os mais velhos e 70,7% na classe A/B.

Incentivos importam e apesar dos avanços, o modelo ainda vigente nos grandes bancos não prima pela oferta da melhor relação risco/retorno ao investidor. E estou sendo generoso, pois há casos que beiram a ilegalidade, como oferecer plano de previdência para um senhor de 80 anos (caso do meu avô) e operações compromissadas e planos de capitalização (vi isso acontecer com minha mãe e amigos).

Há um esforço das instituições tradicionais em informar melhor o correntista sobre produtos de investimento. E até iniciativas de redução de custo (o tal efeito XP). Mas a questão dos incentivos creio ainda precisa ser resolvida. Enquanto tiver a cultura de produto e meta, a inexperiência do cliente é a alegria do gerente.

A pesquisa, por outro lado, mostra a força da internet como fonte de informação. Os canais online foram citados por 44,6%, percentual que sobe a 63,1% entre os mais jovens. Os mais procurados são os sites especializados em educação financeira (50,7%), os sites de bancos (50,4%), os youtubers e influenciadores digitais (44,2%) e os sites de consultorias de investimentos e corretoras (29%).

Com se processa a escolha do investimento?

via GIPHY

As justificativas para optar pela caderneta de poupança passam pela facilidade de sacar/ resgatar o dinheiro quando necessário (55,6%) e o fato de ser uma opção mais familiar (31,8%).

No caso da previdência privada, pesam a indicação do gerente do banco ou outros profissionais de investimento (49,7%) e a facilidade de sacar/resgatar o dinheiro quando necessário (19,2%).

A escolha dos fundos de investimento passa pela indicação do gerente do banco ou outros profissionais de investimento (51,6%) e pela possibilidade de poder ganhar mais ou ter alto retorno financeiro, mesmo correndo um pouco mais de risco (31,3%).

Para aqueles que decidem investir no Tesouro Direto, as justificativas envolvem a facilidade de sacar/resgatar o dinheiro quando necessário (40%) e a pesquisa feita em sites especializados ou sites de notícias na internet (35,5%).

Os investidores do CDB escolhem esta modalidade em virtude da indicação de profissionais (51,4%) e devido à facilidade de sacar o dinheiro quando necessário (28,7%).

Finalmente, quem opta pelo mercado de ações garante que a escolha se deve, principalmente, à possibilidade de ganhar mais, mesmo correndo riscos (55,2%) e à indicação de profissionais (28,9%).

Uma necessária mudança de costumes

Além de se informar pouco ou não se informar, a pesquisa mostra que, 60% dos investidores fazem sempre o mesmo tipo de aplicação. E 24% costumam copiar investimentos que as outras pessoas fazem, sem verificar se é o mais indicador para sua situação. As aplicações mais rejeitadas são criptomoedas (33%) e debêntures (28%).

Para o superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores (SOI) da CVM, José Alexandre Vasco, a escolha da melhor modalidade deve resultar de uma análise cuidadosa e informada do investidor.

“Novos ativos e promessas de alta rentabilidade atraem a atenção do investidor, mas é importante que seja analisado se o produto é adequado aos objetivos do cliente, se sua situação financeira é compatível com o investimento e, principalmente, se ele tem o conhecimento necessário para compreender os riscos envolvidos”, afirmou Vasco em comunicado.

Canais de investimento

Entre aqueles que possuem reserva financeira, 70% investem diretamente na agência bancária, 36,1% utilizam o computador (desktop) e 28% se valem de aplicativos de celular (38,3% entre os mais jovens).

A questão da renda

Dos pesquisados, apenas 37,6% informaram o valor de seus investimentos, sendo que 17,2% guardam até R$ 500, com destaque nas classes C, D e E (20,7%) e 8,1% até R$ 5 mil.

Em outra questão, seis de cada dez brasileiros com reservas financeira tiveram de dispor de seus recursos nos últimos três meses (fatia que aumenta para 69,2% na Classe C/D/E), sendo que 21,7% precisaram usar por causa de um imprevisto, 16,6% para pagar dívidas, 12,7% para realizar uma compra e 12,1% para conseguir fechar as contas do mês.

 

A pesquisa abrange 12 capitais das cinco regiões brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. Juntas, essas cidades somam aproximadamente 80% da população residente nas capitais. A amostra, de 680 casos, foi composta por pessoas com idade superior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,8 pontos percentuais a uma margem de confiança de 95%.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies