🔴 QUER SAIR DO ALUGUEL? NÃO USE O FGTS PARA FINANCIAR O IMÓVEL – CONHEÇA ESTA ESTRATÉGIA

Dani Alvarenga
CONTRA-ATAQUE

China vai investigar se a União Europeia está impondo barreiras comerciais contra produtos chineses; entenda a disputa entre o bloco e o gigante asiático

A investigação da China é uma resposta a uma série de apurações da União Europeia sobre os subsídios estatais do gigante asiático

Dani Alvarenga
10 de julho de 2024
15:36 - atualizado às 13:41
As bandeiras da China e da União Europeia
As bandeiras da China e da União Europeia - Imagem: Freepik/Montagem Seu Dinheiro

A China resolveu entrar para o contra-ataque na guerra comercial com a União Europeia (UE). O gigante asiático iniciou nesta quarta-feira (10) uma investigação sobre as apurações comerciais da UE contra uma série de produtos chineses.

O anúncio da investigação ocorre dias após as tarifas provisórias adicionais da Comissão Europeia entrarem em vigor. As taxas incidem sobre importações de veículos elétricos fabricados na China.

O governo afirmou ainda que vai averiguar se as tarifas impostas pela UE sobre as empresas chinesas constituem “barreiras comerciais”. 

Além disso, vai apurar se as investigações do bloco violam o tratado econômico entre os dois lados e se prejudicaram o comércio do país com os 27 estados-membros da UE.

Segundo o Ministério de Comércio da China (MOFCOM), o órgão irá investigar iniciativas anti-subsídio da União Europeia que tenham como alvo trens, painéis solares, turbinas eólicas e equipamentos de segurança de origem chinesa.

De acordo com o comunicado, a apuração é uma resposta a um pedido de um grupo industrial com apoio estatal que representa exportadores de máquinas e eletrônicos.

A investigação deverá ser concluída antes de 10 de janeiro, mas poderá ser estendida por três meses, informou o ministério.

Caso a China considere que houve, sim, imposição de barreiras comerciais, o gigante asiático poderá iniciar negociações com o bloco, um processo multilateral de resolução de conflitos ou tomar “medidas apropriadas” para a solução.

Contudo, se nenhum acordo for definido, as tarifas da UE sobre importações de veículos elétricos chineses passam a ser definitivas a partir de novembro.

Quem tem medo da China?

A China está no radar da União Europeia. E o motivo é o temor de que empregos e indústrias importantes possam ser eliminados devido às importações chinesas baratas.

O bloco vem investigando o mercado chinês desde outubro de 2023.  A apuração chegou ao fim em junho deste ano e definiu aumento provisório de até 38% nas tarifas contra o gigante asiático.

A Comissão Europeia, braço executivo da UE, alegou que os carros chineses vêm sendo beneficiados por "subsídios injustos", representando uma ameaça e prejudicando as montadoras europeias.

O bloco avalia a medida como necessária e que tem por objetivo deter a enxurrada de carros chineses baratos na União Europeia.

Já no início de 2024, a Comissão entrou com novas investigações sobre os subsídios da China.

O bloco passou a apurar se o apoio estatal em favor de fabricantes de painéis solares e das empresas de turbinas eólicas chinesas estariam permitindo uma vantagem injusta aos produtos produzidos na China.

As investigações ocorrem em meio a um excesso de oferta de produtos chineses em indústrias-chaves ao redor do mundo, que vem intensificando as tensões entre o país e seus parceiros comerciais.

Em março deste ano, o presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China, Jens Eskelund, chegou a expressar preocupação sobre a situação comercial.

“A Europa não pode simplesmente aceitar que indústrias estrategicamente viáveis, ​​que constituem a base industrial europeia, estejam sendo excluídas do mercado por causa dos preços”, afirmou Eskelund à jornalistas na época.

Sem recuos: o posicionamento chinês

A China não está de braços cruzados. O gigante asiático vem impondo as próprias investigações em resposta às investidas da União Europeia.

Em janeiro deste ano, o governo chinês abriu uma apuração antidumping sobre importações do conhaque europeu.

De acordo com um comunicado, o Ministério do Comércio chinês enxerga que os produtores europeus estão vendendo conhaque a preços artificialmente baixos na China.

Após as tarifas da UE contra veículos elétricos chineses entrarem em vigor, Pequim afirmou que intensificou a verificação.

Agora, no dia 18 deste mês, o Ministério do Comércio vai realizar uma audiência para discutir a investigação.

O encontro deve se concentrar nos motivos da queda dos preços das bebidas alcóolicas europeias e nos possíveis danos que tenham causado à indústria chinesa.

*Com informações de Estadão Conteúdo e CNN

Compartilhe

ELEIÇÕES NOS EUA

Kamala Harris usa passado como promotora para se contrapor a Trump e seus problemas com a justiça — e já aparece em vantagem em pesquisa

24 de julho de 2024 - 10:31

Pesquisa Reuters/Ipsos mostra Kamala Harris com 2 pontos de vantagem sobre Donald Trump no voto popular, mas não é ele que decide a eleição

TROPA NA RUA

Acabou para Maduro? Venezuela vive dias “quentes” antes de eleição que será teste de fogo para o chavista

23 de julho de 2024 - 19:58

Faltando poucos para a eleição de domingo (28), o presidente venezuelano trabalha mais arduamente do que nunca para reforçar a lealdade das Forças Armadas

KAMALAMANIA?

Kamala Harris já dispõe de apoio suficiente entre os democratas, mas ainda tem um caminho a percorrer até ser a candidata oficial do partido

23 de julho de 2024 - 10:42

Candidatura de Kamala Harris precisa ser ratificada pelos delegados do Partido Democrata, o que só deve acontecer em agosto

"EU TE AMO"

Discurso inesperado: Biden fala pela primeira vez após desistência; Harris também se pronuncia

22 de julho de 2024 - 19:57

Biden convocou uma reunião de campanha para agradecer à sua equipe pelo trabalho árduo e para reforçar o apoio à campanha presidencial de Harris

WOMAN POWER

É histórico: Kamala Harris arrecada mais de US$ 100 milhões para o partido menos de 24 horas após Biden desistir da reeleição

22 de julho de 2024 - 19:02

A possibilidade de a vice presidente dos EUA se tornar a candidata democrata canaliza uma enorme quantidade de recursos para os democratas enfrentarem Trump em novembro

ELEIÇÕES NOS EUA

A euforia com Trump vai durar? Os 5 fatores que podem fazer a onda vermelha se tornar um tsunami sobre os mercados

22 de julho de 2024 - 18:46

O estrategista-chefe do UBS Investment Bank listou os pontos de atenção para os investidores em caso de vitória do republicano em novembro

ELEIÇÕES NOS EUA

Como Kamala Harris pode complicar a vida de Donald Trump na disputa pela Casa Branca

22 de julho de 2024 - 10:06

Ao desistir da reeleição, Joe Biden endossou candidatura de sua vice, Kamala Harris, à presidência dos Estados Unidos

ELEIÇÕES NOS EUA

Não deu para Biden: presidente dos EUA cede à pressão e desiste da reeleição — saiba o que acontece daqui para frente 

21 de julho de 2024 - 15:44

No que depender de Biden, sua vice Kamala Harris deve ser o nome do partido para enfrentar Donald Trump nas urnas em 5 de novembro; Trump se manifesta sobre a desistência

ATUALIZANDO O PORTFÓLIO

Por que Warren Buffett decidiu vender US$ 1,48 bilhão em ações de um bancão norte-americano

20 de julho de 2024 - 17:48

A Berkshire Hathaway vendeu cerca de 33,9 milhões de ações desta instituição financeira em diversas transações nesta semana

MELHORES MOMENTOS GIRO DO MERCADO

Trump mais vivo do que nunca: os impactos no dólar, cripto e juros — e os principais riscos da provável vitória do republicano 

19 de julho de 2024 - 18:14

Donald Trump saiu do atentado do último sábado mais vivo do que nunca. Agora, se já não era antes, o republicano é o nome mais forte na corrida e provavelmente voltará a ocupar a Casa Branca — e os mercados já estão tentando prever os impactos disso.  A percepção de que o ex-presidente saiu ganhando […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar