Menu
2019-11-18T18:46:36-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

18 de novembro de 2019
17:18 - atualizado às 18:46
BMG

Depois de abrir capital na bolsa no fim de outubro, o banco BMG (BMGB11) decepcionou o mercado no primeiro pregão após a divulgação de seus resultados na última quinta-feira (14).

As units do BMG (BMGB11) terminaram esta segunda-feira cotadas em R$ 43,39, uma queda de 3,58%. No mês, os papéis do banco apresentam contração de 1,16%.

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram.

Em nota enviada a clientes, eles ainda pontuaram que o resultado antes de impostos foi mais fraco, porém disseram que a margem financeira líquida cresceu fortemente na comparação trimestre contra trimestre.

Números do balanço

De acordo com os resultados apresentados na última quinta-feira(14), o lucro líquido do BMG chegou a R$ 66 milhões no terceiro trimestre, o que representa um aumento de 20% em relação ao mesmo período do ano passado.

O lucro recorrente entre julho e setembro terminou o período em R$ 88 milhões, uma expansão de 14,2%. Em nove meses, o banco acumula lucro de R$ 205 milhões, montante que é 56,4% maior do que os ganhos registrados no ano passado.

O retorno sobre patrimônio líquido médio recorrente (ROAE) fechou o terceiro trimestre em 14,6%, o que representa uma alta de 1,5 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano passado. Para o cálculo, foram excluídos os efeitos do ágio.

O BMG fechou setembro com ativos totais em R$ 18,045 bilhões, um crescimento de 6,4% na comparação anual.

O patrimônio líquido, por sua vez, chegou a R$ 2,73 bilhões e mostrou uma estabilização em relação aos R$ 2,76 bilhões reportados um ano antes.

Crédito

A carteira de crédito terminou o trimestre em R$ 10,814 bilhões, avanço de 16,7% em 12 meses e de 5,3% em três meses.

A inadimplência com mais de 90 dias caiu em 12 meses, de 3,9% em setembro do ano passado para 3,5% este ano.

Porém, houve aumento em relação a junho, quando os atrasos representavam percentual menor de 3,3% da carteira.

A margem financeira ajustada do custo do crédito, por sua vez, ficou em R$ 474 milhões no terceiro trimestre, o que representa uma expansão de 19,3% ante o mesmo período do ano passado.

A alta é reflexo no crescimento da carteira de varejo, que atuou especialmente no financiamento do consumo por meio do oferecimento de cartão de crédito e empréstimo consignado, além de crédito pessoal.

No terceiro trimestre deste ano, a carteira de varejo atingiu R$ 9,03 milhões. Com isso, tal indicador teve um crescimento de 19% ante o mesmo período de 2018.

De olho no IPO

Na abertura de capital do banco, o BMG captou R$ 1,6 bilhão. O preço por ação da instituição foi definido em R$ 11,60 no IPO, em uma faixa que variou até os R$ 13,40.

O banco registrou o lote principal e suplementar, mas não o adicional – um sinal de que a demanda pelas ações não foi lá grandes coisas.

Em sua justificativa, o BMG disse que a maior parte do dinheiro do IPO vai para o caixa do banco, que pretende usar os recursos em novos produtos e investir nas linhas já existentes. O BMG estreou no pregão da B3 avaliado em R$ 7 bilhões.

Segundo o que ficou estabelecido em seu prospecto, os investidores que participaram da oferta receberam inicialmente recibos de ações do tipo units (BMGB11), que serão convertidos depois em papéis preferenciais (BMGB4) após a homologação do aumento de capital pelo Banco Central.

A oferta foi coordenada pela XP Investimentos, Itaú BBA, Credit Suisse, Brasil Plural e BB-Banco de Investimento.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Atenção, acionistas

Itaúsa e Bradesco anunciam pagamento de juros sobre capital próprio para seus acionistas

O pagamento de JCP também é uma forma de distribuir lucros, mas em vez de terem um benefício tributário para os acionistas, como ocorre com os dividendos, os Juros sobre Capital Próprio beneficiam a empresa

DE OLHO NO SERVIÇO PÚBLICO

Reforma administrativa é no sentido de valorização do quadro atual, diz Guedes

Ele defende que a estabilidade não seja automática, mas conquistada pelo servidor após anos de boas avaliações no trabalho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

É pra sorrir ou pra chorar?

A bolsa teve hoje um dia bastante parado, terminando o pregão praticamente no zero a zero. Nesse marasmo do mercado – que ainda contou com um alívio para a cotação do dólar – um papel se destacou no Ibovespa: as ações da Smiles dispararam quase 20%. Só que isso não quer dizer, necessariamente, que o acionista da […]

Poucas emoções

Num dia morno, o Ibovespa caiu e perdeu os 111 mil pontos; dólar recua a R$ 4,12

O Ibovespa cedeu a um leve movimento de correção e fechou em baixa, interrompendo a sequência de cinco altas consecutivas. Já o dólar à vista teve uma nova sessão de alívio, chegando à mínima em um mês.

MAIOR OTIMISMO COM PIB

Para Abimaq, PIB deve crescer 2,5% no próximo ano

A indústria, de uma maneira geral, de acordo com o executivo, vai crescer de 3,5% a 5%, focada muito no mercado interno

QUEDA À VISTA?

Bolsonaro sobre carne: Estamos na entressafra e preço vai diminuir

Bolsonaro disse que está levando “pancada” pelo preço da carne. “Muitos falam, nas redes sociais, que tem de ter tabelamento. Na Venezuela está tudo tabelado: vai lá comprar carne”, disse o presidente

DE OLHO NO CHURRASCO

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV

Em meio ao aumento das exportações para a China por causa do impacto da peste suína africana (PSA) naquele país, a inflação das carnes foi destaque na aceleração, tanto no atacado quanto no varejo

Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

a conta do benefício

Gigantes do Vale Silício deixam de pagar US$ 100 bilhões em impostos em uma década

Seis das principais empresas do Vale do Silício têm se beneficiado de estruturas governamentais ainda não preparadas para lidar com os serviços oferecidos por elas. Amazon, Facebook, Google, Netflix, Apple e Microsoft — cujo valor de mercado somado é de R$ 4,5 trilhões — deixaram de pagar ao menos de US$ 100,2 bilhões em impostos […]

OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements