🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
AYUDA, HERMANOS

A motosserra de Milei ficou sem combustível? Entenda por que o dólar voltou a bater máximas na Argentina — e por que isso já era esperado

Ao mesmo tempo em que o mercado aumentou o apetite por dólares, Javier Milei, o presidente do país, virou capa da revista Time

Renan Sousa
Renan Sousa
23 de maio de 2024
12:55 - atualizado às 15:35
Javier Milei, novo presidente da Argentina
Javier Milei, novo presidente da Argentina - Imagem: Reprodução das redes sociais

O dólar paralelo na Argentina, também conhecido como blue, voltou a renovar máximas históricas nesta quinta-feira (23) depois de meses de calmaria. Perto das 12h, a cotação do blue atingia os 1.300 pesos, de acordo com o portal Ámbito Financeiro, uma alta de 1,96%. 

Vale lembrar que a Argentina adota múltiplas cotações para o dólar, sendo que a blue é aquela mais próxima da realidade do país.

Porém, mesmo a cotação do dólar oficial, aquela praticada por empresas no país, também vinha subindo desde o começo do ano, após o país afrouxar as regras sobre o câmbio. 

O principal motivo para ambos os casos está no passado. Isso porque o governo argentino liberou parcialmente o câmbio, em um sistema chamado crawling peg. Assim, as cotações ficam limitadas a um intervalo de oscilações, o que impede uma disparada brusca de preços. 

Contudo, um segundo fator também pesa para que o dólar tenha um novo recorde: a volta das atividades exportadoras.

Argentina voltando aos trilhos

Em primeiro lugar, vale lembrar que a Argentina vive um problema de escassez de dólares devido a problemas de exportação. O país não conseguiu dar vazão aos seus produtos, fazendo a economia entrar em uma espiral de inflação e baixas reservas. 

Para Federico Zirulnik, economista do Centro de Estudios Scalabrini Ortiz (CESO), em entrevista ao Ámbito, a liquidação de exportações é o fator que impulsiona o dólar contra o peso argentino hoje.

Isso porque, desde que a inflação começou a disparar no ano passado, os exportadores começaram a atrasar os pagamentos. 

Agora, com a relativa melhora das condições dos negócios — consequentemente, das exportações e importações —, há uma maior liquidez geral no mercado, que tende a migrar para uma moeda segura como o dólar norte-americano. 

Além disso, ele explica que o mercado deve começar a ver uma nova entrada de dólares assim que a nova safra de grãos começar a ser liquidada, o que tende a conter o rali. Porém, ela não deve ser suficiente para cobrir a recente valorização da moeda norte-americana.

Enquanto isso, Javier Milei…

Ao mesmo tempo em que o mercado aumentou o apetite por dólares, Javier Milei, o presidente do país, virou capa de revista. Literalmente. 

A mais recente edição da tradicional norte-americana Time traz na capa Milei com o título de “O Radical”.

O texto foi baseado em uma entrevista concedida pelo presidente ao veículo em 25 de abril e define o presidente como "o chefe de Estado mais excêntrico do mundo".

Segundo o jornal Clarín, outras personalidades argentinas que já foram capas da Time incluem o papa Francisco, o ex-presidente Carlos Menem — em quem Milei se inspira para compor sua política econômica —, a popular ex-primeira dama, “Evita” Perón, o jogador Lionel Messi e o revolucionário Ernesto "Che" Guevara.

VEJA TAMBÉM - ATÉ QUANDO O TRATAMENTO DE CHOQUE DE MILEI NA ECONOMIA DA ARGENTINA VAI DAR CERTO?

Compartilhe

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

VAI CAIR OU NÃO VAI?

Juros nos EUA: a mensagem do principal relatório de emprego sobre o futuro das taxas que mexem com as bolsas do mundo

7 de junho de 2024 - 14:01

O mercado torceu o nariz para os dados mais fortes do que o esperado do chamado payroll referente ao mês de maio; entenda a reação e o que esperar agora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar