Menu
2019-12-02T07:00:47-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado renova esperanças no mês do Natal

Último mês do ano começa com esperanças renovadas em torno de acordo comercial entre EUA e China capaz de evitar novas tarifas no dia 15

2 de dezembro de 2019
5:35 - atualizado às 7:00
pedidodenatal
Agenda da semana traz dados econômicos que lançam luz sobre cenário em 2020

Dezembro começa com expectativas elevadas no mercado financeiro por um acordo comercial entre Estados Unidos e China, apesar da tensão envolvendo Hong Kong. A esperança dos investidores é de que os termos da primeira fase sejam assinados antes do dia 15 e evitem uma nova rodada de tarifas norte-americanas contra produtos chineses.

Porém, mais do que a suspensão dessa taxação, que irá atingir em cheio itens das listas de compras de Natal, Pequim também quer a reversão total das sobretaxas já em curso, dos dois lados. Do contrário, a segunda maior economia do mundo pode estender as negociações, uma vez que a atividade do país vem mostrando resiliência.

Divulgados ontem, dados sobre a indústria na China surpreenderam ao mostrar aceleração da atividade em novembro. O índice oficial dos gerentes de compras (PMI) subiu a 50,2, de 49,3 em outubro, ficando acima da linha divisória de 50, que indica expansão da atividade, pela primeira vez desde abril. A previsão era de alta a 49,5.

O dado privado, calculado pelo Caixin, também mostrou expansão da atividade pelo quarto mês seguido em novembro, indo a 51,8, de 51,7 em outubro. Os números mostram aquecimento da demanda por produtos chineses, com os pedidos de novas exportações tendo a primeira alta mensal em mais de um ano.

Estabilidade

Mas ainda é cedo para dizer que a economia chinesa está se recuperando - no máximo, se estabilizando. O crescimento do país perdeu força em 2019 devido a fatores estruturais, cíclicos e externos, mas ainda se espera uma expansão em torno de 6% em 2020. Para tanto, é preciso chegar a um consenso com os EUA, eliminando o impacto das tarifas na economia real.

Porém, os investidores ainda mostram cautela com o noticiário sobre a guerra comercial, diante da insistência da China em uma reversão das tarifas dos EUA como parte do acordo de primeira fase. Além disso, há o receio de que a escalada da tensão sobre Hong Kong atrase a assinatura de um termo provisório, mantendo vários pontos de discórdia.

Tanto que, em reação, as bolsas da Ásia não conseguiram sustentar os ganhos, na esteira da inesperada melhora na atividade industrial chinesa em novembro. Apenas Tóquio teve alta firme (+1%), enquanto Hong Kong fechou no positivo (+0,4%), apesar de mais um fim de semana violento entre a polícia e manifestantes. Xangai ficou estável.

Já no Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no positivo, ao passo que as principais bolsas europeias têm oscilações laterais na abertura do pregão. Entre as moedas, o dólar exibe um desempenho misto, perdendo terreno para as divisas europeias e o xará australiano. O petróleo, por sua vez, sobe 1,5%, enquanto o ouro cai.

Guedes e o AI-5

Enquanto lá fora o receio é com a desaceleração da economia; aqui, a preocupação continua sendo com o risco de contágio da turbulência na América Latina. Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, a “confusão” em vários países da região prejudicou o timing para a aprovação de outras reformas, como a administrativa.

Apesar de não haver nenhuma grande manifestação no país contra o governo Bolsonaro e suas políticas, Guedes afirma que o ambiente político mudou, diante da “bagunça” e “desordem” em países latinos como o Chile, com a agenda de reformas podendo servir de pretexto “pro sujeito fazer quebra-quebra na rua”.

O ministro, então, voltou a justificar as recentes menções feitas por ele sobre um "novo" AI-5 (Ato Institucional nº 5), como resposta a uma suposta radicalização de protestos de rua no país, em defesa da democracia. Segundo ele, a fala era para que se evitasse a desordem, pois “tem gente chamando” atos para “quebrar tudo”.

O que vem por aí...

Nos próximos dias, serão conhecidos dados econômicos relevantes no Brasil e no mundo capazes de lançar luz sobre sobre a saúde da economia global na virada para 2020. O destaque lá fora fica com os números sobre o emprego nos EUA, enquanto aqui o foco se divide entre PIB e IPCA. Para saber mais, leia na edição semanal d’A Bula do Mercado.

Já nesta segunda-feira, a semana começa com as tradicionais publicações do dia no Brasil, a saber, a Pesquisa Focus (8h25) do Banco Central e os dados da balança comercial em novembro (15h). No exterior, saem hoje índices PMI e ISM sobre a atividade industrial em novembro na zona do euro e nos EUA, respectivamente.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

a conta do benefício

Gigantes do Vale Silício deixam de pagar US$ 100 bilhões em impostos em uma década

Seis das principais empresas do Vale do Silício têm se beneficiado de estruturas governamentais ainda não preparadas para lidar com os serviços oferecidos por elas. Amazon, Facebook, Google, Netflix, Apple e Microsoft — cujo valor de mercado somado é de R$ 4,5 trilhões — deixaram de pagar ao menos de US$ 100,2 bilhões em impostos […]

OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W, após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

Vitreo zera taxa de performance de fundos para investir no IPO da XP

Com a decisão, a Vitreo se tornou, na minha opinião, a melhor forma de você investir nas ações da XP. Resta agora saber se a gestora conseguirá participar da oferta, que acontece na bolsa norte-americana Nasdaq

banco central americano

Ex-presidente do Fed, Paul Volcker morre aos 92 anos

Volcker foi presidente do Fed entre 1979 e 1987 e, antes disso, havia comandado o a distrital do Fed de Nova York

Credit Suisse recomenda compra de ação do BMG após queda de 28% desde IPO

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO – iniciaram a cobertura das ações do BMG com preço-alvo de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50%

de olho no dólar

Fundo Verde vê medo do câmbio como infundado, mas zera posição vendida em dólar

Em novembro o fundo teve um retorno zerado e abaixo do CDI, que teve um desempenho de 0,38%. No acumulado do ano o Verde ainda tem um desempenho de 11,19%, acima dos 5,57% do índice de referência

Mercados hoje

Ibovespa tem leve alta e dá continuidade ao rali dos últimos dias; dólar fica estável

O Ibovespa abriu o pregão desta segunda-feira em alta, dando continuidade aos ganhos da semana passada. O dólar à vista oscila perto do zero a zero, com um leve viés negativo.

hora do planejamento

Após reforma da Previdência, brasileiro revê hábitos de poupança

Pesquisa encomendada pelo C6 Bank ao Ibope Inteligência mostra que 33% das pessoas com acesso à internet afirmam ter mudado seus hábitos de poupança

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

As taxas do Tesouro Direto abriram em alta nesta sexta-feira (6). O Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) é negociado com taxa de 2,26% ao ano mais IPCA, por um valor mínimo de R$ 58,64. O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) é negociado com taxa de 3,51% ao ano mais IPCA e aplicação mínima […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements