🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
19 de maio de 2024
16:47 - atualizado às 15:25
Federal Reserve movimenta as bolsas / grandes bancos dos eua
Imagem: Divulgação

O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, e outros presidentes de grandes bancos norte-americanos tentaram dificultar o trabalho do Federal Reserve (Fed) no que diz respeito às propostas para que os credores mantivessem mais capital. Agora, parece que as táticas estão dando frutos.

Recapitulando, o Fed e dois outros órgãos reguladores federais querem um novo plano que reduziria significativamente o aumento obrigatório de capital — de 20% — para os maiores bancos dos EUA, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

Isso faria com que, para bancos como o JPMorgan e o Goldman Sachs, o aumento de capital equivaleria a cerca de metade do valor originalmente previsto, dizem as fontes.

Vale lembrar que esses aumentos de capital obrigatórios visam garantir reservas para absorver potenciais perdas durante crises.

Contudo, as principais autoridades dos três órgãos envolvidos nas regras pendentes — a saber,  o próprio Fed, o FDIC e o Office of the Comptroller of the Currency (OCC) — ainda estão negociando revisões técnicas.

Também não há garantia de que um acordo será fechado. Além disso, pode ser que um plano esteja pronto até o final deste ano.

  • [Relatório cortesia da Empiricus Research] Estrategista-chefe da casa libera conteúdo com recomendações de investimento e comentários sobre o cenário macro. Veja o que Felipe Miranda tem a dizer sobre Israel-Irã, dólar, juros nos EUA e meta fiscal, clicando AQUI.

Bancos celebram menor aumento

Se aprovado, o plano será uma grande vitória para os bancos e para Dimon. Os bancos afirmam que as regras, conforme propostas originalmente, teriam reduzido os lucros e restringido os empréstimos.

Isso também representa uma mudança no equilíbrio de poder entre os grandes bancos e seus órgãos reguladores, virando a página de uma era em que o Fed detinha maior controle sobre as instituições.

Dimon, em uma reunião em Washington no último outono do Hemisfério Norte, disse a seus colegas CEOs que ignorassem Michael Barr, vice-presidente de Supervisão do BC americano e principal arquiteto do plano original.

Em vez disso, Dimon pediu a seus colegas banqueiros que pressionassem especialmente o presidente do Fed Jerome Powell para alterar as regras de capital propostas.

Sucessivas reuniões

Os CEOs dos grandes bancos dos EUA se reuniram com Powell mais de uma dúzia de vezes entre julho e março do ano passado, de acordo com o calendário público do banqueiro central. Isso incluiu quatro reuniões ou telefonemas com Dimon.

Na sexta-feira, o Fed divulgou os calendários de Barr, mostrando que ele se reuniu 15 vezes com os CEOs dos maiores bancos dos EUA durante o mesmo período.

Ele também se reuniu com Dimon em abril e em maio, disse um porta-voz do Fed. "Não me senti privado da atenção do lobby bancário", afirmou Barr, em um nota.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Compartilhe

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

VAI CAIR OU NÃO VAI?

Juros nos EUA: a mensagem do principal relatório de emprego sobre o futuro das taxas que mexem com as bolsas do mundo

7 de junho de 2024 - 14:01

O mercado torceu o nariz para os dados mais fortes do que o esperado do chamado payroll referente ao mês de maio; entenda a reação e o que esperar agora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar