🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Ricardo Gozzi
MEMÓRIA (DO) REAL

Nos 30 anos do Plano Real, Pedro Malan relata como o Brasil venceu a “marcha da insensatez”

Em evento em SP, Malan revelou bastidores da formação da equipe econômica responsável pela criação do Plano Real

Ricardo Gozzi
24 de junho de 2024
6:24 - atualizado às 11:19
Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda
Pedro Malan fala sobre o Plano Real no MKBR24. - Imagem: Divulgação

O brasileiro é frequentemente acusado de ser um povo sem memória. No que depender do economista Pedro Malan, essa premissa está longe de ser verdadeira. Aos 81 anos, o ex-ministro da Fazenda esbanja uma memória invejável ao falar sobre o Plano Real.

Um dos protagonistas na concepção e execução do plano, Malan fez uma minuciosa retrospectiva dos meses que antecederam a introdução da nova moeda e das medidas sem as quais o Brasil dificilmente deixaria para trás a hiperinflação.

Foi por pouco, inclusive, que o Plano Real não foi pelo ralo na véspera de seu lançamento — conforme relato feito pelo ex-banqueiro central Gustavo Franco no mesmo evento.

A reportagem do Seu Dinheiro acompanhou a participação de ambos no MKBR24, realizado no início de junho, bem como o lançamento do livro “30 Anos do Real — Crônicas no Calor do Momento”, com artigos escritos por Malan, Franco e pelo também economista Edmar Bacha.

As memórias de Malan sobre o Plano Real

Pedro Malan não esconde o gosto por falar da história e resgatar as memórias dos tempos de ministro.

“A história é um infindável diálogo entre o passado e o futuro”, afirma ele.

E isso serve para contar a história de uma pessoa, de um país ou até mesmo do mundo como o conhecemos.

A marcha da insensatez

Aos presentes no MKBR24, muitos dos quais jovens sem memória do período, Malan falou sobre a “marcha da insensatez”.

Era o modo como economistas e a mídia muitas vezes se referiam ao período entre o fim dos anos 1960 e o início dos anos 1990, durante o qual o Brasil ostentou inconteste o infame título de campeão mundial de inflação.

O programa de ação imediata, que continha as diretrizes sobre os primeiros passos do Plano Real, destacava o fato de que, naquele início de 1994, somente outros três países no mundo registravam inflação anualizada acima dos 1.000%.

Eram eles Congo, Rússia e Ucrânia — todos em situação social mais crítica que o Brasil naquele momento.

Enquanto a Rússia e a Ucrânia reerguiam-se dos escombros da dissolução da União Soviética, o Congo estava imerso em uma sangrenta guerra civil.

Inflação Voldemort

Por aqui, porém, a “marcha da insensatez” fez a alta dos preços partir de taxas moderadas no fim dos anos 1960 para se transformar em inflação galopante em meados da década de 1980 e, em sua fase mais crítica, em uma hiperinflação aparentemente incontornável.

“As pessoas tinham até medo de pronunciar a palavra hiperinflação”, disse Gustavo Franco em um momento do painel.

Nem ele nem Malan fizeram o paralelo com o vilão de Harry Potter, mas havia quem preferisse não chamar o monstro pelo nome. Talvez para não invocá-lo.

De qualquer modo, essas superstições pareciam não integrar o repertório dos economistas do Plano Real.

Não fosse assim, Malan talvez tivesse recusado o convite do então ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso para assumir o Banco Central, feito em uma sexta-feira, 13 de agosto (de 1993).

De onde vieram os pais do Plano Real

Ao longo das últimas três décadas, muito se discutiu sobre a paternidade do Plano Real.

Politicamente, quem colheu a maior parte dos louros foi Fernando Henrique Cardoso, eleito e reeleito presidente na esteira do sucesso no combate à inflação.

Ao mesmo tempo, partidários do ex-presidente Itamar Franco ressentiram-se por anos do pouco crédito atribuído a ele.

Embora fosse pouco conhecido nacionalmente antes do processo de impeachment que levou à renúncia de Fernando Collor de Mello, em 1992, era Itamar quem tinha a caneta e tomou a decisão de tirar FHC da chefia do Itamaraty para colocá-lo à frente do Ministério da Fazenda com a missão de estabelecer novos rumos econômicos para o Brasil.

Essa história começa em meados de maio de 1993.

Ainda como ministro das Relações Exteriores, FHC fazia uma escala em Nova York na volta de uma viagem a Tóquio.

Foi quando ele recebeu um telefonema de Itamar dizendo que estava pensando colocá-lo no lugar de Eliseu Resende na posição de ministro da Fazenda.

Confortável na condição de chanceler, FHC pediu a Itamar que esperasse ele chegar ao Brasil para conversarem melhor, o que ocorreria dali a dois dias, e foi dormir.

“No dia seguinte ele acorda com a notícia da nomeação dele como ministro da Fazenda no Diário Oficial”, disse Malan.

Um tanto contrariado com a indicação, Fernando Henrique ainda tentou conversar com Itamar.

“Olhe, fique tranquilo. Está sendo muito bem recebida a indicação de seu nome”, respondeu Itamar, segundo o relato de Malan.

FHC começou então a montar a equipe econômica.

“Naquele mesmo dia ele me ligou, pediu o telefone de alguns economistas e pediu que eu fosse a Brasília”, disse Malan.

Desses economistas, Gustavo Franco e Winston Fritsch imediatamente aceitaram o convite. Depois deles vieram André Lara Resende, Pérsio Arida e Edmar Bacha para postos-chave.

Com FHC na posição de fiador político, estava formado o núcleo duro habilitado a reivindicar a paternidade do Plano Real.

Apagando as velinhas junto com o Plano Real

Malan também puxou o fio da memória por uma série de aniversários que acompanham os 30 anos do real:

  • 25 anos e meio do câmbio flutuante;
  • 25 anos do regime de metas de inflação;
  • 24 anos e um mês da aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) pelo Congresso.

Talvez tenha omitido os dias para não parecer detalhista demais.

Ainda assim, outros números mencionados por Malan chamam a atenção.

Lembrou que 400 dias separaram a posse de Fernando Henrique Cardoso como ministro da Fazenda, em 19 de maio de 1993, do lançamento do Real, em 1º de julho de 1994.

Quando Gustavo Franco comentou que o salário mínimo foi definido à época em US$ 64, Malan acrescentou sem cerimônia: “vírgula 79.”

Números que não teriam relevância sem as memórias que suscitam.

Um raro dia de bom humor

Depois da palestra, Malan e Franco sentaram-se a uma mesa para autografar os livros, distribuídos gratuitamente aos presentes no evento.

Entre um e outro comentário elogioso à memória de ambos, a dupla respondia com um bom humor raro segundo o próprio Malan.

“A gente não passa no antidoping”, disse Gustavo Franco.

Malan, por sua vez, preferiu brincar com a idade: “Velhinho perde a memória recente. A memória mais antiga segue intacta.”

Leia também

Compartilhe

ELEIÇÕES 2024

Da TV para a Prefeitura? Datena diz pretender ir até o final, mas não crava candidatura em São Paulo

16 de julho de 2024 - 17:33

Em sabatina,o jornalista negou que esteja usando a política para renegociar seu contrato com a Band

PEGA!

Eleições municipais: Brasil soma quase 8 mil prefeitos e ex-prefeitos condenados por improbidade administrativa 

15 de julho de 2024 - 19:22

O número representa 33% dos 23.800 punidos com base na lei estabelecida em 1992, que foi alterada em 2021 pelo Congresso Nacional

REGULAMENTAÇÃO DA TECNOLOGIA

‘A inteligência artificial só não é mais perigosa que a burrice humana’: o que o presidente do Senado pensa sobre a regulação da IA no Brasil

10 de julho de 2024 - 13:11

A proposta é de autoria do próprio Pacheco e tramita na Casa sob relatoria do senador Eduardo Gomes (PL-TO)

GENIAL/QUAEST

Pesquisa aponta que maioria apoia críticas de Lula contra Roberto Campos Neto na condução do Banco Central

10 de julho de 2024 - 8:42

A aprovação do presidente da República melhorou em relação à pesquisa passada, quando atingiu o menor patamar desde fevereiro de 2023

INQUÉRITO DA PF

Da Arábia Saudita à Polícia Federal: Como a PF ligou as joias a Jair Bolsonaro — e o que pode acontecer com ex-presidente

9 de julho de 2024 - 9:04

Segundo a PF, o valor parcial dos presentes entregues por autoridades estrangeiras ao então presidente somou US$ 1.227.725,12

FAZENDO AS CONTAS

Previdência em risco: desvincular benefício do salário mínimo para cumprir meta fiscal pode criar efeito rebote nas contas

7 de julho de 2024 - 16:48

Em entrevista à Agência Brasil, especialista em Previdência Social afirma que os benefícios previdenciários e assistenciais não vão para a poupança, mas para custo de vida

ANTECIPAÇÃO

Cotado como ‘nome da direita’ para disputa presidencial, Tarcísio De Freitas diz que é preciso ‘começar a construir 2026’

7 de julho de 2024 - 9:20

O governador paulista discursou, ao lado de Bolsonaro, na Conferência de Política e Ação Conservadora (CPAC Brasil), em Balneário Camboriú (SC)

CONFERÊNCIA CONSERVADORA

Bolsonaro ignora indiciamento pela PF e critica imprensa e o PT em evento de conservadores com Javier Milei

6 de julho de 2024 - 15:39

A fala de Bolsonaro abriu a Conferência de Política Ação e Conservadora (CPAC Brasil) na manhã deste sábado (6) em Balneário Camboriú

Disputa pela prefeitura

Datafolha mostra Nunes com 24% e Boulos com 23% das intenções de voto em São Paulo, invertendo a pesquisa anterior

5 de julho de 2024 - 18:26

Três candidatos aparecem empatados na terceira colocação, segundo o instituto de pesquisa

PLEITO MUNICIPAL

Cabeça a cabeça, Boulos e Nunes empatam nas eleições para prefeitura de São Paulo, mas segundo turno será mais difícil para um deles

2 de julho de 2024 - 9:27

Em um eventual segundo confronto entre os dois, Nunes é preferido por 46%, enquanto 39% optam pelo deputado do PSOL

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar