Menu
2019-04-07T14:24:41+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Após três meses

Governo Bolsonaro é desaprovado por 30% da população, diz Datafolha

Outros 33% classificaram a gestão como “regular”; 32% avaliaram como “ótima ou boa”

7 de abril de 2019
10:19 - atualizado às 14:24
Jair Bolsonaro, presidente da República
Segundo o Datafolha, é o pior início de gestão para um presidente em primeiro mandato desde a redemocratização - Imagem: Flickr/Palácio do Planalto

Após três meses de governo, Jair Bolsonaro tem a pior avaliação entre os presidentes eleitos para um primeiro mandato desde o fim do regime militar, de acordo com levantamento Datafolha. As informações foram divulgadas neste domingo pelo jornal Folha de S. Paulo.

A pesquisa, feita com 2.086 pessoas em 130 municípios, indica que 30% da população considera o governo de Bolsonaro como "ruim ou péssimo". 33% classificaram o presidente como "regular", e outros 32% como "ótimo ou bom" — 4% não souberam opinar. O levantamento tem margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Segundo o Datafolha, tais índices são os piores para um presidente em primeiro mandato desde a redemocratização, em 1985. Após três meses no poder, Fernando Collor era avaliado como "ótimo ou bom" por 36% dos brasileiros, enquanto outros 19% consideravam-no "ruim ou péssimo".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Fernando Henrique Cardoso, em 1995, chegou a 39% de aprovação após o primeiro trimestre de governo, com 16% de desaprovação. O governo Lula, em 2003, era classificado como "ótimo ou bom" por 43% da população após os primeiros três meses de mandato, com 10% de avaliações "ruim ou péssimo".

Por fim, o início da gestão Dilma Rousseff em 2011 foi o que obteve as melhores avaliações entre os presidentes em primeiro mandato. De acordo com o Datafolha, 47% dos brasileiros consideravam a petista como "ótima ou boa" no primeiro trimestre do governo, contra apenas 7% de "ruim ou péssima".

Na última sexta-feira, um levantamento XP/Ipespe mostrou queda na taxa de aprovação do governo Bolsonaro. O percentual de entrevistas que considera a gestão atual como "ótima ou boa" caiu de 37% para 35%, dentro da margem de erro, mas abaixo dos 40% vistos nas pesquisas feitas em janeiro e fevereiro.

Expectativa

O Datafolha também questionou os entrevistados a respeito das expectativas em relação ao governo Bolsonaro. 59% disseram acreditar que atual gestão fará um governo "ótimo ou bom", abaixo dos 65% registrados antes da posse.

O levantamento publicado hoje pela Folha de S. Paulo também mostra que 16% da população tem hoje uma perspectiva "regular" para a atual gestão, ante 17% antes do início do governo. Por fim, 23% afirmaram ter expectativa "ruim ou péssima" — antes da posse, esse índice era de 12%.

Mourão

A pesquisa Datafolha ainda mostra que o vice-presidente Hamilton Mourão possui reprovação menor que a de Bolsonaro, passados três meses de governo.

Segundo os resultados publicados pela Folha de S. Paulo, 18% dos entrevistados consideraram Mourão "ruim ou péssimo". Outros 32% avaliaram o vice-presidente como "regular", mesmo índice de pessoas que o classificaram como "ótimo ou bom". No entanto, 59% dos entrevistados não souberam dizer quem era o vice-presidente da República. Somente 37% acertaram o nome dele, enquanto 4% erraram o nome de Mourão.

Resposta do presidente

No Twitter, o presidente Jair Bolsonaro manifestou-se a respeito dos resultados da pesquisa Datafolha:

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

AIRBNB

“Não vamos aceitar alegações de concorrência desleal”, diz Leonardo Tristão

No ano passado, o impacto econômico do serviço – que inclui refeições, passeios e outros gastos que os turistas fazem além da hospedagem – foi de R$7,7 bilhões, alta de 92% em relação a 2017

SÃO OS NEGÓCIOS

Influenciadores dão “jeitinho” após fim da contagem de curtidas no Instagram

A rede começou a esconder o número de curtidas em fotos no Brasil. Agora, cada pessoa só acessa os próprios números – uma forma, diz o Instagram, de reduzir o impacto à saúde mental

A FONTE DO PROBLEMA

“Desigualdade tem de ser combatida no imposto de renda”, diz Orair

No primeiro trimestre deste ano, a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros atingiu seu maior nível em pelo menos sete anos

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements